Não passei no Enem, e agora?

“Não passei no Enem. O que fazer agora?”. Essa é uma dúvida compartilhada por milhões de jovens que estudaram e se prepararam para o Exame Nacional do Ensino Médio, mas não obtiveram o resultado esperado. O Enem é, sim, hoje, a principal porta de entrada para as instituições públicas de ensino superior no país, mas não se dar bem no exame não significa que as suas chances acabaram.

Muitos estudantes chegam a acreditar que, com a reprovação no Enem, as possibilidades de se formar e ter uma carreira de sucesso foram eliminadas. Estão enganados! O importante é não se deixar abater e entender que nem tudo está perdido.

Existem diversos caminhos alternativos que podem levá-lo a concretizar o seu desejo de se graduar e se capacitar para o mercado de trabalho. E é justamente para mostrar essas opções que preparamos este post. Acompanhe!

Aguarde o resultado da lista de espera

Para começar, não se precipite achando que o seu sonho acabou por não ter sido convocado na chamada regular do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). A cada semestre, existe uma lista de espera, que é formada justamente por aqueles candidatos que tiveram uma boa pontuação e estão como classificáveis.

Logo, caso haja alguma desistência por parte dos aprovados e fiquem vagas livres, você pode, sim, ser chamado a ocupar uma delas. É importante ficar atento ao calendário do Sisu, para não perder o período marcado para manifestar interesse em alguma vaga e acompanhar a convocação dos selecionados.

Invista em um cursinho preparatório para o Enem

Caso você não esteja apto a participar da lista de espera ou, infelizmente, sejam liberadas poucas vagas e a sua nota de corte não seja suficiente, não desanime. Você tem a alternativa de aproveitar essa primeira experiência com o Enem para avaliar onde errou e identificar os assuntos em que teve mais dificuldade.

Daí em diante, pode se matricular em um cursinho e se preparar melhor para a próxima edição do exame, assegurando que os seus pontos fracos sejam corrigidos e que os seus pontos fortes sejam potencializados.

Organize-se com um cronograma para estudar em casa

Além do cursinho, você pode investir em uma educação independente (também conhecida como autodidata). Essa é uma ótima escolha para quem quer estudar em casa para o próximo Enem sem a necessidade do acompanhamento de um professor e determinando o próprio ritmo de estudo — especialmente porque muitos conteúdos do ensino médio serão revistos e você já tem um domínio estabelecido em alguns deles.

É preciso, contudo, ter bastante disciplina, para não deixar o aprendizado desandar e as matérias acumularem. Uma boa dica é montar um cronograma semanal de matérias e exercícios.

Para complementar, não deixe de ter um material didático diversificado que vá além dos livros, afim de expandir o seu conhecimento e permitir que você se aprofunde em diferentes temas. Entre os principais exemplos, podemos citar apostilas, simulados, documentários, videoaulas, e-books etc.

Realize um intercâmbio em uma instituição estrangeira

Uma quarta opção, enquanto você espera (e se prepara para) a edição do Enem do ano seguinte, é realizar um intercâmbio, que pode ser de semanas, meses ou de até um ano. O melhor é que há diversas possibilidades, como fazer um curso técnico, um curso de inglês ou um curso preparatório para exames de proficiência, como o TOEFL e o IELTS.

Essa experiência no exterior, além de ser um diferencial no seu currículo e permitir que você adquira a fluência em uma segunda língua — que é uma característica imprescindível no mercado para os profissionais do futuro —, vai proporcionar a você uma bagagem cultural incrível e a oportunidade de ampliar sua rede de contatos.

Tire um ano sabático para avaliar seus objetivos de vida

“Não passei no Enem, é verdade. Não pretendo, entretanto, colocar em prática nenhuma das alternativas anteriores. O que posso fazer?”. É isso que você está se perguntando? Se esse é o seu caso, uma boa possibilidade é tirar um ano sabático. Calma! Isso não significa tirar 365 dias de férias, viu?

Na verdade, a proposta por trás de um ano sabático é que você aproveite-o para fazer um exercício de autorreflexão para, de fato, se conhecer e identificar quais são os seus reais objetivos de vida.

O período do ensino médio e, em especial, o do vestibular costuma ser marcado por horas e horas de estudo, rotina escolar puxada, pressão familiar, decisões pessoais importantes e, é claro, a escolha de uma carreira. A verdade é que nem sempre você está seguro do que quer para o seu futuro, não é mesmo?

Esse tempo servirá para ajudá-lo a, como diz o ditado, colocar a cabeça no lugar e, assim, traçar quais serão os seus próximos passos.

Considere fazer sua graduação em uma faculdade privada

Agora, se você não quer adiar a sua formação em um ano e está em busca de alcançar a sua independência financeira mais rapidamente, as instituições de ensino públicas não são a única opção para você iniciar sua graduação.

Faculdades privadas têm se destacado, em todo o território nacional, por oferecerem formação de qualidade, com corpo docente capacitado, infraestrutura de ponta, segurança, flexibilidade das aulas e possibilidade de convênios com centros universitários internacionais, dentre diversas outras vantagens.

Prova disso é que, segundo as Sinopses Estatísticas da Educação Superior 2016, divulgadas pelo Ipea, elas concentram 75,27% (6.058.623) de todas as matrículas no país — um número que, certamente, só comprova a importância das faculdades particulares na qualificação e na capacitação de milhões de profissionais.

Se você não tem condições de arcar com as mensalidades, esse não é um problema, pois existem diversos financiamentos estudantis e bolsas que cobrem ou reduzem as suas despesas no decorrer do curso. Dois grandes exemplos são o Fies e o ProUni.

E tem mais: mesmo que a sua nota do Enem não tenha sido suficiente no processo do Sisu, ela pode ser reutilizada para a sua inscrição em uma faculdade privada, substituindo o vestibular tradicional. Para isso, é claro, é fundamental não ter zerado nenhuma área de conhecimento ou a redação, certo?

Como você viu, é importante esquecer essa ideia errada de que “como não passei no Enem, é o fim do mundo para mim”. Faça exatamente o oposto e procure alternativas que beneficiem o seu futuro e priorizem a sua formação!

E já que falamos sobre começar uma graduação, aproveite para conferir o checklist necessário para entrar na faculdade com o pé direito!