Gestão hospitalar: como se qualificar para essa carreira?

Se você busca uma área que é tendência no mercado, vai se interessar pela carreira de Administração Hospitalar. Há grande demanda por profissionais, pois os estabelecimentos de saúde procuram candidatos para gerenciar de maneira adequada as especificidades desse setor.

É preciso saber como lidar com orçamento, legislação da área e gestão de diferentes departamentos, sempre com a finalidade de oferecer um serviço seguro e de qualidade para o paciente.

Ficou interessado nessa profissão? Então venha com a gente e descubra os detalhes dessa carreira, como se qualificar na área e os diferenciais da pós-graduação em Gestão Hospitalar para quem busca um futuro de sucesso!

Como é a carreira de Administração Hospitalar?

A Administração Hospitalar é uma área bastante dinâmica e envolve todos os processos relacionados ao gerenciamento de sistemas de saúde. Confira, a seguir, funções, perfil profissional, locais de atuação e mercado de trabalho para profissionais do ramo.

Funções

O administrador hospitalar é responsável por uma série de atividades, entre elas:

  • processos técnicos-administrativos em geral;
  • gestão de recursos humanos, terceirizados, equipamentos, custos, materiais e infraestrutura da organização;
  • controle de estoque;
  • logística hospitalar;
  • supervisão de compra de materiais e medicamentos;
  • contato e negociação com fornecedores;
  • análise de contratos e orçamentos;
  • contato com operadoras de planos de saúde;
  • controle do descarte adequado de resíduos;
  • gestão de assuntos referentes ao marketing.

Perfil profissional

Em primeiro lugar, é um profissional que deve gostar de desafios e de lidar com pessoas, já que, em sua rotina, ele está em contato com as equipes administrativa, de saúde e terceirizadas, fornecedores, entre outros.

É importante também ser organizado, principalmente para trabalhar com documentos, e ter uma visão sistêmica do negócio, ou seja, entender a instituição de saúde como um todo: saber o que faz e quem trabalha em cada departamento.

Saber como negociar, resolver problemas e tomar decisões, ter uma boa comunicação e conseguir atuar como um líder também são fundamentais nessa área. 

Além disso, o gestor ou administrador hospitalar precisa se manter atualizado quanto às mudanças na legislação do setor e também quanto às inovações tecnológicas da área.

Locais de atuação

Quem se qualifica na área de Administração Hospitalar encontra um vasto campo de trabalho, em âmbitos público e privado. Apesar de o nome se referir a hospitais, esse é apenas um dos locais de atuação desse profissional. Ele pode trabalhar em:

  • clínicas e policlínicas;
  • consultórios;
  • maternidades;
  • laboratórios;
  • postos de saúde;
  • unidades de pronto-atendimento;
  • casas de reabilitação;
  • centros municipais de atendimento psicossocial;
  • secretarias estaduais e municipais de saúde;
  • vigilância sanitária;
  • empresas de consultoria na área da saúde;
  • operadoras de planos de saúde;
  • casas de repouso;
  • Spas.

Mercado de trabalho

A área da saúde, especialmente a hospitalar, trabalha com processos, equipamentos e materiais de custo elevado, por isso precisa de profissionais com capacitação nesse segmento para fazer uma gestão adequada. O mercado, entretanto, ainda carece de pessoas especializadas nesse nicho.

É essencial que o gestor conheça a fundo as particularidades dessa organização e realize uma administração voltada para a redução de erros, afinal, estamos tratando da vida de pessoas. Para isso, não tem outra saída: é necessário realizar uma qualificação.

Como buscar qualificação na área?

Se você tem interesse em atuar em Administração Hospitalar, precisa se planejar e buscar cursos voltados para o segmento. Você pode realizar um curso técnico, superior (na modalidade tecnológico) ou ainda uma pós-graduação lato sensu (especialização) na área de Gestão Hospitalar.

A pós-graduação é bastante interessante para quem já é graduado e busca se qualificar em um nicho específico e altamente promissor. Assim, pessoas com diploma de Administração, de cursos da área da saúde ou de qualquer outro segmento, que já trabalham ou querem atuar em estabelecimentos de saúde, podem construir uma carreira ascendente nessa área.

Quais os diferenciais do curso de pós-graduação em Gestão Hospitalar?

A pós-graduação em Gestão Hospitalar é a opção ideal para quem quer valorizar o currículo e trabalhar em uma área que está em alta no mercado.

Não adianta, porém, buscar qualquer formação. É preciso escolher um curso de qualidade, como o da UCL, com carga-horária de 360 horas (duração de 18 meses), que tem como objetivo preparar o profissional para avaliação e controle dos processos relativos à gestão de hospitais e de outros estabelecimentos de saúde, visando ao sucesso da organização.

As aulas propiciam conhecimento teórico e habilidades práticas, para que o aluno consiga analisar o contexto da saúde no país e, assim, tomar decisões e agir de maneira estratégica. Para isso, aprende sobre ferramentas e metodologias de gestão para a eficiência dos processos e sobre como liderar equipes de diferentes departamentos.

Acompanhe abaixo as principais disciplinas dessa especialização:

  • Saúde e Ética;
  • Pensamento Estratégico;
  • Gestão da Qualidade e Certificação em Serviços de Saúde;
  • Gestão de Apoio e Serviços Técnicos;
  • Fundamentos do Processo Administrativo;
  • Gestão de Pessoas;
  • Gestão de Marketing Hospitalar;
  • Gestão de Hotelaria Hospitalar;
  • Gestão de Logística Hospitalar;
  • Gestão de Custos e Contas Hospitalares;
  • Gestão Operacional e Administrativa;
  • Direito em Saúde;
  • Gestão de Farmácia Hospitalar;
  • Gestão de Contratos, Auditoria de Contas, Faturamento e Relacionamento com Operadoras.

Vantagens para a carreira

Fazer uma pós-graduação na área traz uma série de vantagens ao profissional, como:

  • mais oportunidades de emprego — o conhecimento especializado do setor abre portas no mercado de trabalho, afinal, são profissionais que, certamente, vão fazer a diferença na instituição;
  • aumento salarial — pesquisa da Catho apontou que profissionais com curso superior que fazem uma pós-graduação podem ter um incremento de 47,5% no salário;
  • possibilidade de fazer networking — o contato com outros colegas e professores que já trabalham na área vai aumentar sua rede de contatos, o que pode resultar em indicações para vagas de emprego e parcerias profissionais;
  • pontos em concursos públicos — muitos certames consideram essas certificações como um diferencial.

Se você quer investir em um segmento com alta empregabilidade, considere fazer um curso para atuar em Administração Hospitalar. É uma área com alta demanda por profissionais qualificados, principalmente aqueles que têm uma pós-graduação voltada para esse segmento.

Ficou interessado em fazer a especialização em Gestão Hospitalar? Então não perca tempo e entre em contato com a UCL para conhecer mais detalhes sobre essa pós-graduação!

Como é o mercado de trabalho de Engenharia Química?

Você sempre gostou das aulas de Química da escola, tem vontade de trabalhar na área, mas não se imagina fechado em um laboratório? E se nós contarmos para você que existe uma carreira que atende a esse seu perfil e ainda oferece boas oportunidades profissionais?

mercado de trabalho de Engenharia Química é promissor e possibilita atuar em diferentes segmentos. É uma área dinâmica, voltada, principalmente, para os processos industriais, ideal para quem busca desafios, gosta de tecnologia e sonha até mesmo em assumir cargos de gestão.

Ficou interessado? Então confira nosso post, saiba como é a graduação em Engenharia Química, o que faz esse profissional e como está o mercado de trabalho nessa área! Acompanhe e comece a planejar seu futuro profissional!

Como é a graduação na área?

O curso superior em Engenharia Química é uma graduação do tipo bacharelado, com duração de 5 anos. É oferecido nas modalidades presencial e semipresencial (em algumas instituições de ensino). É um curso que une teoria e muita prática, por conta das aulas em laboratório.

Nos primeiros semestres, o aluno tem as disciplinas mais básicas das engenharias, como Matemática, Física e Informática. E, durante todos os períodos, acompanha muitas aulas voltadas para a Química (Básica, Orgânica, Inorgânica, Analítica, Tecnológica e Físico-Química).

Nos últimos anos da graduação, o conteúdo se volta para temas mais específicos, como:

  • Fenômenos de Transporte;

  • Termodinâmica;

  • Mecânica dos Sólidos;

  • Mecânica de Fluidos;

  • Transferência de Calor e Massa;

  • Balanço de Massa;

  • Cálculo de Reatores;

  • Eletroquímica e Corrosão;

  • Ciências dos Materiais;

  • Processos Industriais Bioquímicos;

  • Controle de Sistemas;

  • Projeto de Processos;

  • Engenharia do Meio Ambiente.

Nessa graduação, o estudante também é preparado para gerenciar um negócio, pois tem aulas de Administração Geral, Empreendedorismo e Direito Empresarial.

Estágio e TCC

Ao final do curso, é necessário ainda elaborar um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e apresentá-lo a uma banca examinadora. Além disso, para obter o diploma, o aluno deve fazer o estágio obrigatório — etapa importante para ele conhecer os segmentos dentro da profissão, ter contato com engenheiros mais experientes e acompanhar como é a rotina para quem escolhe seguir essa carreira.

Em muitos casos, quando o estagiário demonstra proatividade e se mostra comprometido com a atividade, pode, inclusive, ser efetivado na empresa, depois de concluir o ensino superior.

O que faz um engenheiro químico?

O engenheiro químico participa dos processos de transformação físico-química dos produtos e está preparado para atuar em todas as etapas industriais. Dessa forma, a fabricação de muito itens que utilizamos ou consumimos no dia a dia contou com o trabalho desse profissional: pode ser o alimento industrializado, a tinta da parede, o combustível do carro e o sabonete, entre inúmeros outros produtos.

O profissional pode atuar para melhorar a produtividade, aperfeiçoar tecnologias, garantir a qualidade ou buscar meios para que a indústria seja mais sustentável — controlando a emissão de poluentes ou fazendo o tratamento de resíduos, por exemplo.

Como é o mercado de trabalho de Engenharia Química?

Em primeiro lugar, para começar a atuar na área, além de ter o diploma do curso superior, é preciso estar registrado no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA), órgão que regula e fiscaliza a profissão.

Com o registro em mãos, o recém-formado encontra diferentes oportunidades, em cidades pequenas, médias ou metrópoles. É, portanto, um campo com alta empregabilidade, porque muitas indústrias dependem da Engenharia Química para funcionar. As áreas que mais empregam esse profissional são as indústrias de:

  • polímeros;

  • tintas;

  • cosméticos;

  • fármacos;

  • papel e celulose;

  • tecidos;

  • material de construção;

  • petróleo.

O mercado de trabalho de Engenharia Química é interessante porque o profissional pode trabalhar em diversas áreas, como:

  • projeto (construção de instalações e escolha de equipamentos e tecnologias para a indústria);

  • produção (processos e equipamentos);

  • gestão (processos e equipes);

  • pesquisa e desenvolvimento de novos materiais;

  • vendas técnicas (equipamentos e produtos específicos da indústria química);

  • consultoria (área ambiental).

O profissional pode conseguir crescer ainda mais na carreira em segmentos que estão em alta, como o do biocombustível, na área de redução de danos ambientais ou ainda no controle de qualidade — visto que a competitividade entre as indústrias é alta, bem como a exigência do consumidor.

Além disso, indústrias de diferentes ramos e portes contratam o engenheiro químico para elaborar estratégias que aumentem a produtividade e reduzam os gastos — tudo sem comprometer a segurança dos processos ou causar danos ambientais.

Qual é o salário desse profissional?

Se você ficou animado com as informações sobre o mercado de trabalho de Engenharia Química, vai gostar de saber da remuneração. O piso salarial do engenheiro químico é definido pela Lei 4.950-A, de 1966, que estabelece os valores de acordo com a carga horária diária:

  • 6 horas — 6 salários mínimos;

  • 7 horas — 7,25 salários mínimos;

  • 8 horas — 8,5 salários mínimos.

É preciso destacar que estamos falando de pisos salariais. Assim, se o profissional adquire experiência, realiza uma pós-graduação, domina um segundo idioma e consegue cargos mais altos, como o de gestão, a remuneração vai aumentar.

Para o estagiário na área, de acordo com a consultoria de empregos Catho, o salário é de R$ 1.191,20.

Por que escolher uma faculdade reconhecida no mercado?

Ficou animado com as perspectivas profissionais da Engenharia Química? Realmente, é uma profissão que sempre está aquecida. Para que o profissional consiga as melhores oportunidades, é importante escolher uma faculdade de referência, com bom reconhecimento no mercado.

É necessário que a instituição de ensino tenha um corpo docente qualificado e uma infraestrutura adequada, principalmente em relação a laboratórios e equipamentos direcionados às aulas práticas. Dessa maneira, o aluno recebe uma formação mais completa e fica preparado para entrar no mercado de trabalho.

Outros pontos importantes para avaliar ao escolher uma faculdade são a possibilidade de fazer iniciação científica, a oferta de atividades complementares e o apoio da instituição ao aluno no momento em que ele procura estágio.

Viu só como o mercado de trabalho de Engenharia Química é repleto de possibilidades? Se você se identifica com essa área, escolha uma boa faculdade, dedique-se aos estudos e comece a trilhar uma carreira de sucesso!

E aí? Gostou das nossas dicas de carreira? Quer acompanhar outros posts como este? Então siga as nossas páginas no Facebook, Instagram, Twitter e YouTube!

 

Como se preparar para uma entrevista de estágio?

Quando o aluno ingressa no ensino superior já sonha em entrar no mercado de trabalho e dar início à carreira. Contudo, a experiência profissional pode começar antes mesmo de sair da faculdade. A realização do estágio vai permitir que ele vivencie o dia a dia da profissão que escolheu, ou seja, que coloque em prática todo o conhecimento e as habilidades que aprendeu na graduação.

Para participar desses programas, no entanto, os candidatos precisam passar pela avaliação das empresas. Assim, enfrentam uma etapa que acaba sendo temida por muitos: a entrevista de estágio. Como se preparar para esse momento? Qual postura é preciso adotar? O que se deve ou não falar para o recrutador?

Se você também tem essas dúvidas, chegou ao lugar certo. Neste post vamos explicar direitinho o que é o estágio e por que os alunos devem realizar essa atividade, além de dar dicas para você se sair bem na entrevista. Continue a leitura e veja como se preparar para conquistar a vaga!

O que é um estágio?

O estágio é uma atividade, remunerada ou não, que prepara o estudante de curso superior ou técnico para o mercado de trabalho. Essa importante etapa na vida profissional é regulada pela Lei 11.788, de 25 de setembro de 2008, conhecida como Lei do Estágio. De acordo com a legislação, a atividade não deve ser vista como um trabalho e, dessa forma, inexiste qualquer vínculo empregatício entre empresa e estagiário.

O estágio não pode durar mais que 2 anos e deve ser formalizado por meio de um documento chamado de Termo de Compromisso de Estágio — que deve ser assinado pelo aluno, faculdade e empresa.

É importante entender que a atividade está inclusa no projeto pedagógico da graduação, podendo ser ou não obrigatória — há casos de cursos em que o aluno obtém o diploma sem a necessidade de passar por essa etapa. A dica é que todos os estudantes, independentemente de seu curso exigir ou não, realizem o estágio pelo menos por 6 meses para vivenciar essa experiência e ter contato com profissionais da área.

Os cursos de graduação a distância (EAD/Online) seguem as mesmas regras que os presenciais, portanto, se houver a obrigatoriedade do estágio, o aluno que escolheu essa modalidade de ensino também deve cumprir a etapa para se formar.

Muitos estudantes ficam inseguros quando chega o momento de passar pela entrevista de estágio e começar a atividade, mas saiba que as empresas estão acostumadas com os candidatos, e a legislação exige que ele tenha um funcionário acompanhando e supervisionando essa prática. A instituição de ensino também tem o dever de indicar um professor-orientador para acompanhar as atividades do estagiário.

Por que fazer um estágio?

O estágio é o momento ideal para o estudante entender como funciona a rotina de trabalho, como deve se portar como profissional, além, é claro, de conhecer mais a fundo a carreira que escolheu.

Alguns alunos torcem o nariz por conta da obrigatoriedade dessa atividade, mas saiba que ela é uma etapa fundamental na vida universitária. Por mais que a faculdade conte com bons laboratórios de pesquisa, programas de extensão e um corpo docente qualificado, o dia a dia da profissão e seus desafios só serão vivenciados em uma empresa. É uma oportunidade para pôr em prática tudo o que foi aprendido e também se descobrir dentro da profissão escolhida.

Confira a seguir todos os benefícios que você terá ao realizar um estágio.

Possibilidade de testar diferentes áreas dentro da graduação escolhida

O estágio é uma etapa para o estudante conhecer segmentos variados da graduação que escolheu. Por exemplo: quem faz Administração pode fazer estágio em recursos humanos, vendas, finanças, logística e até marketing. Com essa experiência e contato com outros profissionais, o estagiário entende melhor as atribuições de cada área e com qual delas se identifica mais.

Dessa forma, depois de formado, consegue fazer um plano de carreira mais focado em um determinado nicho: ele pode, por exemplo, buscar cursos mais específicos, o que vai aperfeiçoar suas habilidades e valorizar seu currículo. Assim, vai aumentar as oportunidades profissionais, já que as empresas buscam candidatos que estão mais direcionados para determinada área.

Networking com quem já está no mercado de trabalho

Você sabe o que é networking? É uma rede de contatos profissional valiosa para a troca de experiências, conhecimento e também para conseguir um emprego. Ao longo da carreira, é interessante cultivar um bom relacionamento com os colegas. Assim, além de aprender, você pode ser lembrado para uma oportunidade ou parcerias futuras.

Imagine, por exemplo, que seu supervisor de estágio resolva abrir uma empresa própria e lembre de você para montar seu time. Dessa maneira, é importante que você seja comprometido com o estágio, tenha um bom relacionamento interpessoal com a equipe e demonstre que está focado nos seus objetivos profissionais.

Ganho de experiência prática para o mercado de trabalho

Conseguir o primeiro emprego não é tarefa fácil, ainda mais para quem não tem nenhuma experiência. Desse modo, a realização do estágio vai somar pontos ao seu currículo, para que você ingresse no mercado de trabalho já ambientado à sua área de atuação.

Valorize essa etapa: aproveite os meses de estágio para aprender, tirar dúvidas e entender mais sobre a carreira que escolheu. Você vai conviver com outros colegas de profissão e terá a chance de conhecer os processos, o mercado, como se dá o relacionamento com o público, clientes etc. É uma experiência prática que vai fazer diferença na sua vida profissional.

Desenvolvimento pessoal

Quando a gente pensa em estágio, acaba destacando apenas os ganhos que a atividade traz para a carreira. Contudo, é preciso considerar que essa vivência também é importante para o desenvolvimento pessoal do aluno. Ele vai aprender as regras do ambiente corporativo, a importância de trabalhar em grupo, como ter um bom relacionamento com os colegas, entre outros aspectos.

O dia a dia do estágio também será útil para aprender a fazer a gestão de tempo, entender como se portar em reuniões e se comunicar para transmitir seu ponto de vista.

Obtenção de uma renda e benefícios ainda na faculdade

Muitos estágios obrigatórios são remunerados ou oferecem bolsas e benefícios, como vale-transporte e vale-alimentação, o que vai dar aquela forcinha no orçamento e ajudar a pagar as mensalidades da graduação.

É importante destacar que, no caso dos estágios opcionais, ou seja, não-obrigatórios, a legislação exige que a empresa faça o pagamento de uma remuneração e vale-transporte ao candidato.

Então, além de todo aprendizado e vivência prática, essa etapa pode ajudar a conseguir uma renda ainda na faculdade.

Chance de dar o seu melhor e ser efetivado

Você sabia que existe a possibilidade real de fazer o estágio e depois ser efetivado? Muitas empresas aproveitam seu estagiário, quando surge uma vaga de emprego, por já saberem como a pessoa trabalha. Para que isso ocorra, você precisa dar o seu melhor, ou seja, demonstrar proatividade, motivação e vontade de querer fazer carreira naquele ambiente.

Os gestores ficam de olho no desempenho dos candidatos. Por isso, esteja atento à sua postura e ao seu comportamento na organização. Trabalhe com dedicação, mostre-se aberto a novos desafios e aumente suas chances de sair da faculdade com a carteira de trabalho assinada.

O estágio pode significar o trampolim para você, ainda recém-formado, encontrar um emprego na área que estudou.

Quando começar a procurar por estágio?

Muita gente tem a ideia de que o momento certo para procurar estágio seja nos últimos anos da graduação. A dica é começar a pesquisar os programas logo no primeiro ano de curso e entender quais são os pré-requisitos.

Há vagas de estágio que são voltadas para quem está no primeiro semestre, então por que esperar? É claro que talvez você realize funções mais simples, mas saiba que, nessa fase, o estágio vai ajudar, inclusive, na sua evolução na graduação.

Sem contar que é uma maneira de participar de vários programas de estágio durante a faculdade. Isso vai permitir que você fique por dentro do funcionamento de empresas de setores diferentes e tenha experiência em segmentos variados do curso que escolheu.

O quanto antes você se inserir no mercado de trabalho, mais habilidades vai aprender e mais experiência terá para acrescentar em seu currículo, ou seja, tudo isso vai contar pontos no seu desenvolvimento de carreira.

É importante salientar ainda que, ao participar várias vezes da entrevista de estágio ou até mesmo de dinâmicas do processo seletivo, você vai ficar mais preparado para o momento em que estiver em busca de um emprego.

Além disso, deixar para se preocupar com essa atividade somente nos últimos semestres pode bagunçar sua rotina, afinal, é o período em que você precisa desenvolver seu trabalho de conclusão de curso (TCC).

Se, entretanto, você não conseguir encontrar um estágio logo nos primeiros anos da faculdade, não se desespere. O importante é estar atento às oportunidades e também participar de outras atividades, como projetos de extensão e eventos como simpósios, palestras e workshops que a instituição de ensino oferece.

Como encontrar uma vaga de estágio?

Há diversas formas de ficar sabendo das vagas, candidatar-se e conseguir uma entrevista de estágio. Confira abaixo.

Instituição de ensino

O primeiro passo é se informar na própria instituição de ensino: muitas mantêm convênios com empresas, o que facilita todo o processo. Aliás, na hora de escolher a faculdade ideal, avalie se há uma política de apoio ao estágio.

Conversar com professores e até colegas de outros períodos da graduação que já participam de algum programa também é uma boa estratégia para não perder os processos seletivos.

Internet

Você também pode, através da internet, ficar de olho em programas de estágio. Há empresas que disponibilizam informações sobre seus processos seletivos em seus sites e redes sociais. Fique de olho em organizações que tenham mais a ver com seu perfil e não perca as oportunidades.

Portais que reúnem vagas de emprego também têm uma seção voltada para estágios. Deixe seu currículo cadastrado e fique atento a qualquer notificação.

Outra dica é criar um perfil no LinkedIn, deixar seus dados atualizados e acompanhar os programas oferecidos pelas empresas. A rede social é importante para você ter contato também com outros profissionais da sua área.

Agentes de integração

Existem ainda algumas instituições chamadas de agentes de integração, que trabalham justamente para aproximar alunos e empresas, sem que haja custo algum para o estudante por esse serviço.

São organizações como o CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola) e o Nube (Núcleo Brasileiro de Estágios)em que é possível fazer um cadastro e ser chamado, caso surja uma vaga de seu interesse e de acordo com seu perfil.

Como se preparar para a entrevista de estágio?

Seu currículo foi selecionado, e a entrevista de estágio foi agendada. E agora? É normal ficar ansioso, afinal, o estágio é o primeiro degrau na vida profissional do estudante. Acompanhe abaixo algumas dicas de como se preparar bem para essa etapa e conseguir a tão sonhada vaga.

Preze pela honestidade

É essencial ser sincero nessa conversa. Não invente cursos ou habilidades que não tem ou experiências que não tenha vivido. O recrutador é experiente e consegue notar se o candidato está mentindo.

É comum ser questionado, por exemplo, sobre seus pontos fracos: nessa hora, seja honesto, fale sobre suas dificuldades e deixe claro que está correndo atrás para melhorar. Caso o seu nível de inglês seja intermediário e você esteja realizando um curso de idiomas, por exemplo, mencione isso em vez de falar que possui um nível avançado na língua.

Se você transmitir uma informação errada na entrevista e, mesmo assim, conseguir aprovação no estágio, saiba que pode ser desmascarado mais para frente. Imagine você dizer que tem determinada competência e isso ser cobrado no dia a dia de trabalho? Sua imagem profissional certamente ficará abalada.

Preste atenção à linguagem verbal

Um erro muito comum entre os candidatos a vagas de estágio e emprego são deslizes com o Português, seja na linguagem escrita ou falada. Então, fique atento para falar as palavras corretamente, fazer as conjugações verbais adequadas e não utilizar gírias.

Utilize um vocabulário variado, mas que deixe você confortável, ou seja, não tente colocar termos com os quais não tem muita familiaridade, para não se perder e não ficar confuso. Para não tropeçar com as palavras, tente falar com calma — assim, você consegue estruturar o pensamento e transmitir suas ideias com clareza.

Seja pontual

Você deve demonstrar comprometimento com o recrutador, por isso seja pontual. Se for preciso, pesquise bastante sobre o caminho que vai fazer no dia da entrevista, as opções de transporte, se é um horário com mais trânsito etc.

Uma pesquisa rápida na internet ou o uso de aplicativos pode ajudar nesse planejamento. Caso ocorra algum imprevisto no dia da entrevista de estágio, não hesite em ligar para a empresa com antecedência, avisando o que aconteceu e dizendo que, possivelmente, vai se atrasar.

Estude sobre a empresa

Pesquise em site e redes sociais da empresa sobre o que ela faz, como é sua participação no mercado, quais produtos ou serviços oferece, para qual público, seus valores etc. O contratante vai perceber que você está interessado em trabalhar naquela organização, o que pode contar pontos para conseguir a vaga de estágio.

Se você conhece quem trabalha, já trabalhou ou fez estágio na instituição, aproveite para perguntar detalhes do local. São informações que podem ajudá-lo a responder a perguntas clássicas como: “Por que escolheu a nossa empresa?” ou “Por que gostaria de trabalhar aqui?”.

Fale com propriedade sobre suas conquistas e metas

Sabemos que, geralmente, o estudante universitário não tem nenhuma experiência profissional, quando vai procurar o estágio. A empresa contratante sabe disso, mas vai querer conhecer as conquistas que ele já obteve na faculdade, por exemplo.

Então, fique tranquilo e fale sobre os projetos realizados, qual foi sua participação, os aprendizados, entre outros pontos. Muitos alunos têm a rotina de trabalhar e estudar ao mesmo tempo, o que mostra um esforço que pode ser valorizado pelo recrutador.

A empresa vai querer saber também sobre suas metas, como você espera que esteja profissionalmente daqui a 5 ou 10 anos. Reflita sobre seus objetivos e fale sobre os cargos que pretende ocupar ou cursos que quer fazer assim que acabar a faculdade, como uma pós-graduação.

Enfatize também a importância do estágio nessa trajetória. O essencial é você demonstrar que está comprometido com o crescimento da sua carreira.

Controle as emoções

Você já ouviu falar de inteligência emocional? Ela pode ser uma grande aliada na entrevista de emprego, tendo em vista que é importante que você tenha calma e transmita confiança ao contratante. Por isso, tente separar a razão da emoção, principalmente em momentos mais tensos, que deixem você em dúvida sobre como dar a melhor resposta. A dica é respirar fundo, responder cada questão com calma e sempre dizer a verdade.

Utilize as redes sociais a seu favor

Muitas pessoas podem não concordar, mas alguns setores de RH têm o costume de vasculhar as redes sociais do candidato a uma vaga de estágio ou emprego. Então, a dica é você prestar atenção às postagens — principalmente em relação a linguagem e fotos — que podem transmitir uma imagem que esteja em desacordo com o que a empresa espera de você.

Se for preciso, apague algumas imagens ou itens que você compartilhou que podem prejudicar seu ingresso no mercado de trabalho.

Escolha uma roupa adequada

A roupa utilizada no dia da entrevista de emprego pode acrescentar ou tirar pontos do candidato. Escolha um traje mais sério, ou seja, evite calças jeans com rasgos, chinelos, roupas curtas, regatas ou decotes. Procure conhecer a vestimenta dos funcionários para saber se é necessário, por exemplo, utilizar um terno.

Há exceções para vagas em empresas mais despojadas — como as da área de comunicação e de design. Nesse caso, é até aconselhável não usar um traje formal, para não passar a ideia de que você desconhece a cultura da organização.

Fique atento à sua postura

Atenção também à sua postura: demonstre confiança, ou seja, evite ficar com os ombros caídos ou olhar falando para baixo. Procure não exagerar nos gestos e tente agir de maneira natural.

Simule a entrevista de estágio em casa

Que tal você se preparar para a entrevista na sua casa? Isso mesmo! Pode até parecer uma brincadeira, mas vai ajudar você a ter mais confiança no momento de conversar com o recrutador.

Para isso, reflita sobre seus pontos fortes e fracos, conquistas, metas, por que quer fazer estágio naquela empresa e treine essas respostas. Com essas informações, você conseguirá montar um roteiro, para não deixar passar nenhum dado relevante, e pode simular que está na entrevista, elaborando as respostas para os assuntos que costumam ser mais mencionados nessa etapa.

Você pode, inclusive, pedir para alguém gravar um vídeo dessa simulação. Assim, você assiste e descobre em quais pontos precisa melhorar ou mostrar mais segurança.

Como a UCL pode ajudar nessa etapa da graduação?

Quem escolhe a UCL para fazer o ensino superior já sai na frente, quando o assunto é estágio. A instituição é referência nesse tipo de apoio, pois conta com uma política de incentivo ao estágio — acompanha de perto as atividades de seus estudantes nas organizações e também tem um trabalho direcionado para a divulgação das oportunidades.

Com isso, além de contar com um corpo docente de qualidade, boa infraestrutura e laboratórios modernos, o aluno também tem mais facilidade para acompanhar as vagas de estágio na sua área.

É importante destacar, ainda, que a UCL foi reconhecida pelas ações de apoio a essa atividade tão importante para o futuro profissional de seus alunos. Em 2015, foi premiada por incentivar boas práticas de estágio na etapa estadual do Prêmio IEL de Estágio, promovido pelo Instituto Euvaldo Lodi.

Está entusiasmado para ganhar experiência profissional ainda na faculdade? Então coloque em prática nossas dicas para se preparar bem para a entrevista de estágio, conquiste a vaga que você tanto almeja e comece a sua carreira com o pé direito!

Quer fazer o curso superior em uma instituição que facilita a sua inserção no estágio? Entre em contato com a UCL e fique por dentro dos cursos que a instituição oferece, inclusive na modalidade EAD/Online!

 

Por que investir em uma pós-graduação em Enfermagem?

“Por que fazer uma pós-graduação em Enfermagem?” Essa é, sem dúvidas, uma das perguntas que mais passam pela cabeça de quem atua no ramo. Isso porque a área da saúde, por lidar com o bem-estar e a vida de milhões de pessoas, é um mercado que valoriza e reconhece aqueles profissionais que gostam de inovação, estão abertos a continuar estudando e se aperfeiçoando e buscam experiência teórica e prática para lidar com diferentes situações de atendimento ao paciente.

Diante desse necessário, não há como negar: dar continuidade à sua formação é fundamental para não ficar com a carreira estagnada e sem perspectivas de futuro.

Trouxemos um post que aborda opções de cursos que você pode fazer — e como escolher entre eles, explica a maneira de eleger a melhor faculdade para estudar, expõe os impactos positivos de uma pós na sua profissão e, ainda, esclarece o que são as modalidades lato sensu e stricto sensu. Bastante coisa, não é mesmo? Por isso, acompanhe tudo até o fim! Boa leitura!

O que é uma pós-graduação?

Para começar, vamos falar um pouco sobre as pós-graduações que você pode cursar e quais são as diferenças entre elas. Além disso, vamos tirar algumas dúvidas comuns sobre quantas especializações um profissional pode ter e qual o momento certo para dar continuidade à própria formação. Confira!

Os tipos de pós-graduação que existem

A pós-graduação, ao contrário do que se pode imaginar, não se resume a um único tipo de curso. Na verdade, existem diferentes formatos, para atender a objetivos profissionais distintos. É por isso que você encontra aqueles que são lato sensu e os que são stricto sensu. O primeiro grupo, por exemplo, é voltado para uma maior qualificação para o mercado de trabalho. Dentro dessa categoria estão:

  • a especialização: que aumenta o seu know-how teórico e a sua experiência prática sobre um ramo da sua profissão;

  • o MBA: que o auxilia a ter as competências necessárias para comandar desde pequenas equipes até setores completos dentro de uma organização privada ou pública.

O segundo grupo, do stricto sensu, é aquele destinado a quem se interessa por produção científica, desenvolvimento de projetos acadêmicos e docência. Ele é composto pelos seguintes cursos:

  • mestrado: auxilia a ter as habilidades tanto para lecionar em um centro universitário quanto para produzir pesquisas e estudos;

  • mestrado profissional: permite produzir pesquisas e estudos, assim como no mestrado, mas com o intuito de aplicá-los no mercado;

  • doutorado: permite a você aprofundar estudos e pesquisas, além, é claro, de produzir novos saberes e dados fundamentais para o meio científico.

O momento certo para iniciá-la

“Ok, eu entendi quais são as alternativas de pós-graduação que eu tenho. Qual é, no entanto, o momento certo para iniciar esse tipo de formação?”. É isso que você está se perguntando? Saiba que não existe uma resposta única para essa dúvida.

Algumas pessoas iniciam uma pós logo, assim que obtêm o título de bacharel, licenciado ou tecnólogo. Outros dão um intervalo — que pode ser de meses ou mesmo de alguns anos — entre a graduação e a pós.

O ideal é fazer uma autoavaliação para definir qual é o melhor momento para você se aperfeiçoar, renovar o próprio currículo e, assim, ampliar as suas oportunidades de atuação na área da saúde.

A possibilidade de fazer mais de uma pós

Outro questionamento recorrente envolvendo a pós-graduação é se os profissionais já graduados podem fazer mais de uma, quando optam por cursos lato sensu, uma vez que no formato stricto sensu isso já é um padrão a ser seguido.

Se você também compartilha dessa questão, saiba que a resposta é sim. Se você se interessa por dois ou mais segmentos da Enfermagem que são afins, pode (e deve) se especializar neles ou fazer um MBA para atuar com gestão em ambos.

Essa é uma decisão que só enriquecerá o seu currículo e mostrará como sua formação é um assunto levado a sério, sendo muito mais densa e completa do que a de outros enfermeiros ativos no mercado.

Quais as principais pós-graduações na área de Enfermagem?

Se você analisou os tipos de pós-graduação e optou por fazer um curso lato sensu, certamente está em dúvidas sobre a oferta de especializações e MBAs existentes para Enfermagem, não é mesmo? Por essa razão, listamos algumas das alternativas mais promissoras no mercado de saúde que podem alavancar (e muito) a sua carreira. Veja quais são elas!

Enfermagem do Trabalho

O curso de Enfermagem do Trabalho prepara para assistir indivíduos com doenças ocupacionais, aquelas desenvolvidas por conta de uma ou mais atividades do trabalho, como lesão por esforço repetitivo (LER), dorsalgia, síndrome do túnel do carpo e urticária de contato.

Para tanto, você estuda ergonomia e fisiologia — para identificar diferentes traumas físicos —, legislação do trabalho e aspectos psicossociais da rotina do trabalhador. Tudo isso com o objetivo de promover bem-estar físico e mental para a sociedade.

Ergonomia

Como já mencionamos, é possível e até recomendando fazer duas ou mais pós-graduações, ainda mais se elas são complementares. Se você tem interesse em Enfermagem do Trabalho, é interessante se aprofundar em Ergonomia.

Dessa forma, você aprenderá não apenas a respeito da assistência às pessoas que já manifestam sintomas doenças ocupacionais, mas também sobre as práticas e intervenções preventivas nos ambientes de trabalho das pessoas para evitar acidentes e o desenvolvimento de transtornos físicos e mentais.

Fisiologia do Exercício

Um terceiro exemplo de pós-graduação em Enfermagem que você pode fazer é o de Fisiologia do Exercício, que aborda diversos sistemas do organismo, como o cardiovascular, o endócrino, o respiratório e o neurológico.

O foco dele é o uso da atividade física como ferramenta de reabilitação de pacientes, especialmente aqueles que estão com limitação parcial ou total dos movimentos e os que têm algum tipo de lesão provocada por malhação ou exercício de alto impacto (que é comum para quem é atleta amador e profissional).

Enfermagem em Terapia Intensiva

A pós em Enfermagem em Terapia Intensiva tem como objetivo a correta preparação dos enfermeiros para atuar com pacientes — independentemente da faixa etária deles — que estejam em estado crítico ou terminal por conta de problemas cardiológicos, neurológicos, nefrológicos e afins.

Para tanto, você se aprofunda nas melhores práticas de assistência na UTI, na adoção de cuidados paliativos para redução de sintomas, na manipulação de fármacos controlados, na prevenção de infecções generalizadas, na monitorização hemodinâmica, na elaboração de relatórios clínicos e por aí vai.

Auditoria em Saúde e Gestão da Qualidade

A especialização em Auditoria em Saúde e Gestão da Qualidade é para quem almeja atuar no controle e na supervisão de sistemas de saúde, sejam eles do setor público (no caso, o SUS), sejam eles do setor privado.

É por isso que você fará análises de contas, planejamento de custos, regulação de certificações de qualidade de autarquias, perícia no faturamento das grandes operadoras do ramo da saúde, entre muitos outros procedimentos.

Estética Avançada

O curso de Estética Avançada, por sua vez, é voltado para os enfermeiros que têm interesse em atuar na área da estética. Sabe-se que ela atrai milhares de pessoas em busca de procedimentos ambulatoriais e cirúrgicos.

É por isso que você estuda, no decorrer dessa formação, sobre diferentes métodos e técnicas de intervenção física, procedimentos durante o pré-operatório e depois do pós-operatório e a formulação de medicamentos e cosméticos para fins estéticos.

Enfermagem em Urgência e Emergência

Outra pós-graduação na área da saúde que o enfermeiro pode fazer é a de Enfermagem em Urgência e Emergência. Esse tipo de serviço prestado por hospitais particulares e principalmente públicos requer que o profissional tenha um conhecimento vasto sobre tipos de traumas físicos, complicações médicas, reanimação, internação e assistência em situações de caos (como desastres naturais e resgates).

Tudo isso para que o atendimento prestado ao paciente seja não só eficiente e rápido, mas também humanizado — o que faz toda diferença em momentos críticos.

Gestão Hospitalar

A especialização em Gestão Hospitalar é voltada para profissionais que vão atuar não no atendimento direto aos pacientes, mas no controle da qualidade desse contato.

Isso porque, tanto em hospitais quanto em outros institutos de saúde, é comum que haja gestores que coordenam o estoque de suprimentos, a manutenção de equipamentos e instrumentos clínicos, os custos hospitalares, as auditorias internas etc.

Além de tudo isso, eles ainda são responsáveis por gerir pessoas, montando equipes, estabelecendo setores e planejando sistemas de informações entre as várias especialidades médicas. Dessa forma, o paciente pode dispor de um hospital no qual os serviços funcionam adequadamente.

MBA em Gestão Estratégica de Pessoas

Quando se pensa em pós-graduação em Enfermagem, você logo associa o termo às especializações na área, como as que citamos, não é verdade? Porém, aqueles enfermeiros que vão trabalhar na gestão hospitalar — da qual falamos há pouco — podem (e devem) também fazer um MBA, como o de Gestão Estratégica de Pessoas.

Isso porque eles vão, além de organizar as escalas de trabalho de técnicos e auxiliares de Enfermagem, supervisionar diariamente esses outros profissionais durante as atividades deles. Fazer um MBA é importante, pois vai permitir que você desenvolva e aperfeiçoe as habilidades necessárias para cargos de gestor dentro de hospitais, postos de saúde, centros ambulatoriais etc.

Quais os impactos de uma pós-graduação na carreira profissional?

Fazer uma pós-graduação em Enfermagem é um grande investimento na carreira de um enfermeiro. A evidência disso aparece nos impactos positivos que o curso pode ter na sua trajetória, fazendo com que você fique um passo mais próximo dos seus objetivos profissionais. Ficou curioso para saber mais sobre os principais efeitos de continuar com os estudos após obter o diploma de bacharel? Então, veja a nossa lista!

Perfil profissional diferenciado

Para começar, o seu perfil profissional se distingue dos demais. Enquanto muitos se contentam em ter apenas uma graduação, você sai da sua zona de conforto e vai atrás de enriquecer a sua formação para se especializar em um campo de atuação.

Esse detalhe faz toda diferença numa área como a da saúde, que é conhecida justamente por ser bastante segmentada, com nichos voltados para enfermidades, tipos distintos de assistência, tratamentos clínicos, procedimentos cirúrgicos etc. Você se torna apto a lidar com pacientes e a prestar atendimentos que uma grande parcela de enfermeiros não tem conhecimento teórico nem prático para realizar.

Como resultado, você pode exercer cargos de especialista e ser promovido para outros setores hospitalares — situações que o levarão a ser reconhecido, dispor de um status social diferenciado e ter uma faixa de ganhos superior ao seu antigo salário.

Networking contínuo

Um segundo impacto positivo de uma pós-graduação em Enfermagem é a possibilidade de fazer contato com outros profissionais da categoria e esse networking — quando bem administrado e mantido — render frutos para a sua carreira, como indicações para cargos, convites de trabalho, parcerias etc.

Isso porque os alunos que fazem especialização e MBA são pessoas que, em sua grande maioria, já estão ativas no mercado e buscam crescer cada vez mais. Logo, você vai interagir com enfermeiros de outros institutos de saúde e com as mais diferentes experiências profissionais. Uma oportunidade única!

Qualificação para concursos públicos

Não podemos deixar de citar que uma pós-graduação pode ser o detalhe que falta para você concorrer em diversos concursos públicos que existem para a área da saúde e que são conhecidos pela alta remuneração.

É comum que o edital deles exija como requisito que os profissionais interessados tenham uma ou mais especializações. Isso acontece porque eles buscam selecionar profissionais em falta em determinados segmentos do serviço público de saúde e, assim, suprir as categorias de Enfermagem que são muito requisitadas no SUS.

Se você vislumbra uma carreira duradoura no setor público, tenha em mente que fazer uma pós é indispensável para alcançar esse objetivo.

Como escolher uma pós-graduação em Enfermagem?

Depois de ler sobre algumas opções de pós-graduação em Enfermagem e os benefícios que elas trazem para a carreira do enfermeiro, você deve estar se perguntando como eleger aquela que, de fato, vai fazer a diferença no seu futuro profissional. Por isso, reunimos algumas dicas que vão ajudá-lo nesse processo de escolha. Veja!

Considere os seus interesses profissionais

Antes de qualquer coisa, reflita a respeito de quais são os seus interesses profissionais, as suas habilidades e as suas competências. Fazer essa autoavaliação é a melhor forma de reconhecer com quais áreas de atuação você tem mais afinidade e com as quais é possível se ver trabalhando no futuro.

A partir daí, você pode listar esses ramos, pesquisar informações de cada um no mercado de trabalho, conversar com profissionais que já atuam com eles e, por fim, fazer um comparativo entre ambos, para definir qual é o melhor para a sua carreira.

Acompanhe os segmentos que se mostram promissores

Além de considerar as suas preferências, analise com calma todas as áreas de atuação da Enfermagem, afinal, é comum que, com o tempo, algumas delas ganhem destaque e até tenham subespecialidades que sejam bastante requisitadas pelo mercado da saúde.

Os motivos para isso acontecer são inúmeros, como mudanças sociais, novas políticas públicas, surgimento de epidemias globais, catástrofes naturais, envelhecimento da população etc. Quando isso ocorre, surge um cenário cíclico muito comum: aquele no qual há uma grande oferta de vagas, mas pouca mão de obra qualificada para ocupá-las.

Saber identificar os segmentos que estão em alta pode ajudá-lo a escolher o curso certo a ser feito. Dessa maneira, você estará capacitado para disputar cargos públicos ou vagas em grandes institutos de saúde que oferecem uma boa jornada de trabalho e, em especial, uma excelente remuneração.

Leve em conta a sua agenda

Por último, não deixe de levar em conta a sua agenda. Para muitos enfermeiros que trabalham em hospitais e centros de emergência/urgência, é comum o trabalho em regime de escalas diferentes.

Com isso, em alguns dias o seu turno pode ser pela manhã e à tarde, em outros à noite e de madrugada. Isso sem falar naqueles profissionais que, assim como muitos médicos, fazem plantões. É fundamental, portanto, encontrar um curso que se encaixe na sua rotina.

Um bom exemplo são as pós-graduações oferecidas em sábados alternados, com aulas das 8h às 13h e das 14h20 às 19h20, como ocorre na UCL. Assim, os seus dias úteis não ficam comprometidos e você pode se programar com mais facilidade para acompanhar as aulas.

Por que optar por uma boa instituição de ensino?

Para encerrar nosso post, não podemos deixar de falar sobre a importância de escolher uma instituição de ensino de qualidade. Uma faculdade séria e com um bom histórico de atuação no segmento de educação superior se preocupa não só em ofertar cursos alinhados com o mercado de trabalho, mas também em fornecer a infraestrutura necessária para o seu desenvolvimento e o seu aprimoramento enquanto aluno.

É importante dispor de laboratórios, bibliotecas e campus bem equipados, para garantir que o seu aprendizado não aconteça apenas em sala de aula, mas, sim, em todo e qualquer espaço da instituição. Além disso, é fundamental que a faculdade busque incessantemente montar um corpo docente de peso, com mestres, doutores e especialistas.

Dessa forma, o projeto pedagógico e curricular que norteia os cursos deve se manter sempre atualizado, multifacetado e apto a fornecer a capacitação teórica e prática que você deseja para alavancar a sua carreira. Dito tudo isso, trouxemos, abaixo, algumas dicas que vão ajudar você a avaliar se a instituição de ensino atende, ou não, às suas expectativas. Confira!

Informe-se sobre a metodologia de ensino na pós-graduação

A primeira é bem simples: informe-se sobre como é a metodologia de ensino que a instituição adota na pós-graduação, pois ela influencia diretamente na qualidade da sua formação. Descubra se a faculdade utiliza apenas aulas expositivas ou se aplica outras estratégias para tornar os seus estudos mais dinâmicos e aprofundados.

Podemos citar como exemplos, dentro dessas estratégias, aulas práticas em laboratório, visitação guiada a diferentes organizações do mercado, elaboração de seminários, criação de mesas redondas, promoção de eventos acadêmicos etc.

Confira a grade curricular da pós desejada

Achou o curso de especialização ou MBA que deseja fazer? Então, além de avaliar a metodologia de ensino utilizada pela faculdade, confira a grade curricular dele.

Isso é essencial para que você saiba de antemão quais conteúdos serão estudados em sala de aula e possa identificar se todos os temas relacionados àquela especialidade são abordados durante a formação. Por isso, tenha sempre em mente que, quanto mais informações a instituição divulga, melhor para você!

Pesquise se a instituição oferece cursos de qualificação profissional

Por fim, pesquise se a instituição, além de graduações e pós-graduações, oferece cursos de qualificação profissional na área da saúde. Isso pode parecer algo simples à primeira vista, mas, para quem deseja aprimorar as próprias habilidades e competências como enfermeiro, é essencial. Como exemplo, podemos citar:

Lembre-se de que, quanto maior for a sua capacitação, maiores serão as oportunidades de se estabelecer no mercado e ser um profissional reconhecido e bem remunerado.

Como você viu, a pós-graduação em Enfermagem vai muito além de enriquecer e diferenciar o seu currículo. Ela é uma forma garantida de se preparar para os desafios do mercado de trabalho e se manter atualizado na área da saúde — que está em constante renovação e é vital para o bem-estar geral da sociedade. Não deixe de investir no seu futuro profissional!

Gostou de ler sobre o tema e quer saber mais a respeito dos cursos que citamos neste post? Então entre agora mesmo em contato com a gente! Estamos ansiosos para ajudá-lo!

 

Como se preparar para os vestibulares do meio do ano?

Preparado para dar aquele grande passo e realizar o sonho de entrar na faculdade? Se você já está nessa expectativa, saiba que além das provas tradicionais, que geralmente ocorrem entre os meses de novembro e dezembro, também existe a opção de participar de vestibulares no meio do ano.

Se você não conhecia muito bem essa possibilidade e ainda tem dúvidas sobre como funcionam os processos seletivos para o segundo semestre, também conhecidos como vestibulares de inverno, fique atento a este post!

Aqui, vamos explicar por que os vestibulares no meio do ano são uma boa opção para os estudantes e se existem diferenças entre as provas. Acompanhe o post e veja também uma lista de dicas indispensáveis que preparamos para você se sair bem no exame e ingressar na vida universitária. Não perca essa leitura!

Por que optar por vestibulares no meio do ano?

Fazer o vestibular no meio do ano é uma boa alternativa para quem prefere reservar alguns meses para descansar após a conclusão do Ensino Médio. Esse período sem aulas também pode ser utilizado para se dedicar exclusivamente à preparação para o dia da prova, sem precisar dividir a atenção com as atividades do colégio.

Os vestibulares para o segundo semestre letivo não diferem dos tradicionais exames do final de ano, e grande parte das faculdades trabalha com essa opção. Geralmente, as provas acontecem entre os meses de maio e julho, e as aulas têm início em agosto. Esse calendário pode variar de acordo com a instituição.

Algumas faculdades particulares, além de realizarem o vestibular tradicional, trabalham com as provas agendadas. Nesse caso, a instituição divulga várias datas, e o candidato decide em qual dia realizará o exame, de acordo com sua disponibilidade.

Uma vantagem significativa dos vestibulares do meio do ano é que a concorrência nessa época costuma ser menor. Seja pelo desconhecimento dessa opção, seja para seguir o lema “ano novo, vida nova”, o número de candidatos à universidade nos meses de novembro e dezembro ainda é maior, o que aumenta as chances de quem tenta sua vaga para o segundo semestre.

Outra opção para ingressar no meio do ano é por meio da nota do Enem. Dependendo do desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio, o estudante pode ingressar no Ensino Superior sem precisar ser aprovado no processo seletivo.

Como ficar preparado para o dia da prova?

Antes das dicas de preparação, um lembrete importante: se você prefere manter o foco no exame do fim de ano, pode fazer o vestibular de inverno para treinar seus conhecimentos. Por outro lado, se sua tentativa mais recente de entrar na faculdade não foi bem-sucedida, dê mais atenção às disciplinas que foram menos pontuadas. Ok?

Agora, sim! Vamos às recomendações, para você se sair bem no exame e iniciar a tão esperada vida de universitário!

Pesquise instituições que oferecem vestibulares no meio do ano

Embora muitas faculdades disponibilizem os processos seletivos para o segundo semestre, a quantidade de cursos oferecidos pode ser menor, devido à quantidade de vestibulandos que se inscrevem nessa época.

Vale a pena fazer uma pesquisa para saber quais instituições vão formar turmas para a graduação que você quer. E aproveite para se informar sobre a conceituação e a qualidade das universidades pesquisadas.

Leia o edital

Nem todas as pessoas seguem a prática recomendada de ler contratos na íntegra. Isso também vale para os editais de vestibulares e concursos públicos. Apesar de serem documentos extensos, eles contêm informações importantíssimas sobre as provas, como:

  • requisitos para participar;

  • data e hora do exame;

  • itens que são permitidos levar;

  • critérios de classificação;

  • locais e datas para divulgação dos resultados;

  • conteúdo programático das disciplinas.

Dê atenção especial ao último item que listamos. Alguns editais apresentam, além das matérias que caem na prova, os títulos das obras literárias que podem ser utilizadas nos estudos preparatórios.

Crie um cronograma de estudos

Com a decisão firmada de participar dos vestibulares no meio do ano, o próximo passo é planejar sua rotina de estudos. A dica é criar um cronograma, definir quantas horas por dia serão dedicadas para preparação e distribuir as matérias ao longo do seu planejamento. Dessa forma, é possível passar um pouco por todos os conteúdos, sem priorizar somente os que você mais gosta.

Treine com provas anteriores

Além de estudar um pouco de cada disciplina, não se esqueça de verificar o formato das provas que são aplicadas na universidade onde você fará o vestibular. Fazer os exames dos anos anteriores é um ótimo método para se familiarizar com o processo, além de avaliar o tempo gasto para responder às questões.

Pratique a redação

Você já deve saber que o desempenho do vestibulando na redação tem um peso e tanto em sua nota final. Uns dos critérios analisados são a capacidade de argumentação do estudante e sua habilidade de encadear as ideias. Reserve um bom espaço no seu cronograma para aprender técnicas de escrita, pesquisar sobre os diferentes tipos de redação e, claro, praticar bastante!

Fique de olho nas atualidades

Acompanhar os últimos acontecimentos, do Brasil e do mundo, é outra prática importante durante a preparação para o vestibular. Fique atento às notícias sobre política, cultura, ciência, meio ambiente, entre diversos outros assuntos. Qualquer tema que ganhar evidência na mídia e na sociedade pode virar questão de prova nos processos seletivos.

Cuide-se na véspera e no dia da prova

Disposição e concentração são duas coisas que não podem faltar na hora do vestibular. Para isso, você precisa ter atenção com a saúde nos dias que antecedem o exame. Procure dormir o suficiente, alimente-se bem, mantenha-se hidratado, pratique alguma atividade física para relaxar e, se possível, evite situações de estresse.

Com essas dicas, é certeza que você vai chegar preparado na prova, seja nos vestibulares no meio do ano, seja nos tradicionais exames de novembro e dezembro. O importante é você dar esse passo com segurança e garantir o seu lugar na universidade.

E, se você quiser saber mais sobre o processo seletivo de inverno ou se precisar de informações sobre nossos cursos, é só entrar em contato conosco e enviar suas dúvidas!

 

Ainda não sabe se deve estudar à noite? Confira 7 vantagens!

Uma dúvida que vive rondando a cabeça de algumas pessoas é: estudar à noite é ou não uma boa opção? Na verdade, não há uma escolha certa ou errada, pois isso depende muito das preferências e das necessidades de cada um.

O certo é que uma decisão importante como essa deve ser tomada com muito cuidado e consciência, afinal, nosso tempo é um bem valioso e precisamos pensar bastante, antes de decidir como utilizá-lo.

O ideal é cercar-se de informação, para encontrar a melhor alternativa. Você já pensou sobre isso? Continue acompanhando o post para conhecer as vantagens de fazer um curso noturno!

1. A concorrência é menor em alguns cursos

Um dos fatos que você deve perceber, ao começar a pesquisar cursos do seu interesse, é que muitas opções noturnas apresentam uma concorrência menor. Isso não é uma regra, mas grande parte dos alunos que saiu do Ensino Médio procura vagas no turno diurno.

É até comum, inclusive, que as turmas da noite sejam formadas por pessoas um pouco mais velhas, que provavelmente já trabalham e levaram um tempo até entrar na faculdade.

Sendo assim, o processo seletivo tende a ser um pouco mais tranquilo, pois há menos estudantes lutando pela mesma oportunidade que você. Vale ressaltar que isso não quer dizer que estudar à noite é mais fácil, já que o nível de dificuldade do curso não muda de acordo com a procura.

2. É mais fácil encontrar um estágio

Outra vantagem de deixar os estudos para a parte da noite é ficar com o dia todo livre para trabalhar. Aliás, este pode ser considerado um problema para quem faz cursos diurnos: muitas vezes, é complicado conciliar os horários do trabalho e da faculdade.

Muitas empresas ainda buscam colaboradores para cumprir suas atividades no horário comercial. Logo, quem tem o compromisso de estudar apenas à noite consegue atender a essa demanda, sem grandes prejuízos para a vida acadêmica.

No caso dos estágios, normalmente os contratos são de meio período. Contudo, há também muitas pessoas que trabalham em tempo integral e não poderiam estudar em outro horário.Estudar à noite é, portanto, uma facilidade para quem deseja trabalhar e já começar a construir uma carreira.

3. Seus colegas provavelmente já estão no mercado

Todas as fases e situações da vida oferecem pontos positivos e negativos, não é verdade? Ter uma rotina universitária agitada, cheia de amigos da mesma idade e festas pode ser algo muito legal. Só que não é a realidade de todos.

Uma tendência perceptível nas turmas da noite é de um perfil de alunos que já trabalha e está mais preocupado com a sua trajetória profissional. Por conhecer melhor os desafios do mercado de trabalho, esse grupo busca desenvolver as suas capacidades para crescer — e, possivelmente, não tem tanto tempo para outras coisas.

Além do mais, muitos já estão construindo suas famílias. Tudo isso acaba elevando um pouco o nível de maturidade da turma. Ainda que existam alunos muito jovens, a probabilidade de um estudante noturno já estar mais encaminhado profissionalmente é grande.

A maior vantagem nesse contexto é fortalecer o seu networking. Então, vale a pena dedicar-se a conhecer os colegas, trocar experiências e firmar contatos que podem ser interessantes para o seu desenvolvimento. Os próprios professores devem aproveitar a chance de promover essa troca e enriquecer as aulas.

5. A rotina noturna é mais sossegada

Durante o dia, tudo está aberto e em constante movimento. Os carros se aglomeram e formam filas de trânsito intermináveis, as ruas estão agitadas e barulhentas, enfim, parece que um modo mais “estressante” fica instaurado. Especialmente em cidades maiores, isso costuma ser bem nítido.

Diante disso, estudar à noite pode ser uma alternativa mais tranquila. Os ambientes ficam mais calmos e até o tempo de deslocamento para a faculdade deve ser menor, pois a hora do rush já passou. Para quem prefere a calmaria, esse é certamente um aspecto favorável.

6. Não é preciso acordar tão cedo

Esse é um benefício atrativo para quem gosta de dormir um pouco mais. Aquele compromisso de acordar muito cedo para ir para a escola — que praticamente todo mundo vive desde criança — talvez encontre uma trégua agora.

É claro que o trabalho pode exigir esse tipo de obrigação, mas a flexibilidade de horários também é uma tendência no mercado. Milhares de empresas estão adotando ou já adotaram a ideia de maior liberdade nas jornadas de trabalho — o próprio regime de home office é outro exemplo disso.

Sem contar que muitas pessoas não funcionam tão bem de manhã e encontram dificuldades para levantar com a mente já disposta para os estudos. Identificar essa característica de produtividade é até um fator importante para ajudar na decisão de qual o melhor turno para estudar.

7. Seus dias ficam livres

Deixar a vida acadêmica para o período noturno faz com que os seus dias fiquem mais livres para outras atividades. Quem trabalha de manhã e estuda à noite consegue ter a tarde inteira para encaixar outros compromissos, por exemplo.

Ter os dias ocupados e as noites desocupadas nem sempre é uma vantagem, principalmente porque muitos estabelecimentos não funcionam nesse horário. Para resolver um problema no banco é preciso encontrar a sua agência aberta. Médicos, dentistas e outros profissionais também não trabalham até tarde.Estudar à noite deixa o dia livre para cumprir outras obrigações do dia a dia.

Você vai perceber que ter disponibilidade no horário comercial aumenta as suas possibilidades. É claro que o seu tempo livre deve ser aproveitado para estudar em casa, mas, com organização e disciplina, é possível conciliar várias outras tarefas.

Estudar à noite pode oferecer muitos benefícios para a vida do estudante. Ao mesmo tempo, é óbvio que existem as dificuldades que precisam ser vencidas. Ter uma rotina equilibrada é uma delas, pois a falta de sono prejudica não só a saúde como a capacidade de aprendizado.

O que achou da nossa lista de vantagens? Se você gostou do conteúdo, aproveite para compartilhar o post nas suas redes sociais e informar seus amigos! Quem sabe eles não estão precisando refletir sobre o assunto?

Quer trabalhar com tecnologia? Veja as possibilidades!

A transformação digital já é uma realidade para muitas empresas no Brasil. Os negócios que ainda não se adaptaram a essa mudança certamente estão ameaçados. Dessa forma, trabalhar com tecnologia é o caminho certo para quem busca crescer na carreira.

Por aqui, a indústria 4.0 também vai revolucionar o funcionamento das organizações, com a conectividade e dispositivos inteligentes ditando os modos de produção.

Se você gosta da área de inovação, saiba que há diferentes possibilidades de atuação e, o melhor, com boas perspectivas profissionais. Confira nosso post, entenda como anda o mercado da tecnologia e conheça os cursos de especialização para quem sonha com um futuro promissor!

Por que trabalhar com tecnologia é a melhor escolha?

Trabalhar com tecnologia é a melhor escolha por conta do crescimento desse mercado. Segundo uma pesquisa conduzida pela Neoway — consultoria especializada em big data analytics, foram abertas 13,9 mil empresas de tecnologia no Brasil em 2017.

Se você se impressionou com o número, saiba que o mesmo levantamento apontou que existem 195 mil empresas ativas na área de TI no país, sendo que 69,3% delas estão no Sudeste.

Para 2019, as previsões para esse mercado também são animadoras. Segundo a IDC Brasil, os investimentos em TIC (Tecnologia de Informação e Comunicação) terão um aumento de 4,9% no ano, sendo que o maior crescimento (10,5%) será da área de TI.

A IDC Brasil apontou, também, que a economia digital será responsável por mais de 50% do PIB da América Latina até 2022. Assim, cerca de US$ 380 bilhões serão revertidos em despesas com TI, de 2019 a 2022.

Quais as principais áreas de atuação para esse profissional?

Quem decide trabalhar com tecnologia tem muitos caminhos a seguir. Acompanhe abaixo as principais áreas de atuação.

Segurança da Informação

Os dados são o bem mais valioso de muitas empresas, pois envolvem toda a sua estratégia de negócio, projetos e informações de clientes. Ao mesmo tempo, não é raro surgirem notícias relacionadas a ataques de ransomware.

Isso torna a alta a demanda pelo profissional de Segurança da Informação, responsável por analisar os riscos relacionados ao gerenciamento de informações nos sistemas e na infraestrutura das empresas.

Além disso, é um profissional que terá ainda mais espaço com a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais, que passa a valer em agosto de 2020.

Big Data

Compras online, fotos e vídeos em redes sociais e mais uma avalanche de dados são gerados a todo o momento na internet. Contudo, administrar esse volume de dados é um desafio para muitas empresas.

Assim, o analista em Big Data torna-se um profissional-chave. Ele é o responsável por armazenar, traduzir, analisar e fazer o melhor uso dessas informações — que podem gerar bons negócios para as organizações.

Desenvolvimento web

Outra área que não para de crescer é a de desenvolvimento web. As empresas, de diferentes portes e setores, precisam de um profissional com conhecimentos atualizados na área, para desenvolver seu site e outras funcionalidades para o crescimento do negócio.

Ele deve pensar no design e no arranjo das informações, de modo a promover uma boa experiência para os clientes em qualquer dispositivo.

Marketing digital

Por fim, uma área que também está aquecida para quem busca atuar com tecnologia é a do marketing digital, que tem como objetivo alavancar negócios, destacando marcas, produtos e serviços na web.

O profissional pensa em estratégias com conteúdos e campanhas para posicionar a empresa entre os primeiros lugares dos motores de busca. Atua ainda no planejamento e no gerenciamento de toda a informação que circula nas redes sociais, inclusive no relacionamento com os usuários.

Quais as possibilidades de especialização em tecnologia?

Se você quer trabalhar com tecnologia e conseguir os cargos mais concorridos, terá que fazer uma pós-graduação. Quer algumas dicas de cursos? Veja a seguir.

Especialização em Banco de Dados

Curso voltado para profissionais das áreas de TI, Engenharia e outros segmentos que pretendem trabalhar na criação de projetos e administração em Banco de Dados.

É uma pós-graduação bem dinâmica, com atividades em sala e em laboratório, além de visitas técnicas. Entre as principais disciplinas estão:

  • Engenharia de Software;

  • Modelagem e Projeto de Banco de Dados;

  • Arquitetura e Infraestrutura de Banco de Dados;

  • Segurança em um Sistema de Banco de Dados;

  • Projeto – Integrando Sistema com Banco de Dados;

  • SQL – Básico e Avançado;

  • Implementação e Administração em MS SQL Server;

  • Administração em Oracle;

  • Backup e Restore;

  • Performance e Tunning em Oracle;

  • Banco de Dados No-SQL;

  • Banco de Dados em Cloud.

Especialização em Marketing Digital

No Brasil, faltam profissionais especializados em marketing digital. Por essa razão, esse curso pode abrir muitas portas no mercado de trabalho. Seu conteúdo programático foi formatado para formar gestores na área, ou seja, profissionais criativos e com uma visão estratégica em marketing digital.

Confira a seguir algumas das disciplinas do curso:

  • Comportamento do Consumidor e Design de Interação;

  • Planejamento de Mídia Digital;

  • E-commerce;

  • Gestão de Campanhas em Redes Sociais;

  • Gestão e Análise de Campanhas;

  • Máquinas de Busca;

  • Ferramentas de Marketing Digital;

  • Análise de Dados;

  • Inbound Marketing;

  • Mobile Marketing;

  • Design Interface de Usabilidade.

Especialização em Segurança da Informação

Quem quer conhecer processos, metodologias e técnicas mais atuais da Segurança da Informação deve fazer essa pós-graduação. O profissional também recebe conhecimento sobre normas, legislações e regulamentações dessa área.

Assim, torna-se apto a trabalhar com gestão de segurança, fazendo a análise de riscos e subsidiando a tomada de decisão das empresas na adoção das melhores estratégias em TI.

A matriz curricular dessa especialização inclui temas variados, como:

  • Política de Segurança da Informação;

  • Arquitetura e Protocolos de Redes de Computadores;

  • Análise de Redes TCP-IP;

  • Segurança em Infraestrutura de Rede Cabeadas e Redes sem Fios;

  • Serviços de Criptografia e Autenticação e Serviços de Certificação Digital e Infraestruturas de Chaves Públicas (PKI);

  • Segurança em Sistemas Operacionais Windows e Linux/Unix;

  • Segurança em Aplicações Web e em Banco de Dados;

  • Ferramentas de Segurança da Informação e Sistemas de Firewall / Proxy;

  • Aspectos Éticos e Jurídicos Relevantes em Segurança da Informação;

  • Sistemas de Análises de Vulnerabilidades e Tecnologias de Controle e Monitoramento;

  • Fundamentos de Auditoria de Sistemas de Informação e Regulamentações.

Quais os benefícios de fazer uma pós-graduação nessa área?

Fazer uma especialização vai trazer diversos benefícios para a carreira de quem pretende trabalhar com tecnologia, como:

  • vantagem competitiva — você demonstra estar atualizado e, assim, seu currículo será valorizado. Desse modo, pode concorrer às vagas mais disputadas e das melhores empresas do mercado;

  • aumento de salário — um levantamento da Catho Educação mostrou que fazer uma pós-graduação pode aumentar seu salário em até 118%;

  • possibilidade de promoção — quem pretende conseguir uma promoção, principalmente para cargos de gestão, precisa fazer essa qualificação para demonstrar conhecimentos e habilidades técnicas e, com isso, ter condições de assumir mais responsabilidades;

  • networking — criar uma rede de relacionamentos com colegas e professores pode render parcerias profissionais, troca de experiência e até indicações para vagas de emprego.

Se você quer trabalhar com tecnologia, fique atento às áreas com maior demanda. Além disso, procure uma especialização, para se manter atualizado e ficar por dentro de todo o conhecimento e habilidades técnicas de determinado segmento e, assim, conseguir as melhores oportunidades profissionais.

Se quiser acompanhar outros posts sobre carreira, é só assinar a nossa newsletter!

 

5 dicas de organização pessoal que vão ajudá-lo a atingir suas metas

Seja você acadêmico, recém-graduado ou profissional que já atua no mercado, uma dificuldade é comum a todos: os múltiplos compromissos para conciliar. Quem tem uma rotina corrida e mal-administrada pode até perder o foco em suas metas. Há, porém, um ingrediente que faz toda a diferença na receita para o equilíbrio das atividades e para o alcance de seus objetivos: a organização pessoal.

O bom é saber que, para ser bem-sucedido, ninguém precisa ser naturalmente organizado. Essa é uma habilidade que pode ser desenvolvida por meio de ações diárias. E é exatamente isso que vamos apresentar neste post. Continue a leitura e conheça 5 dicas de organização pessoal que vão impulsionar a realização de suas tarefas e o alcance de suas metas!

Por que se preocupar com organização pessoal?

Chegar ao fim do dia, colocar a cabeça no travesseiro e apreciar a sensação de dever cumprido por ter atingido todas as metas que estavam estabelecidas não é uma missão que todas as pessoas conseguem concluir com facilidade.

Com tantos compromissos diários, que superlotam a agenda e atribulam a rotina, é comum que alguma atividade fique pendente. O problema é que, se isso ocorrer com frequência, você correrá o risco de sofrer com o acúmulo de tarefas.

É por isso que se preocupar com a organização pessoal é uma medida necessária para melhorar a produtividade diária e respirar com alívio, sem o estresse de pensar no tanto de afazeres que ainda faltam.

Você pode até pensar que é difícil conciliar todos os compromissos — trabalho, estudos, família, vida social, autocuidado etc.Sem dúvidas, não se trata de uma missão muito fácil, mas a organização pode ajudar. Ser organizado, assim como qualquer outra habilidade, não é, necessariamente, um talento inato e pode ser desenvolvido com treino diário.

É bastante útil seguir por esse caminho, tanto na rotina profissional quanto em qualquer contexto e etapa da vida. Sabe por quê? A pessoa organizada vive mais tranquila, menos ansiosa e ainda encontra tempo livre para preencher com atividades prazerosas. Veja quantas vantagens a organização pessoal pode trazer para o seu dia a dia:

  • gestão inteligente do seu tempo;
  • melhor desempenho e maior número de tarefas realizadas;
  • menos tempo desperdiçado com atividades improdutivas;
  • menor preocupação com as pendências e, por consequência, menos estresse e ansiedade;
  • poucas chances de que algum imprevisto atrapalhe ainda mais a sua rotina;
  • nada de problemas acumulados;
  • tempo livre e melhora na qualidade de vida.

Olhando por esse lado, você percebe o quanto vale a pena se esforçar um pouquinho mais para ser uma pessoa organizada, não é mesmo? A próxima questão que vamos responder é sobre como colocar em prática a organização pessoal.

Como ser mais organizado no dia a dia?

Na teoria, parece muito eficaz. E, na prática, será que realmente funciona? O que fazer para ter mais organização e equilibrar os múltiplos compromissos? Para facilitar o gerenciamento das suas atividades, separamos 5 dicas que podem fazer toda a diferença no seu dia a dia. Olha só!

1. Aprenda a priorizar as tarefas

Por que pensar em uma escala de prioridades? Simples: temos a tendência de realizar primeiramente as atividades mais rápidas ou prazerosas e nem sempre consideramos o prazo final de cada uma delas.

Isso vale tanto para as tarefas diárias quanto para metas de vida. Somos motivados pelo prazer imediato e não pelos retornos em longo prazo. Por isso, é útil organizar os compromissos e/ou objetivos, seguindo uma hierarquia lógica. Nessa linha de classificação, você deve avaliar precisamente o que é urgente, o que é importante e o que pode ser adiado sem consequências prejudiciais.

Outra dica, nesse sentido, é focar em uma ação por vez. Estar no trabalho preocupado com as tarefas de casa pode prejudicar o seu rendimento. Da mesma forma, tentar resolver problemas profissionais nas horas de ficar em casa com a família é um mau aproveitamento desse precioso tempo.

2. Não se renda à procrastinação

Ah, como é bom procrastinar! Por mais que você conheça os efeitos negativos de deixar coisas importantes para fazer depois, há um leve deleite em adiar compromissos, concorda? Isso porque, com essa atitude, você ganha um pouco de tempo livre para satisfazer outras vontades e necessidades.

Ficou confuso? Vamos ao exemplo: você precisa fazer um relatório para entregar no dia seguinte, no trabalho. Chega em casa cansado, estressado, com sono e sem disposição alguma para pensar em assuntos profissionais. Qual ideia é mais atraente: terminar o tal relatório ou se jogar no sofá, em frente à TV, e deixar o restante para depois?

É preciso, entretanto, pensar nos efeitos do comportamento procrastinador, pois ele pode gerar um acúmulo de funções e resultar no “efeito bola de neve”. Organize-se, foque primeiramente nas atividades urgentes e só depois aproveite o tempo livre, sem preocupação ou peso na consciência.

Para não ceder à procrastinação, também é importante tomar cuidado com as distrações. As redes sociais, por exemplo, estão entre as principais razões para desviar a sua atenção do que realmente precisa ser feito.

Quem nunca interrompeu uma atividade para dar aquela olhadinha nos feeds de notícias ou checar as notificações, não é mesmo? O problema é que isso pode consumir muito mais tempo do que o necessário e prejudicar o seu planejamento.

3. Evite o multitasking

Já conhece esse conceito? O multitasking tem relação com o perfil daquelas pessoas que assumem vários compromissos ao mesmo tempo, também chamados de multitarefas. E isso é comum, já que o novo comportamento social gerou mentes sempre conectadas, que absorvem informações simultâneas constantemente.

É importante, no entanto, tomar cuidado com o alto fluxo de notícias que você assimila ao longo do dia e, principalmente, com o número de atividades que se dispõe a cumprir. Isso porque sua mente pode ficar sobrecarregada e resultar em déficits no rendimento. Afinal, agilidade e eficácia são coisas distintas e realizar múltiplas tarefas nem sempre significa fazê-las com qualidade.

4. Estabeleça metas e defina propósitos

Todos nós temos um caminho, uma direção a seguir. O que nos motiva é justamente saber que há algo pela frente. Somos guiados por objetivos — no dia a dia e na vida, de uma forma geral. Isso quer dizer que, ao estabelecer metas, você dá um novo significado às suas ações. Os compromissos deixam de ser encarados com o peso da obrigação e passam a ser vistos como propósitos para agir.

Então, não apenas estipule as tarefas que precisam ser cumpridas, mas pense no porquê de cada uma delas. Você verá que, ao substituir o “eu tenho que fazer” pelo “eu quero realizar”, fica mais fácil atingir suas metas.

5. Conte com as utilidades da tecnologia

Nossa última orientação é sobre o uso útil dos recursos tecnológicos. Temos que admitir que o desenvolvimento da tecnologia facilitou nossa vida em muitos sentidos. Atividades que antes tomavam muito do nosso tempo podem ser realizadas em questão de minutos e sem sair de casa atualmente, como pagar uma conta no banco.

Além dessa e de diversas outras facilidades, você também pode contar com aplicativos que ajudam na organização pessoal. Ferramentas de gerenciamento de tempo, por exemplo, são ótimos meios para listar suas tarefas, receber alertas de prazo e manter os compromissos em dia.

E, então? Você concorda que essas práticas podem favorecer a organização pessoal e equilibrar a correria da rotina? Não se esqueça de que é só uma questão de treino. É preciso apostar nessas dicas, dia após dia, até que elas se tornem um bom hábito. Afinal, motivação é o que nos leva ao alcance de nossas metas, mas é a disciplina que nos mantém firmes na jornada.

Se esse conteúdo foi útil para você, não deixe de seguir nossas páginas nas redes sociais, para acompanhar as atualizações. Estamos no Facebook, no Twitter, no YouTube e no Instagram.

Engenharia de Controle e Automação: as razões para escolher esse curso

Se você gosta de Exatas e quer um curso com boas perspectivas profissionais, considere fazer Engenharia de Controle e Automação, também chamada de Mecatrônica.

É uma carreira com alta demanda, visto que as indústrias precisam, cada vez mais, automatizar seus processos — com o intuito de diminuir custos, elevar a produção e também a qualidade.

Dessa forma, quem escolhe essa graduação pode ficar tranquilo, pois a empregabilidade é alta, principalmente no setor industrial. O engenheiro pode trabalhar com robôs, desenvolver novos sistemas e maquinários ou aperfeiçoar e fazer a manutenção dos já existentes.

Quer conhecer 5 razões pelas quais apostar nessa carreira? Confira nosso post e entenda também qual o perfil do estudante de Engenharia, como é a grade curricular do curso e como o profissional pode se destacar no mercado!

Qual é o perfil do estudante de Engenharia?

Quem escolheu fazer Engenharia certamente tem habilidades com raciocínio lógico e cálculos. Sentir-se à vontade com os números é um pré-requisito para quem escolhe esse ou outro curso superior na área de Exatas. Isso porque as disciplinas básicas englobam noções de Matemática, Física, Química, Cálculo e Estatística.

O estudante que sonha em se tornar engenheiro tem um perfil analítico e gosta de resolver problemas. Para isso, é importante ser organizado, saber planejar e se valer de estratégias para driblar os desafios. Deve também ter um olhar atento aos detalhes, evitando que pequenos erros prejudiquem seus projetos.

Sem contar que a tecnologia anda lado a lado com a área de Controle e Automação, por isso é importante, desde a faculdade, manter-se atualizado e disposto a aprender sobre as inovações do setor.

No curso você vai se preparar para desenvolver ferramentas e sistemas que otimizam alguma atividade e facilitam a vida das pessoas. Por isso, o aluno dessa área deve ser bem criativo e ter um perfil inventivo.

Curso exige dedicação

Quem quer se dar bem na carreira deve se preparar ainda na graduação. Para isso, precisa estudar bastante, ser participativo em todas as aulas, aproximar-se dos professores e não deixar uma dúvida passar em branco. As disciplinas são complexas — por isso, juntar-se aos colegas e formar grupos de estudos são boas estratégias.

O aluno deve se dedicar também às aulas práticas, em laboratório de pesquisa na faculdade, que vão prepará-lo para o dia a dia da profissão. Ele deve se informar sobre projetos de pesquisa, de iniciação científica e monitoria, além de cursos de extensão e atividades complementares que o curso oferece. Desse modo, terá uma formação ainda mais completa.

É importante também estar presente em eventos, como simpósios, palestras e até workshops, dentro e fora da instituição de ensino.

Se possível, é necessário estudar uma segunda língua durante a graduação. Hoje, existem cursos gratuitos pela internet, que vão preparar você para trabalhar em uma multinacional — cujos cargos exigem níveis avançados ou fluência em um segundo idioma.

Afinal, vale a pena fazer Engenharia de Controle e Automação?

A Engenharia de Controle e Automação ou Mecatrônica é uma área do conhecimento que estuda as novas tecnologias e ferramentas relacionadas aos campos da mecânica, eletrônica e computação.

Desse modo, é um curso bastante completo, que prepara o aluno para atuar com o projeto, análise, desenvolvimento e adaptação de sistemas de automação. A carreira, portanto, pode se voltar para setores variados, como indústria de base, indústria automobilística, bem como as áreas de informática, segurança e até saúde.

A graduação tem origem nas Engenharias Mecânica e Elétrica e na Informática e surgiu diante da necessidade de ter um profissional com conhecimentos e habilidades nessas áreas para atender à demanda do mercado.

Quer saber o que faz um engenheiro de automação? Pense na imagem de uma indústria, como a automobilística, em que robôs realizam uma série de funções que seriam perigosas para o trabalhador. Pois bem, esses sistemas robóticos são desenvolvidos e monitorados pelo engenheiro mecatrônico.

Você pode ver a atuação dele aí mesmo na sua casa: é só olhar o sistema que faz sua impressora funcionar ou a facilidade que o controle remoto da televisão proporciona para você. Toda essa automação é fruto do trabalho desse profissional.

Assim, o engenheiro mecatrônico é a figura ideal para atuar na modernização dos processos industriais, uma transformação pela qual as grandes empresas estão passando para vencer a concorrência e ter mais agilidade e economia na produção.

Além disso, o profissional pode trabalhar em projetos para o aproveitamento de resíduos e voltados para uma produção mais segura e sustentável.

Diante desse contexto, se você gosta de estudar Exatas e quer uma área com alta demanda e crescimento, a dica é cursar Engenharia de Controle e Automação.

Quais as 5 razões para ser um engenheiro de controle e automação?

Quer conhecer 5 razões pelas quais essa carreira é a ideal para você? Veja a seguir:

1. Possibilidades de atuação variadas

A Engenharia Mecatrônica une os conhecimentos e competências de várias áreas, por isso é uma graduação que oferece uma formação muito ampla.

O profissional — de acordo com seu perfil e ambições de carreira — tem vários segmentos a explorar. Acompanhe abaixo as possibilidades de atuação.

Indústria

Um setor que oferece muitas vagas é o industrial, principalmente nas áreas petroquímica, siderúrgica, metalúrgica, portuária, de mineração e automobilística. O profissional pode trabalhar também em sistemas de tratamento de água e esgoto e em usinas de geração de energia.

Serviços

Mas não é só isso! O engenheiro mecatrônico pode atuar ainda na área de serviços, com projetos de automação residencial e predial. Sabe aqueles dispositivos que ligam as luzes e o ar-condicionado de uma casa somente com um simples toque de celular? Pois bem, é um trabalho feito por esse profissional.

Ele também pode atuar no desenvolvimento de sistemas de automação no setor de segurança, voltados para bancos, lojas e supermercados, por exemplo.

Saúde

Você sabia que o engenheiro de automação pode trabalhar também na área de saúde? Isso mesmo: ele atua no desenvolvimento e manutenção corretiva e preventiva de equipamentos hospitalares. É um ramo em crescimento, principalmente com a ascensão da tecnologia na área da saúde, que permite cirurgias remotas com a utilização de robôs.

Informática

O profissional pode trabalhar também na área de informática, projetando sistemas e desenvolvendo softwares. Nesse segmento, ele desenvolve ainda modelos matemáticos para a representação de peças e processos. Com isso, é possível a realização de testes virtuais anteriores à sua produção — o que reduz custos e aumenta a segurança.

2. Boa média salarial

Muita gente que vai escolher um curso superior tem curiosidade de saber qual a média salarial para a carreira até mesmo para decidir se vale a pena. No país, a carreira de Engenharia tem um salário mínimo profissional, regulado em legislação. Dessa forma, é estabelecido um piso de acordo com a carga horária diária de trabalho:

  • 6 horas: 6 salários mínimos;

  • 7 horas: 7,25 salários mínimos;

  • 8 horas: 8,5 salários mínimos.

A média salarial para o Engenheiro de Controle e Automação de acordo com a consultoria de emprego Catho é de R$ 6.198,22. Já na consultoria Love Mondays, o valor médio de salário para a profissão é de R$ 7.004,00.

É uma média salarial, mas como essa carreira tem alta demanda, profissionais que se especializam em algum segmento da área e se mantêm atualizados podem conseguir remunerações maiores.

3. Possibilidade de empreender

O curso é interessante para quem sonha em ter o seu próprio negócio e gerenciar equipes. Isso porque o aluno recebe noções de Economia, Direito, Gestão de Projetos e Marketing.

Dessa maneira, ele estará apto para empreender na área de automação residencial, robótica voltada para o setor da saúde ou ainda no desenvolvimento de softwares para otimizar a produção.

4. Carreira em crescimento

Como dissemos, a área de automação tem um mercado aquecido e boas perspectivas de crescimento. Isso porque qualquer indústria (independentemente do porte) que quer se adequar ao mercado atual vai precisar de um engenheiro mecatrônico.

Quem não quer entrar na faculdade sabendo que não vão faltar empregos na área depois de formado?

5. Profissão do futuro

A indústria 4.0, também chamada de quarta revolução industrial, começa a dar os primeiros passos no país. É uma transformação que vai modificar os modelos de negócios e processos produtivos, com o uso de dispositivos inteligentes — utilizados desde a fabricação até a entrega do produto final ao consumidor.

Desse modo, a tendência é aumentar a demanda por profissionais da área de automação para desenvolver, atualizar e aperfeiçoar os sistemas robóticos — além de adaptar softwares voltados para a produção dessas fábricas mais inteligentes.

Como é o mercado de trabalho para o engenheiro da área?

Depois de formado em Engenharia de Controle e Automação, para poder atuar legalmente na área, o profissional deve fazer o registro no Conselho de Engenharia de seu Estado — autarquia que regula, fiscaliza, controla e orienta o exercício profissional dos engenheiros.

Com o diploma e registro, o recém-formado encontra um mercado de trabalho amplo e aquecido. Isso porque a modernização dos parques fabris diante da economia globalizada e da maior concorrência entre as empresas é constante. Portanto, o engenheiro de automação se torna o profissional-chave nessa transformação.

Além disso, as áreas de automação residencial e predial também estão em crescimento, com dispositivos que trazem conforto e segurança. No segmento da saúde, a robótica tem proporcionado cirurgias cada vez mais precisas e seguras, por isso é considerada um campo em expansão para esses profissionais.

Saiba ainda que a Engenharia de Controle e Automação está entre as profissões em alta no Espírito Santo.

Como é o curso de Engenharia de Controle e Automação?

Ficou entusiasmado com as atividades que o engenheiro de controle e automação pode desempenhar e com as ótimas oportunidades profissionais? Então chegou a hora de conferir como é esse curso superior.

É uma graduação do tipo bacharelado, com duração de 5 anos. O programa do curso é bastante dinâmico, pois une teoria e muitas aulas práticas.

Então se você se sente desmotivado com um conteúdo maçante, com muita leitura, pode ficar tranquilo. Isso porque, nessa formação, o aluno põe a “mão na massa”, pois várias disciplinas são trabalhadas nos laboratórios de pesquisa.

Matriz curricular

As disciplinas básicas da matriz curricular são Matemática (Álgebra Linear, Geometria Analítica, Equações Diferenciais), Física (Física I, II e III e Física Experimental), Química (Química Básica e Química Tecnológica) e Cálculo (Cálculo I, II e III e Cálculo Numérico).

Entre os assuntos mais específicos dessa faculdade estão as disciplinas de:

  • Lógica Matemática e Computacional;

  • Circuitos Elétricos;

  • Eletrônica de Potência;

  • Conversão de Energia;

  • Controle Automático;

  • Materiais e Sensores;

  • Máquinas Elétricas;

  • Fenômenos de Transporte;

  • Sistemas de Energia;

  • Programação Aplicada;

  • Instrumentação Industrial;

  • Sistemas Embarcados;

  • Princípios da Robótica;

  • Projetos de Máquinas;

  • Programação de Computadores;

  • Mecânica Geral;

  • Eletrônica;

  • Mecânica dos Sólidos;

  • Sistemas Digitais;

  • Teoria das Redes;

  • Processos Industriais;

  • Elementos de Máquinas;

  • Hidráulica e Pneumática;

  • Introdução à Visão Computacional.

O aluno tem aulas também de Sociologia e Antropologia, Probabilidade e Estatística, Economia da Engenharia, além de Segurança, Ergonomia e Higiene. As disciplinas de Direito Empresarial, Administração Geral, Empreendedorismo e Gestão de Projetos são interessantes para quem quer trabalhar na área de gestão ou ter o próprio negócio.

Estágio

Como todos os cursos de Engenharia, a de Controle e Automação também tem o estágio supervisionado obrigatório de 300 horas ao final do curso. A dica para o estudante é aproveitar ao máximo essa oportunidade.

É uma etapa importante para conhecer as rotinas da área, aprender com profissionais mais experientes e até mesmo para descobrir algum segmento na Mecatrônica com o qual ele mais se identifica.

Assim, um bom estagiário de Engenharia é alguém proativo e sempre aberto ao aprendizado. É essencial que ele mantenha uma boa relação interpessoal com supervisores e colegas da profissão e peça feedbacks para que consiga entender melhor suas dificuldades e potencialidades.

Muitos alunos torcem o nariz por conta da exigência do estágio, porém é um momento fundamental para preparar o futuro profissional para o mercado de trabalho. Além disso, muitos estágios são remunerados — o que dá aquela forcinha no orçamento.

TCC

Ao final do curso, o aluno precisa fazer também o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Para esse trabalho, ele recebe a orientação de um professor para pesquisar sobre um assunto da área de seu interesse ou trabalhar no desenvolvimento de algum produto — como a ideia de um sistema automatizado. Depois, defende o TCC para uma banca examinadora.

O que considerar para escolher seu curso de engenharia?

Se você está decidido a fazer o curso de Engenharia de Controle e Automação, precisa saber como escolher a melhor instituição de ensino superior. Estamos falando de um investimento de tempo (5 anos) e dinheiro voltado para o seu futuro profissional, por isso é preciso saber como tomar a melhor decisão.

Saiba que as faculdades não são todas iguais; você deve observar uma série de aspectos que vão fazer a diferença na sua formação. Antes de tudo, verifique se a instituição de ensino e o curso têm autorização do Ministério da Educação (MEC) e como é a avaliação pelo órgão.

É importante também verificar a formação do corpo docente. Professores com boa qualificação conseguem transmitir os conhecimentos e habilidades da profissão, além de orientarem melhor os alunos quanto aos caminhos que a carreira proporciona.

Pesquise ainda sobre a matriz curricular da graduação: é importante que seja equilibrada, ou seja, mescle teoria e prática, e, principalmente, que esteja atualizada quanto às tendências da área.

Em algumas instituições de ensino, existe ainda a possibilidade de estudar Engenharia EAD/Online, uma boa opção para alunos que não conseguem se deslocar até a instituição de ensino com tanta frequência. Porém, a modalidade ainda não está disponível para todas as engenharias.

Infraestrutura

É importante que a instituição de ensino disponha de um espaço confortável e bem estruturado. Avalie, portanto, as condições de sala de aula, biblioteca, bem como os equipamentos tecnológicos oferecidos.

No caso de cursos de Engenharia, é fundamental que a faculdade ofereça laboratórios de pesquisa em diferentes áreas. Assim, você recebe uma formação prática completa e se forma mais preparado para atuar no mercado de trabalho.

Bolsas e financiamentos

Sabemos como é difícil para muitos alunos arcar com as mensalidades da faculdade. Ao mesmo tempo, como construir uma carreira sem fazer o curso de graduação?

A alternativa são as bolsas (de monitoria e pesquisa) ou financiamentos, como o FIES, que muitas instituições oferecem. Pesquise sobre essas possibilidades e não adie o sonho de ter um diploma de ensino superior.

Vivência internacional

Há ainda faculdades que propiciam a vivência internacional. Elas oferecem programas em que o aluno cursa parte da graduação no exterior em instituições de renome. É uma ótima oportunidade para conhecer outras culturas, colegas estrangeiros e até mesmo a forma de trabalho e linhas de pesquisa dos centros universitários de outros países.

São muitos dados que você precisa coletar para saber se a instituição de ensino é de qualidade. O primeiro passo é explorar o site e redes sociais da faculdade e já reunir as principais informações.

Vale também fazer uma visita pessoalmente ao local e conhecer de perto a infraestrutura. Se for possível, converse ainda com coordenadores de curso, professores, alunos e ex-alunos para tirar todas as suas dúvidas.

Como se destacar profissionalmente nessa área?

O diploma na área de Engenharia de Controle e Automação abre diversas portas no mercado de trabalho. Porém, como toda carreira, é importante que o profissional se mantenha atualizado para se destacar da concorrência.

Assim, é necessário ficar por dentro das inovações tecnológicas do setor, acompanhar revistas e sites atualizados e participar de eventos da área. Fazer um curso de pós-graduação, como especialização ou MBA, também conta pontos no currículo.

Além disso, o engenheiro deve se preocupar com sua postura no ambiente organizacional e desenvolver algumas competências para se dar bem na carreira. Confira a seguir:

Flexibilidade

O mercado de trabalho é bastante dinâmico e as empresas buscam profissionais flexíveis, ou seja, que se adaptem a mudanças e não tenham medo de encarar desafios. Por isso, mostre-se disponível para novos projetos, esteja aberto para aprender e para assumir novas funções ou trabalhar com equipamentos diferentes, se necessário.

Resiliência

Você já ouvir falar em resiliência? É a capacidade de não se abater frente a um cenário de muita pressão ou a uma situação desfavorável. Profissionais com essa competência são valorizados pelos gestores, pois, mesmo diante da crise ou de problemas em algum projeto, conseguem seguir em frente.

Na verdade, não quer dizer que são pessoas frias, mas sim que conseguem enxergar além. Para elas, o fracasso não é somente um fracasso, mas uma oportunidade de aprendizado na carreira.

Aliás, profissionais resilientes costumam ter um bom relacionamento interpessoal com os colegas e também têm mais chances de conseguir promoções, principalmente para assumir cargos de liderança e gestão.

Visão sistêmica

Para trabalhar em uma indústria, por exemplo, o engenheiro não pode se fechar somente em sua atividade. É importante conhecer o negócio de forma global, ou seja, ter uma visão sistêmica.

Assim, o profissional consegue entender melhor toda a organização e, dessa maneira, pensar em soluções e estratégias mais eficazes para o sucesso do negócio.

Proatividade

Profissionais preparados para o futuro precisam ser proativos. O que isso significa? Devem fazer acontecer, ou seja, antecipar cenários e buscar soluções para o sucesso da empresa. É importante ter iniciativa, contagiar sua equipe com o trabalho e estar de olho nas tendências do setor.

Boa comunicação

Muita gente tem a ideia de que quem trabalha com números, como os engenheiros, atua de forma isolada. Pelo contrário: é forte a atuação em equipe e, para que o trabalho seja eficiente, é necessário ter uma boa comunicação.

O profissional deve transmitir suas ideias com clareza, seja em uma conversa, e-mail ou reunião. Além disso, deve saber como defender seu ponto de vista e também saber como escutar o outro.

A Engenharia de Controle e Automação é um curso para quem gosta de lidar com tecnologia para otimizar processos produtivos e também para facilitar a vida das pessoas. O mercado de trabalho para a carreira é bastante aquecido e, o melhor, com oportunidades variadas de atuação.

Quer fazer a graduação nessa área em uma instituição de ensino superior de qualidade? Conheça o curso de Engenharia de Controle e Automação da UCL e comece a preparar seu futuro profissional!

 

Já pensou em fazer um MBA em varejo? Saiba mais neste post

O mundo corporativo apresenta desafios contínuos. O profissional que não se atualiza, corre o risco de deixar passar boas oportunidades de crescimento. No setor comercial, essa competitividade é ainda mais evidente. Por isso, quem espera que sua empresa se mantenha sempre à frente deve aprender novas técnicas de gestão. E isso é totalmente possível para quem faz um MBA em varejo.

O profissional que se especializa descobre que o segredo do sucesso no comércio não está somente nos preços baixos e na qualidade dos produtos. É preciso ir além, adaptar-se às mudanças do mercado e aplicar novas estratégias aos processos. Quer ficar por dentro desse assunto, conhecer um pouco mais sobre a área do varejo e entender a importância do MBA nesse setor? Continue a leitura deste post!

A importância do MBA no mercado atual

Quem já está inserido no mercado de trabalho, mas busca ascensão na carreira, deve considerar um ponto essencial para o seu desenvolvimento: manter-se em aprendizado constante!

As vivências no ambiente profissional, as experiências adquiridas e os laços criados também contribuem para o crescimento. No entanto, uma pós-graduação é a chave para abrir novas portas, já que promove capacitação avançada e coloca o aluno no nível das atualizações de sua profissão.

O ramo de gestão e negócios, por exemplo, é um dos que mais passam por inovações, justamente pela necessidade de elaborar estratégias eficazes que melhorem os resultados da empresa, em termos de desenvolvimento humano, qualidade e produtividade.

Por essa razão, o cenário business exige profissionais cada vez mais qualificados e preparados para lidar com a equipe e com os processos gerenciais. Para ocupar posições de maior responsabilidade nesse meio, o candidato com formação em MBA apresenta um diferencial de grande relevância para as empresas.

O MBA, ou Master in Business Administration (Mestre em Administração e Negócios), é uma pós-graduação do tipo lato sensu, que confere ao aluno o título de especialista. A diferença desse formato para as outras especializações é que o MBA é focado na atuação prática e nas exigências atuais do mercado.

Outro ponto que difere o MBA da pós-graduação tradicional é o público-alvo, formado exclusivamente por pessoas que ocupam ou pretendem alcançar cargos de gestão e liderança. Trata-se de uma especialização mais aplicada às carreiras do âmbito corporativo e que hoje é vista pelo mercado como uma fonte indispensável de conhecimento para os executivos que querem se destacar nesse meio.

O varejo e suas possibilidades de trabalho

O que é o varejo, afinal? Trata-se de uma atividade econômica que sempre fez parte das interações que ocorrem em sociedade. Inclui negociação de mercadorias em todas as escalas. O setor varejista faz o intermédio entre fornecedores e compradores, ou seja, compra produtos em grandes quantidades nos distribuidores, ou atacadistas, e vende para o consumidor final, aquele que fará usufruto do item.

Então, o varejo, mais comumente conhecido como comércio, engloba as diversas atividades que fazem parte dos processos de compra e venda, com o propósito final de atender às necessidades do consumidor.

Todos que contribuem em alguma etapa desse processo podem ser considerados profissionais do varejo, desde os fabricantes e atacadistas até o gerente de vendas ou o vendedor que lida diretamente com o cliente. Sem dúvidas, são personagens de extrema relevância para o desenvolvimento econômico de uma sociedade capitalista.

Para continuar a contribuir com a evolução da economia e favorecer o crescimento do varejo, as empresas buscam profissionais qualificados, com know-how, experiência e competências direcionadas.

A procura é mais voltada por pessoas do segmento de Marketing, Economia, Engenharias, Administração e Logística. Para os cargos de gerência e diretoria, o MBA em varejo também é um atributo desejável, ou melhor, é praticamente um requisito obrigatório, pois, entre um candidato com MBA e outro apenas graduado, é certo que os recrutadores dão preferência ao primeiro.

As possibilidades de trabalho no mercado varejista não são poucas e não se restringem às ações exclusivas de compra e venda. As principais áreas de atuação no varejo incluem:

  • setor comercial;

  • finanças e contato com investidores;

  • logística;

  • recursos humanos;

  • marketing, publicidade e relacionamento com o cliente.

Os requisitos para trabalhar no setor varejista

Qualquer área de trabalho exige determinados requisitos para uma atuação mais eficiente. No varejo, não poderia ser diferente. Para trabalhar nesse ramo é necessário apresentar uma série de características que colaboram para a aplicação de estratégias comerciais e para o relacionamento com o público. Veja alguns exemplos de competências que não podem faltar ao profissional do setor varejista:

  • Visão abrangente;

  • Inovação e criatividade;

  • Empreendedorismo;

  • Comunicação clara;

  • Boa argumentação;

  • Facilidade de relacionamento interpessoal;

  • Pensamento estratégico;

  • Rapidez na tomada de decisões.

Além das habilidades comportamentais, é óbvio que uma carreira bem-sucedida nesse mercado exige formação sólida, com conhecimentos avançados na área de negócios e comércio. O varejo precisa de profissionais especializados para melhorar sua rentabilidade, uma vez que todo o nosso sistema econômico depende desse setor.

Nesse contexto, quem ganha espaço é o gestor de varejo, com sua preparação para atuar em transações comerciais, elaborar técnicas de vendas e desenvolver sua equipe para um excelente atendimento ao cliente. Além, é claro, de seus conhecimentos sobre comportamento de consumo, neuromarketing e outras ações que fazem parte da rotina desse profissional.

Então, para conquistar as vagas mais cobiçadas do mercado varejista, a formação ampla é um requisito fundamental. É certo que essa capacitação inclui cursos de pós-graduação, mais precisamente um MBA.

A qualificação do profissional com MBA em Varejo

Por que o MBA em varejo pode fazer diferença na sua carreira? Esse aprendizado especializa o profissional para atuar na gestão do ramo varejista com visão estratégica, de modo a promover a expansão dos negócios, garantir vantagem competitiva e aumentar a lucratividade das empresas.

O MBA em Gestão Estratégica de Varejo tem o objetivo de aperfeiçoar as técnicas do aluno, além de favorecer seu desenvolvimento por meio das experiências e informações compartilhadas com outros profissionais do mesmo ramo, tanto em sala de aula quanto na participação em eventos e congressos da área.

Durante as 360 horas do curso, o conhecimento acumulado é evidente, assim como o aprimoramento de habilidades e competências. Veja alguns dos conteúdos abordados no MBA em varejo:

  • Análise em Varejo;

  • Marketing Varejista;

  • Vendas e Atendimento;

  • Varejo online;

  • Logística e Operações;

  • Inteligência Competitiva;

  • Gestão Financeira;

  • Liderança e Competências Gerenciais.

O MBA em varejo é um passo certeiro na direção do sucesso no universo corporativo. Se você consegue se visualizar como um gestor no setor varejista — um gerente de compras, supervisor de vendas, gerente de operações, entre outros cargos —, esse curso é ideal para a concretização do seu plano de carreira.

Então, não espere mais! Entre em contato com a UCL e saiba tudo sobre esse curso. Aproveite e informe-se também sobre nossas outras opções de graduação e pós-graduação e dê um up na sua carreira!