Como posso fazer um intercâmbio? As 6 melhores dicas para seguir

Ao ingressar no ensino superior, é comum encontrar outros alunos que já tiveram a oportunidade de estudar fora ou estão se preparando para essa experiência.

Isso acontece porque não há melhor período para ampliar a visão de mundo, ter contato com outras culturas ou estilos de vida e internacionalizar a própria formação do que quando se está na faculdade. Por essa razão, frequentemente surge a mesma dúvida entre diferentes estudantes — “como posso fazer um intercâmbio?”

Pensando nessa questão, reunimos seis dicas para colocar em prática e ter uma vivência no exterior que impulsione o seu aprendizado e diferencie o seu currículo. Acompanhe!

1. Conclua o seu curso em uma instituição estrangeira

A primeira dica parte de uma opção menos usual, especialmente por causa dos custos envolvidos, mas que ainda assim, quem pode, escolhe: concluir o curso superior em uma universidade estrangeira por conta própria.

O motivo disso é que não há, de fato, um programa específico sendo realizado. Ao contrário, há um processo de admissão para ingressar em outra faculdade e realizar um intercâmbio durante o restante da graduação.

Por isso, será necessário fazer uma longa (e aprofundada) pesquisa para identificar os locais que aceitam essa mudança, se será possível aproveitar alguma disciplina, os valores da anuidade/mensalidade e os documentos necessários para a transição.

Afinal, além de provas e teste do nível de idioma, podem ser exigidos histórico escolar, entrevistas por vídeo, formulários de aplicação, entre outros.

2. Conquiste uma bolsa de estudos

Saindo da opção de um intercâmbio por conta própria, que nem sempre é viável, há a possibilidade das bolsas de estudo, que podem cobrir tanto os valores relacionados à mensalidade/anuidade e material didático quanto as despesas pessoais, como passagens, alimentação e hospedagem.

Algumas delas cobrem de um semestre a um ano em uma mesma instituição, e outras adotam o formato de campus itinerante no qual você tem aulas em universidades de diferentes países — reforçando, assim, o papel da globalização na educação.

Elas são ofertadas por órgãos brasileiros ligados ao Ministério da Educação e ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, como o CNPq e a Capes, empresas nacionais, estrangeiras e organizações internacionais, como o Erasmus+, um programa que tem como mantenedor a Comissão Europeia.

Para concorrer a elas, é preciso ficar atento aos editais que são lançados. Dessa forma, você conhece a fundo os critérios para seleção e documentação solicitada, informa-se sobre os benefícios que são ofertados e se prepara para as próximas chamadas.

3. Aproveite os convênios que a sua faculdade tem com outras instituições

Fora a possibilidade de bolsas, há uma alternativa que facilita (e muito) que você realize um intercâmbio. Trata-se dos convênios que a sua universidade tem com outras instituições de ensino ao redor do mundo.

Eles funcionam como parcerias que não apenas dão todo o suporte, respaldo e apoio necessário durante o processo de inscrição e obtenção da vaga, como também fornecem isenção parcial ou total nos custos com mensalidade ou anuidade, já que as universidades europeias cobram um valor fixo anual.

Assim, você realiza uma graduação sanduíche, que dura de seis meses a um ano, ou participa de um convênio de duplo diploma, que tem tanto aulas tradicionais por 18 meses quanto um estágio curricular por mais seis — o que garante uma formação internacional e com infinitas oportunidades no mercado de trabalho.

4. Faça um curso de idiomas em outro país

Outra dica sobre como fazer um intercâmbio — e certamente uma das preferidas de muitos estudantes — é realizar um curso de idiomas em outro país. Isso porque ele pode ocorrer por meio de convênios da própria universidade ou agências específicas. Para completar, ainda conta com grande variedade de formatos, de acordo com a sua necessidade.

Você pode, por exemplo, escolher entre diferentes destinos, como a França, a Holanda e os Estados Unidos, definir o período de duração que mais lhe convém (semanas ou meses) e decidir se deseja aprender outra língua ou se aperfeiçoar em alguma para realizar, em futuro breve, um ou mais exames de proficiência (IELTS, TOEFL etc.).

Além disso, para garantir maior imersão no idioma que está sendo estudado, é possível optar por realizar atividades extracurriculares na universidade e se hospedar em uma host family — isto é, a casa de uma família que participa dessa modalidade de programa e recebe intercambistas.

5. Participe de um programa de estágio no exterior

Fora as alternativas anteriores que mostramos e respondem à sua dúvida sobre “como posso fazer um intercâmbio?”, há o programa de estágio no exterior, outro meio que tem se popularizado nos últimos anos graças ao seu diferencial: o foco na vivência profissional dentro da sua área de formação.

Com ele, você ganha não apenas uma experiência de trabalho, mas também valoriza e diferencia o seu currículo. E é fácil entender o motivo disso, não é verdade?

Afinal, você aumenta o domínio sobre uma segunda língua, conhece novas culturas, tem a oportunidade de identificar o campo de atuação com o qual tem mais afinidade, pode vivenciar a rotina de trabalho de diferentes áreas e estabelecer uma boa rede de contatos capazes de transformar e alavancar a sua carreira tanto em nível nacional quanto internacional.

6. Envolva-se com um programa de voluntariado

Por fim, há uma sexta e última dica de como é possível fazer intercâmbio no exterior: envolva-se com um programa de voluntariado. Entretanto, antes de optar por essa modalidade, reflita e esteja seguro de que realmente deseja realizá-lo.

A razão disso é que o trabalho voluntário, além de não ser remunerado, é um constante exercício de comprometimento — e aprendizado — com causas sociais, humanitárias ou ambientais, por exemplo. É, sem dúvida, uma experiência enriquecedora que fornece bagagem cultural, desenvolve o pensamento crítico, fomenta uma formação humanitária e contribui para mudanças no mundo.

Por essa razão, é comum que, antes de embarcar, você passe por treinamentos e até mesmo triagens, independentemente de ir por meio de agência, empresa ou projetos desenvolvidos pelas Nações Unidas.

Agora, que a sua dúvida (“como posso fazer um intercâmbio?”) foi solucionada, escolha a alternativa que mais o atrai e se prepare com antecedência para ter todos os documentos em mãos, como passaporte, visto e certificado de proficiência em outra língua, e não perder os prazos do processo de inscrição/matrícula!

Se quiser saber mais a respeito da possibilidade de convênio, assine já a nossa newsletter!