Tipos de engenharia: entenda a diferença e escolha a melhor para você!

Atualmente, existem 34 tipos de engenharia, o que oferece um mar de possibilidades e oportunidades a essa profissão. Porém, escolher o curso ideal não é uma tarefa fácil, pois envolve muitos assuntos e condições.

Por isso, é preciso pesquisar muito antes de tomar uma decisão desse calibre, afinal, você não quer perder tempo e dinheiro, não é mesmo?

Pensando nisso, criamos este post especialmente para você. Nele, você vai conhecer quais são os principais tipos de engenharia para que você escolha a área que mais se encaixa no seu perfil. Boa leitura!

Por que fazer engenharia?

Carreira emocionante

Engenheiros conquistam grandes feitos. Ao longo da história, os profissionais em engenharia contribuíram para suas comunidades e civilizações, criando máquinas, ferramentas e diversas outras coisas para facilitar o dia a dia das pessoas.

A grande variedade de áreas da engenharia significa que, qualquer que seja o seu interesse, certamente há uma área perfeita para você. Da tecnologia da informação à ciência biomédica, da construção de prédios, estradas e monumentos a viagens espaciais, os engenheiros trabalham incessantemente para fazer as coisas acontecerem.

Alta demanda por profissionais

Hoje em dia, há uma elevada falta de profissionais em todas as áreas da engenharia — e isso é o principal problema para o crescimento das empresas desse setor. O mercado de trabalho precisa de mais pessoal para a construção de hospitais e estradas, além de equipe de projetos da mudança climática, petróleo e gás, mineração e muito mais. Portanto, ao optar por essa profissão, você provavelmente sempre terá onde atuar. Simples assim!

Possibilidade de inovar

A engenharia lhe dá a possibilidade de ser o primeiro a desenvolver ou testar novas ferramentas ou tecnologias, como corações e pulmões artificiais, desenvolvimento e entrega de edifícios ambientalmente sustentáveis e muitas outras coisas interessantes.

Nesse sentido, engenheiros podem:

  • projetar e construir cenários e mundos de realidade virtual, campos de futebol e quaisquer outros cenários;

  • descobrir e patentear novos materiais que podem curar diversas doenças;

  • facilitar o cotidiano da sociedade.

Flexibilidade para trabalhar

Os engenheiros podem exercer suas funções em toda parte: nas cidades, comunidades e até em áreas remotas (florestas, vales, montanhas, alto-mar). Além disso, eles podem trabalhar também em salas de aula, escritórios, fábricas, laboratórios ou mesmo no espaço sideral.

Quais são os tipos de engenharia?

Cada graduação tem características e perfis próprios. Listamos as principais engenharias para você acabar com suas dúvidas e escolher a área que mais interessa você. Confira!

Engenharia de computação

É o conjunto de estudos usados na criação de computadores e seus acessórios. Em sua função, o engenheiro da computação:

  • projeta e constrói hardwares, softwares e sistemas;

  • produz novos equipamentos e máquinas computacionais para serem utilizados em diversos departamentos ou setores;

  • desenvolve produtos para serviços de telecomunicações;

  • planeja e implementa redes de PCs e seus componentes, como cabeamentos e roteadores.

A boa notícia para a engenharia de computação é que a expansão do parque industrial do nosso país aumentou a demanda de máquinas e ferramentas automatizadas e operadas por mecanismos computacionais. Isso faz com que se busque mão de obra mais qualificada para operar esses equipamentos.

Além das matérias de cálculo e computação, esse curso oferece formação gerencial, dando ao aluno capacidade de interação com o ambiente, comunicação interpessoal, visão abrangente própria do engenheiro e, principalmente, perfil empreendedor (característica essencial para profissionais de sucesso).

Tais atributos são obtidos por meio de disciplinas de outras especializações, como empreendedorismo, projeto interdisciplinar, gerenciamento de projetos e economia.

Engenharia de petróleo

É o conjunto de conhecimentos utilizados para a descoberta de jazidas e poços que visam a exploração, produção e comercialização de petróleo e gás natural. Os profissionais em engenharia de petróleo têm, como campo de atividade, plataformas marítimas, petroquímicas, petroleiros e refinarias. Com seus conhecimentos em engenharia, geologia, geofísica e mineração, eles buscam contribuir com essas empresas da melhor forma.

É da responsabilidade do engenheiro de petróleo elaborar projetos que visem à exploração e à produção desses recursos sem prejudicar o meio ambiente nem desperdiçar material. Além disso, ele também é responsável por transportar o petróleo e seus derivados, desde o local da extração até a chegada na refinaria.

Esse profissional também pode atuar em consultorias ambientais e nos setores de exportação e importação, fazendo cálculos e pesquisas de preço de matérias-primas ou prospectando compradores.

Em resumo, os objetivos do curso são os seguintes:

  • capacitar os estudantes no conhecimento das teorias, princípios, leis, métodos e tecnologias relacionadas à engenharia de petróleo;

  • oferecer aos alunos uma visão abrangente, por meio da adoção de disciplinas de outras especializações, entre elas a administração e a informática;

  • capacitar os estudantes a serem coordenadores de empreendimentos;

  • possibilitar conhecimento orientado que permita aos alunos atuar em todos os ramos relacionados à indústria de petróleo.

Engenharia de produção

A engenharia de produção busca aumentar a produtividade de uma empresa, gerenciando setores, como financeiro, RH e materiais.

O engenheiro dessa área é muito requisitado em indústrias de quase todos os segmentos. Ele reúne conhecimentos de economia, administração e engenharia para otimizar o trabalho, melhorar procedimentos e organizar as atividades financeiras, comerciais e logísticas de um negócio.

O bacharel em engenharia de produção também pode definir a melhor forma de integrar equipamentos, insumos e mão de obra, a fim de melhorar a qualidade e elevar a produtividade. Por trabalhar entre o setor administrativo e o técnico, sua área de atuação ultrapassa os limites da empresa. O especialista em finanças empresariais, por exemplo, geralmente é contratado por bancos para elaborar carteiras de investimentos.

Esse profissional é muito procurado, também, por prestadoras de serviços para coordenar a seleção de pessoal, planejar escalas e trabalho e definir funções.

Para que você seja capaz de exercer todas as funções dessa área, o curso oferecerá:

  • uma sólida formação técnico-científica;

  • uma formação gerencial multifuncional, com destaque para o empreendedorismo;

  • uma real vivência com a realidade organizacional, por meio de projeto empresarial (trabalho de conclusão de curso) e estágio supervisionado.

Engenharia de automação e controle (mecatrônica)

É o ramo da engenharia que desenvolve e executa projetos de automação industrial. O engenheiro de controle e automação:

  • projeta e opera equipamentos utilizados nos processos automatizados de indústrias em geral, além de fazer sua manutenção;

  • ocupa-se do gerenciamento de projetos de automação industrial e comercial;

  • programa máquinas e adapta softwares aos processos industriais;

  • redimensiona, opera e mantém os sistemas e equipamentos já instalados (em empresas já automatizadas).

​O início do curso de engenharia de automação e controle é focado em disciplinas-base: cálculo, matemática, informática, física, química, mecânica e informática.

Elas servirão de apoio para as matérias profissionalizantes, como:

  • eletrônica;

  • microprocessadores;

  • processos industriais;

  • programação avançada;

  • sistemas digitais, entre outras.

Ao longo da formação, as disciplinas de humanas ampliam a visão do aluno para que ele se torne administrador, gerente ou dono do próprio negócio.

Engenharia elétrica

O engenheiro eletricista trabalha com a geração, distribuição e transmissão de energia elétrica. Esse profissional está capacitado para:

  • construir e aplicar sistemas de controle e automação em linhas de produção de diversas indústrias;

  • desenvolver componentes eletrônicos;

  • operar e reparar equipamentos em clínicas e hospitais e em projetos de instalações elétricas;

  • participar da construção de usinas hidrelétricas, nucleares e termelétricas;

  • trabalhar em concessionárias de energia, fábricas de smartphones, indústrias de telecomunicações e de equipamentos.

Na faculdade, o início da grade é ocupada por disciplinas fundamentais: cálculo, física, informática, matemática, mecânica, química. Elas servirão de apoio para as matérias profissionalizantes: sistemas digitais, eletrônica de potência, microprocessadores, instalações e máquinas elétricas, entre outras.

A grade do curso de engenharia elétrica oferece, ainda, disciplinas de diversas áreas, como direito, economia, empreendedorismo, gestão empresarial e marketing. A finalidade é capacitar o aluno para desenvolver outra habilidade que vai ajudar a gerar seu próprio negócio, como automação residencial, manutenção em motores geradores ou serviço de consultoria para otimizar o consumo de energia.

Engenharia mecânica

É o tipo de engenharia que cuida do desenvolvimento e da manutenção de equipamentos e máquinas. O engenheiro mecânico:

  • desenvolve, projeta e supervisiona a produção de equipamentos, máquinas, veículos, sistemas de aquecimento e de refrigeração e aparelhos específicos da indústria mecânica;

  • calcula a quantidade exata de matéria-prima, cria protótipos, elabora moldes das peças que serão fabricadas e testa os produtos produzidos;

  • organiza sistemas de armazenagem, coordena processos e define procedimentos de segurança para a produção;

  • controla a qualidade, monitora e analisa testes de resistência, conferindo e calibrando medidas.

Ele costuma trabalhar com engenheiros de materiais, de produção, eletricistas e de automação e controle, na manutenção de aeronaves, na montagem e automação de sistemas e na indústria de eletroeletrônicos.

Durante os dois primeiros anos do curso, o futuro engenheiro mecânico tem contato com disciplinas das áreas de matemática, física, informática e química e, nos três últimos anos, com matérias profissionalizantes da engenharia mecânica, nas quais diversos laboratórios são utilizados para lecionar/realizar aulas práticas.

O aluno também exercerá os conhecimentos adquiridos por meio da realização de trabalhos de graduação e de programas de estágios supervisionados, além de atividades extracurriculares (projetos interdisciplinares) ou programas de iniciação científica.

Engenharia química

É o segmento da engenharia voltado para o desenvolvimento de processos que envolvem transformações físico-químicas. O engenheiro químico:

  • cria técnicas de extração de insumos e recursos e os utiliza ou transforma em produtos diversos, como plásticos, tintas, solúveis, têxteis, papel e celulose;

  • desenvolve equipamentos e produtos, além de pesquisar novas tecnologias;

  • projeta e coordena a construção e a instalação de usinas, fábricas e estações de tratamento de efluentes industriais;

  • pesquisa e implementa processos não poluentes, com base na normatização e no desenvolvimento sustentável.​

Durantes os quatro períodos iniciais do curso, o aluno terá contato com disciplinas das áreas de física, informática, matemática e química e, no restante do curso, com matérias profissionalizantes da engenharia química, nas quais os laboratórios são utilizados com frequência para pôr os conhecimentos adquiridos em prática.

O estudante também realizará estágios supervisionados e trabalho de conclusão de curso, além de ter a possibilidade de participar de programas de iniciação científica ou atividades extracurriculares diversas.

Engenharia biomédica

É o setor da engenharia que visa à geração de equipamentos biomédicos e odontológicos, voltados para diagnóstico ou tratamentos. O engenheiro biomédico:

  • projeta a estrutura, cria e monta os equipamentos e realiza a sua manutenção preventiva e corretiva. Pode ainda calibrar e avaliar os equipamentos médicos e eletromédicos;

  • como possui conhecimentos na área de eletrônica e informática, cria sistemas e equipamentos eletrônicos que melhoram a utilização das máquinas pelos enfermeiros, médicos e dentistas;

  • também pode administrar o setor de compras de equipamentos médicos e definir seu uso;

  • realiza ainda pesquisas científicas para a descoberta de instrumentos e materiais biomédicos.

Esse profissional atua em clínicas médicas, hospitais, laboratórios de análises clínicas e farmacêuticos, centros de saúde e serviços voltados à manutenção hospitalar.

Além da atuação como empresário ou empregado do setor, o engenheiro biomédico também pode trabalhar com pesquisas em institutos de pesquisa, universidades ou em alguns empreendimentos que realizam pesquisa, desenvolvimento para essa área.

Os estados com maior número de postos de trabalho para a engenharia biomédica são: Minas Gerais, São Paulo e Pernambuco. Além, é claro, de oportunidades de emprego em outros estados como Espírito Santo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Bahia.

Engenharia civil

A engenharia civil projeta, coordena e executa diversas obras, como residências, prédios, pontes, estradas, viadutos, barragens, canais e portos. O engenheiro civil:

  • acompanha todas as etapas de uma construção ou reforma;

  • faz a análise das características do solo;

  • estuda a insolação e a ventilação do local para definir os tipos de construção;

  • desenvolve projetos, determinando as redes de instalações hidráulicas, elétricas e de saneamento da obra e definindo os recursos que serão consumidos.

No canteiro de obras, ele gerencia as equipes, fiscalizando prazos, custos, normas de segurança e de qualidade. Cabe a esse profissional garantir a continuidade e a segurança da edificação, calculando os efeitos do ambiente como as mudanças de temperatura na resistência dos materiais utilizados.

Ele também pode administrar recursos prediais, gerenciando a infraestrutura e a ocupação de um prédio.

A grade curricular do curso de engenharia civil é composta por disciplinas destinadas a uma abrangente formação que permitirá ao aluno exercer várias atividades em uma empresa, o que garante uma grande vantagem competitiva, além de lhe oferecer mecanismos para que possa desenvolver seu próprio empreendimento.

Para conquistar os objetivos mencionados acima, o curso aborda temas como:

  • gestão de produção;

  • engenharia de produtos e serviços;

  • gestão da qualidade e produtividade;

  • elaboração e gestão de pequenas e médias empresas;

  • engenharia econômica;

  • pesquisas operacionais e de inteligência artificial;

  • gestão empresarial.

Como escolher a melhor área?

Entre um mar de opções, áreas, questões e interesses fica complicado escolher qual curso de engenharia fazer. Se você ainda está com dúvidas, confira abaixo algumas dicas que podem ajudar você a tomar a melhor decisão.

Pesquise bem

Uma boa pesquisa é essencial. Como é uma decisão importante, é necessário ter certeza para evitar arrependimentos futuros. Portanto, quanto mais informações você tiver, melhor será. Acesse sites relacionados, leia artigos, procure cases de sucesso, conte com o auxílio de profissionais que já trabalham na área e colha opiniões de pessoas que cursam a faculdade que mais atrai você.

Avalie os custos (mensalidade + distância)

Universidade privada ou pública? Nesses dois casos, avalie a qualificação dos professores, as grades curriculares e a infraestrutura. Em relação às privadas, é importante estar ciente do valor do curso e se você consegue arcar com os custos ou se conseguirá contar com o auxílio de familiares.

Já no caso da faculdade pública, pode ser que você tenha que mudar de cidade, o que pode gerar muitos custos, uma vez que será preciso também se mudar e se adaptar à nova vida. Nesse momento, vale levantar quaisquer situações a fim de pensar sempre nas dificuldades futuras, agindo sempre com prudência. Seja bem detalhista nessa hora!

Faça o que mais gosta

Soa um pouco óbvio dizer isso, porém, é uma decisão essencial na escolha da melhor faculdade de engenharia. Afinal, é melhor fazer o gosta do que padecer depois em algo que só trará insatisfações.

Universidade é coisa séria, por isso, não permita que ninguém faça você desistir do que você deseja para sua carreira profissional, pois você terá que estar sempre disposto para enfrentar dificuldades e levar tudo à frente.

Conheça e visite as universidades

Conhecer e visitar a instituição de ensino é fundamental, ainda mais se for aquela na qual você almeja ingressar. Avalie sempre o acesso, estrutura, laboratório, refeitórios, situação atual do curso, e outros pontos que podem contribuir com a sua formação.

Além disso, não deixe de verificar se a faculdade é bem falada pelos alunos e ex-alunos, bem como a sua posição nos rankings de avaliação da região na qual ela está localizada.

Considere os dados do MEC

A avaliação do MEC, por intermédio do ENADE (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes), considera muitos fatores específicos e indispensáveis de uma universidade, por esse motivo, ela não deve ser ignorada. Escolha sempre pela faculdade que tenha uma boa nota (posicionamento).

Analise o processo seletivo e o número de vagas

Fique de olho na quantidade de vagas disponíveis, bem como notas de corte e todas as opções possíveis. Normalmente, quanto mais concorrido o curso, melhor ele será. Portanto, se achar pertinente, invista em um cursinho preparatório para conseguir uma boa colocação no vestibular.

Pense em longo prazo

Nunca aja por impulso ou por pressão das pessoas ao seu redor. Tudo tem seu tempo certo e deve ser avaliado com calma. Escolher a faculdade ideal não é fácil, por isso é necessário analisar os benefícios e os desafios tanto pessoais quanto profissionais.

O que esperar do futuro da engenharia?

A instabilidade econômica do país pode desmotivar muita gente na hora da sua escolha profissional. Porém, é necessário compreender que, mesmo em uma situação de incerteza como essa, é perfeitamente possível fazer algumas previsões. Basta avaliar os cenários socioeconômico e tecnológico e uni-los às tendências do mercado.

Descubra a seguir o que esperar do futuro que a engenharia pode lhe proporcionar!

Oportunidades em abundância

Segundo dados do Ipea (Instituto de Pesquisa e Economia Aplicada), engenheiros que realmente atuam dentro do país não são o suficiente para preencher a demanda dos próximos anos. Isso ocorre porque grande parte dos formandos acaba exercendo outras funções.

Quando você concluir seu curso, são grandes as chances de esse cenário mudar totalmente. Fora que a tendência é que algumas ações de incentivo sejam utilizadas, para que novos alunos ingressem na área de engenharia e tenham muitas oportunidades de estágio supervisionado e facilidades para continuar estudando, como bolsas de estudo e apoios diversos.

O objetivo é aumentar o número desses profissionais, por meio de estágios, permitindo que os alunos vivenciem a área mais cedo e evitem mudar de planos e exercer outras atividades.

Demanda por profissionais com boa capacidade de relacionamento

As empresas buscarão por profissionais mais completos futuramente. Isso inclui não só conhecimentos da área em questão, mas também habilidades de relacionamento. O engenheiro do futuro tem que saber se comunicar bem e trabalhar em equipe para que seu trabalho possa prosperar.

Há um tempo, as companhias investiam em capacitações desse tipo. No entanto, a cultura da eficiência excluiu essa prática. Atualmente, elas esperam que os candidatos já integrem as equipes com tais habilidades.

As corporações não estão mais dispostas a gastar para ensinar o engenheiro a se relacionar bem com colegas, subordinados e clientes. No ambiente organizacional, a capacitação profissional tem foco mais técnico do que relacional.

Adoção de novas tecnologias

Inovações em ferramentas, equipamentos, sistemas de produção, softwares, novos tipos de insumos otimizados e técnicas tornarão a função do engenheiro em algo bem diferente do que conhecemos atualmente. Para que você consiga ser competitivo no futuro, é preciso absorver e se adaptar a essas tendências rapidamente.

Portanto, procure por uma universidade que ofereça um bom suporte tecnológico, corpo docente que se mantenha sempre atualizado, materiais de qualidade e laboratórios com equipamentos de última geração.

Vale ressaltar que também é preciso atentar a todo tipo de novidade tecnológica, inclusive de outras áreas. No mundo atual, leva muito pouco tempo para que uma tendência venha a fazer parte do cotidiano das pessoas e empresas, alterando todas as relações de trabalho ao nosso redor. Tenha cuidado para não deixar que alguma inovação o pegue de surpresa!

Esperamos que os tipos de engenharia abordados neste post possam ajudar você a escolher a melhor área.

E então, este conteúdo foi útil para você? Aproveite e assine nossa newsletter para receber mais artigos interessantes como este. Até a próxima!