Entenda a importância de participar do empreendedorismo jovem

O empreendedorismo jovem não é mais uma novidade. Diversas pessoas entre 18 e 30 anos estão ingressando no mercado de trabalho por meio da inovação, tirando suas ideias do papel e colocando-as em prática para criar sua própria empresa. Mas empreender não é uma aventura: trata-se de uma decisão profissional séria e importante.

Então, o que isso quer dizer? O empreendedorismo é uma possibilidade de atuação para os profissionais que ainda estão em formação, já que oferece uma série de vantagens econômicas sem perder de vista o impacto social causado pelas suas ações. Afinal, não é por acaso que muitos jovens o buscam como principal forma de atuação.

Para aprofundar seus conhecimentos sobre o assunto e garantir excelentes oportunidades na sua carreira, preparamos este conteúdo com todas as informações sobre empreendedorismo jovem. Acompanhe!

O cenário do empreendedorismo no Brasil

Empreender vai muito além de iniciar a própria empresa. Muitos jovens acreditam que esse conceito representa a abertura de um negócio inovador no mercado, mas existem diferentes formas de empreender. Isso porque esse profissional do futuro nada mais é do que alguém que imagina e desenvolve suas visões e enxerga oportunidades onde outras pessoas não as veem.

Assim, ele organiza suas ideias e planeja as melhores formas de viabilizá-las, determinando a estratégia que de fato concretizará o seu plano de ação. No entanto, isso não necessariamente precisa ser aplicado na construção de um novo negócio: você pode, por exemplo, atuar como empreendedor dentro de uma organização já consolidada no mercado, desenvolvendo novas ações para captar mais clientes ou aumentar sua relevância social.

É por isso que diversos graduandos buscam oportunidades de empreender na própria faculdade, seja iniciando estágio em uma startup, seja participando dos processos acadêmicos como empresa júnior, projetos de extensão e criação de atléticas e centros acadêmicos.

Uma pesquisa realizada pelo GEM (Global Entrepreneurship Monitor) revelou o crescimento dos empreendedores jovens no Brasil. Em 2017, o país tinha uma média de 30,5% de brasileiros entre 25 e 34 anos que estavam ativos na criação de negócios inovadores, seguido por 20,3% de jovens entre 18 e 24 anos.

Porém, em 2018, o número de brasileiros de 18 a 24 anos ativos em ações empresariais subiu, apresentando um total de 21,2%. Tal transformação sustenta a noção de que, com o passar do ano em questão e a divulgação sobre a importância da construção de ideias inovadoras, os jovens ficaram mais interessados em iniciar seu próprio negócio e possibilitar uma melhor qualidade de vida para seus clientes.

Indo mais além, ainda em 2018, uma investigação feita pela Juventude Conectada revelou que a juventude não busca empreender em função dos ganhos monetários, mas sim pelo impacto social causado pelas suas ideias. Ou seja, para eles, suas inovações precisam ter um propósito que, além de liderarem o protagonismo da sua vida, também devem oferecer alternativas para os problemas sociais.

A importância do empreendedorismo jovem

Como você já deve ter percebido, oferecer uma nova ideia ao mercado apresenta um objetivo além do lucro: possibilitar uma mudança social. Isso ocorre em função de um grande inconformismo com a realidade associado à vontade de promover um impacto significativo no mundo ao redor. 

Mas afinal, o que isso tem a ver com a importância desse movimento? Nós explicamos: a busca por uma transformação na realidade atual implica, diretamente, o desenvolvimento de soluções inovadoras para problemas antigos e estruturais. Essas soluções são aplicáveis e, na maioria das vezes, simples de serem realizadas.

Alinhado a isso, não podemos deixar de reforçar que empreender não significa iniciar a sua própria empresa. Muitas pessoas buscam, então, ingressar em grandes empresas para provocar uma mudança interna na organização e, então, causar mais impacto no mercado e nos seus clientes.

Um dos maiores exemplos que ilustra tamanha importância são as inovações na área da sustentabilidade. Hoje, muito se fala em construções que tenham alta eficiência energética e promovam qualidade de vida aos proprietários sem colocar em risco o meio ambiente. Ainda, estratégias de armazenamento e de diminuição de lixo também estão sendo desenvolvidas para diminuir os impactos causados pela má administração dos resíduos.

Tudo isso surge de ideias desenvolvidas por jovens durante a graduação, fortalecendo o desenvolvimento de um futuro promissor não só para o mercado, mas principalmente para a população que está por vir. Isso garante mais qualidade de vida para todos, além transformar a lógica empresarial no mundo inteiro.

Afinal, muitos jovens evitam empreender por acreditarem que essa esfera de trabalho é destinada a um grupo seleto de homens, sobretudo de classe alta e com poucos marcadores sociais. Com o desenvolvimento de políticas públicas que incentivam o trabalho empreendedor durante a graduação, essa perspectiva está sendo desmistificada, abrindo portas para o início de uma nova era empresarial.

Por que empreender na faculdade

Quando falamos em empreendedorismo jovem, é natural questionar-se sobre o início desse processo. Muitos acreditam que ele começa somente após a graduação, quando o profissional já está inserido no mercado, mas isso não é verdade. O ambiente acadêmico oferece uma série de vantagens para quem busca esse tipo de carreira.

Afinal, os graduandos estão rodeados de grandes profissionais e especialistas em diferentes áreas que podem potencializar suas ideias e auxiliar no desenvolvimento de um plano de negócios. Indo mais além, é durante a faculdade que você aprende as melhores formas de convencer um investidor a acreditar na sua criatividade e na qualidade do seu trabalho.

É claro que isso tudo não acontece do dia para a noite, não é mesmo? É por isso que as universidades oferecem oportunidades para você desenvolver suas habilidades empreendedoras. Por exemplo, por meio de projetos de extensão e da participação de um centro acadêmico, é possível aprimorar suas competências de liderança, trabalho em equipe e visão de mercado, essenciais para conseguir destaque profissional.

Sem contar a grande parceria que as universidades apresentam com empresas de renome no mercado, facilitando ainda mais seu contato com líderes e gestores que de fato podem ajudar você financeiramente. Ultrapassando a barreira financeira, os jovens conseguem:

  • manejar os novos desafios com mais facilidade;

  • valorizar as iniciativas empreendedoras da própria faculdade;

  • ter ações empreendedoras antes mesmo de estar formado, preparando-se com mais eficiência para o mercado;

  • fortalecer a rede de contatos a fim de encontrar novas possibilidades no futuro.

Por fim, a faculdade também é um campo fértil para o desenvolvimento de parcerias duradouras. Afinal, você pode conhecer um colega que apresenta os mesmos valores e ideais profissionais que você, permitindo a criação de diversas ideias que podem ser úteis para a sociedade, além de garantir um bom retorno financeiro para ambos.

Como empreender durante a faculdade

No último tópico explicamos que existem diversas ações institucionais oferecidas pela própria universidade para auxiliar o crescimento e o desenvolvimento das competências empresariais. O fato é que você pode ir além dessas estratégias e utilizar a faculdade como um campo extremamente funcional para a aplicação das suas ideias.

Ficou confuso? Nós explicamos: ao conhecer mais sobre o mercado de trabalho no qual você vai atuar, é possível trabalhar e desenvolver a ousadia e o controle de impulsos, bem como estudar profundamente os principais desafios que o mercado apresenta para promover melhorias na área e realizar simulações de investimento para ter melhor noção de crescimento organizacional.

Para tanto, você precisa seguir alguns passos fundamentais. Nos próximos tópicos, explicamos quais são eles para você conseguir empreender com sucesso. Confira!

Trabalhe a sua ousadia

A insegurança faz parte da vida de qualquer pessoa, tanto na esfera pessoal quanto na profissional. Isso porque nunca estaremos 100% preparados para todos os desafios no meio do caminho. Então, como evitar que esse sentimento impeça o seu desenvolvimento? O primeiro passo é trabalhar a sua ousadia.

Para ter sucesso no mercado empreendedor, você precisará de um pouco de ousadia, é claro! Isso significa que a insegurança continuará presente, mas mesmo com ela ao seu lado, você conseguirá utilizar os erros ao seu favor a aprender como conquistar novos clientes, desenvolver ideias inovadoras e compreender as mudanças de tendências.

Nesse sentido, a ousadia vem de forma controlada: nem tão intensa a ponto de esquecer-se dos seus medos e angústias e tomar atitudes impulsivas, e nem tão fraca a ponto de a insegurança tomar conta. Para encontrar o equilíbrio, compartilhamos uma dica essencial: estude muito e realize um plano de negócios.

Ao organizar o seu pensamento e determinar quais são os objetivos a serem cumpridos, fica muito mais fácil determinar em qual momento você pode ser mais ou menos ousado. Dessa maneira, é possível acompanhar o seu crescimento e descobrir os melhores caminhos para ter destaque.

Desenvolva sua visão de mercado

No início deste artigo explicamos que a visão de mercado é fundamental para ter bons resultados. Afinal, ela permite o conhecimento do seu público e a determinação das melhores estratégias para conquistar a confiança dos clientes e fidelizá-los de maneira eficiente. Além disso, é por meio dessa habilidade que você consegue descobrir as novas tendências.

Ou seja, conhecendo quais são as empresas que estão crescendo e quais são os negócios em decadência, é possível realizar uma análise sobre a transformação de desejos, de problemas e da procura da população, fazendo uma previsão do que eles gostariam de adquirir em um futuro breve.

Por exemplo, um dos serviços que estão em alta atualmente são aqueles alinhados à tecnologia, que oferecem uma solução rápida, eficiente e extremamente prática para diversos problemas. Isso, há alguns anos, não era uma realidade de mercado, já que os serviços manuais eram os mais buscados para resolver problemas em diversas áreas.

Aqui, você pode solicitar a ajuda de professores e de profissionais da área em que você deseja atuar para conversar sobre a realidade do mercado e as possíveis tendências para os próximos anos. Assim, fica mais fácil desenvolver uma ideia inovadora que com certeza terá um espaço promissor no futuro.

Estude e qualifique-se profissionalmente

É claro que a graduação oferece uma série de possibilidades profissionais e desenvolve um conhecimento fortalecido sobre a sua área de trabalho. No entanto, você não deve parar por aqui: ainda que a faculdade garanta as bases técnicas e as práticas para a sua atuação, é necessário ir além e conhecer os fundamentos do empreendedorismo para realmente conquistar boas oportunidades.

Portanto, a nossa dica é estudar e investir em uma qualificação por fora, participando de congressos, workshops e eventos sobre empresas da área, além de trocar ideias com outros profissionais. Isso trabalha a sua visão de mercado ao mesmo tempo em que estimula a criação de novas ideias — estas podem se tornar férteis em um futuro próximo. 

E mais: você aprimora os conhecimentos relacionados ao marketing, à divulgação e à captação de financiamento, auxiliando a tirar suas ideias do papel para colocá-las em prática. Para tanto, não fique preso somente ao seu campo de trabalho, busque estudar brevemente outras áreas que podem complementar sua imaginação e fortalecer o seu propósito.

Entre em uma empresa júnior

Uma das grandes vantagens de empreender na faculdade é participar de uma empresa júnior. Criada e gerida pelos alunos e orientada por um professor da instituição, ela tem como objetivo prestar um serviço real para seus clientes e usuários com um preço mais acessível, tendo em vista o nível de especialidade dos profissionais.

A simples participação nesse tipo de negócio potencializa a sua responsabilidade profissional, além de auxiliar no desenvolvimento da visão de mercado. Indo mais além, você consegue conhecer novas pessoas, entrar em contato com grandes empresas e aumentar a sua rede de colegas, variáveis essenciais para a criação da sua própria empresa depois de formado.

Crie um projeto de extensão 

Outra proposta oferecida pelas universidades é o projeto de extensão. Responsável por alinhar a produção científica à prática social, esses programas oferecem um excelente campo de trabalho para jovens que querem aprender sobre empreendedorismo. Isso porque, além de investir em novas pesquisas científicas, você também precisa conhecer a realidade do seu público, facilitando a criação de estratégias que aumentam a captação de novos clientes.

Além de participar dos projetos já existentes, você pode — e deve! — entrar em contato com a administração e conferir se existe espaço para o desenvolvimento de novas propostas. Via de regra, as instituições apresentam uma verba específica para esse fim, auxiliando os alunos a darem seus primeiros passos na jornada de empreendedor.

Inicie uma startup

Para os mais ousados, iniciar uma startup pode ser a entrada ideal no mercado de trabalho empreendedor. Isso porque o investimento inicial não precisa ser somente seu: é possível contatar agentes anjos que utilizam parte do seu patrimônio para investir na sua ideia e facilitar o desenvolvimento da sua startup.

Com um acordo bem estabelecimento, os anjos ganham uma porcentagem do seu lucro até você atingir a meta financeira, fazendo com que a sua empresa cresça rapidamente. Um dos maiores exemplos de startups que tiveram um grande boom em poucos anos é o Airbnb, uma grande rede de aluguel de quartos e imóveis espalhada pelo mundo inteiro.

Os desafios do jovem empreendedor

Ainda que a vida de empreendedor traga uma série de benefícios, como flexibilidade de horários e independência financeira, os profissionais que se arriscam nessa carreira também encontram diversos desafios que podem prejudicar e, muitas vezes, invalidar suas estratégias de crescimento.

Para evitar que eles coloquem em risco a consolidação do seu negócio, é fundamental conhecê-los previamente e montar um plano de contingência, ou seja: caso eles surjam na sua caminhada, você já tem em mente algumas estratégias que podem diminuir o seu impacto negativo. Esse simples contorno da situação permite ações mais eficientes e não desestabilizam a sua posição no mercado.

Portanto, separamos a seguir os principais desafios que o jovem empreendedor encontra e as melhores formas de superá-los. Aproveite para separar o lápis e o papel e anotar todas as nossas dicas, combinado?

Falta de conhecimento e de experiência

Todo profissional em algum momento já teve dificuldades com a falta de conhecimento e de experiência. Afinal, ainda que a graduação garanta uma série de aprendizados para ingressar no mercado, eles não são suficientes para garantir boas oportunidades de trabalho, sobretudo para quem resolve iniciar a sua própria empresa.

Existem poucos estudantes que têm boas experiências antes da formatura, já que as oportunidades de estágio tendem a ser menores. Reforçamos que a principal forma de contornar esse desafio é participando de eventos, workshops e projetos de extensão da própria instituição: esse tipo de atividade fortalece o seu conhecimento na área e auxilia no surgimento de ideias inovadoras para serem implementadas.

Uma alternativa é se destacar em uma área específica. Por exemplo, você pode concluir a sua graduação em Engenharia de Produção, mas apresentar conhecimentos aprofundados sobre Marketing e Comunicação, garantindo um diferencial no seu currículo que pode ser apreciado pelos investidores.

Alta burocracia e taxas tributárias

A legislação brasileira é extensa e apresenta diversos pormenores que precisam ser explorados para que a sua empresa seja legal e viável. Por isso, existem altas taxas tributárias que os empresários precisam pagar para começar a empreender e, finalmente, colocar suas ideias em ação. O fato é que esses dois aspectos diminuem a motivação dos jovens e impedem a construção de inovações.

No entanto, com um pouco de estudo sobre o direito organizacional e o suporte de profissionais formados na área, é possível compreender como ocorre a burocracia e a importância da sua existência, montando um plano eficiente de consolidação empresarial. Assim, todos os processos realizados estão de acordo com a lei, e você garante a sua segurança profissional.

E mais, é possível contar com a ajuda da Confederação Nacional de Jovens Empresários (CONAJE) e do Sebrae para solucionar dúvidas em relação à tributação e aos processos judiciais necessários para a criação do seu negócio. Lembre-se de que o apoio e a supervisão nesse momento são dois aspectos fundamentais para alcançar o sucesso.

Percepção social sobre empreendedorismo jovem

Você lembra que comentamos sobre a tradição empreendedora? Pois é, um dos maiores desafios que os jovens encontram nessa carreira é a percepção social que as grandes empresas têm em relação à sua ambição de trabalho. Afinal, as organizações que já estão há anos no mercado se sentem ameaçadas pelo surgimento de negócios inovadores que trazem soluções mais práticas para seus clientes antigos.

Assim, a luta pela conquista de bons consumidores é potencializada, e as empresas que estão surgindo têm pouco espaço para mostrar seus benefícios. Então, o que fazer para realmente crescer? Uma estratégia inteligente é conhecer quais são os problemas que os seus concorrentes não solucionam e oferecer tal resposta aos seus clientes.

Além disso, o preconceito relacionado à idade também se faz presente para jovens que querem empreender. Isso porque muitos líderes acreditam que pessoas entre 18 e 30 anos não apresentam maturidade para gerir o seu próprio negócio. A chave para resolver esse desafio é o conhecimento: mostrando suas capacidades e suas habilidades, bem como o seu perfil de empreendedor, você conquista os clientes sem precisar enfrentar as grandes empresas.

Dificuldade de conquistar bons investimentos

Por fim, o investimento é um dos principais bloqueadores de crescimento. O fato é que o mundo está cheio de boas ideias que foram perdidas em função da falta de investimento e de divulgação. Uma das melhores formas de contornar tal problema é por meio do desenvolvimento de habilidades socioemocionais.

O que isso quer dizer? Saber como se comunicar com as outras pessoas, fortalecer a sua inteligência emocional e potencializar suas competências de persuasão são pontos essenciais para conquistar investidores. Eles priorizam aqueles profissionais que sabem do que estão falando e conseguem transmitir com perfeição suas criações.

Ainda, conhecer bem o mercado e defender a noção de que a sua inovação faz parte da tendência de consumo é fundamental para agregar investidores de alto valor. Afinal, eles buscam ideias que realmente solucionem problemas sociais e, mais ainda, oferecem um grande retorno de investimento.

Você percebe como o empreendedorismo jovem está conquistando espaço no mercado? Por oferecer uma série de benefícios para líderes e para gestores, esse tipo de trabalho garante um bom crescimento profissional, além de ter um excelente retorno de investimento e possibilitar a realização de um sonho.

Lembre-se de que, para conquistar boas oportunidades e se destacar entre os concorrentes, é fundamental participar de uma universidade que ofereça espaço suficiente para o seu desenvolvimento. A UCL, por exemplo, apresenta a possibilidade de ingresso em projetos de extensão e em empresa júnior, além de permitir a realização de períodos de intercâmbio para fortalecer a sua visão empreendedora.

E então, gostou do nosso artigo? Aproveite para continuar a sua leitura e confira o nosso e-book sobre como fazer uma faculdade sem se endividar!