Pensa em cursar Engenharia de Computação? Veja se é para você!

A carreira de Engenharia sempre foi muito respeitada e valorizada no mercado de trabalho. Acontece que depois de tantos anos, essa grande área se dividiu em várias vertentes que estudam conhecimentos específicos. Neste post, vamos falar da Engenharia de Computação, suas características e oportunidades.

Buscar conhecer o seu curso de interesse antes de começar a faculdade é a melhor coisa que qualquer estudante pode fazer. Afinal, essa é uma decisão importante e que precisa ser baseada em informações reais para que seja acertada.

Então, se você é uma das pessoas que querem conhecer um pouco mais do que faz um engenheiro de computação, não deixe de conferir este post!

Como é o curso de Engenharia de Computação?

A primeira etapa para se tornar um engenheiro da computação é justamente entrar no curso para iniciar os estudos. Normalmente, essa é uma graduação que dura em torno de 5 anos — ou 10 semestres —, e tem como objetivo oferecer todo o suporte necessário na preparação do profissional para o mercado de trabalho.

Assim, a identificação do estudante deve começar nas disciplinas ofertadas na faculdade, pois todo esse tempo dedicado aos estudos vai exigir a interação com cada assunto e o desenvolvimento de competências comuns à área. É claro que a preferência por algumas matérias acontece, ao mesmo tempo em que existem tópicos que precisam ser vistos por obrigação (e sem tanta paixão).

O que importa é que a grade curricular como um todo seja interessante e atraente, o que vai facilitar bastante a dedicação durante a vida acadêmica e profissional. Por isso, reunimos aqui as principais disciplinas da Engenharia de Computação, confira:

  • Cálculo;

  • Lógica e Programação;

  • Probabilidade e Estatística;

  • Álgebra;

  • Química;

  • Circuitos Elétricos;

  • Sistemas Digitais;

  • Programação;

  • Arquitetura de Computadores;

  • Teoria da Computação;

  • Engenharia de Software;

  • Banco de Dados;

  • Sistemas Operacionais;

  • Teoria de Redes;

  • Controle de Sistemas.

Embora cada instituição de ensino tenha certa liberdade para estruturar sua matriz curricular, esses são alguns dos tópicos mais comuns no curso. Podemos perceber claramente que se trata de uma formação das Ciências Exatas, o que geralmente demanda que o aluno tenha facilidade para lidar com números e bom raciocínio lógico.

As atividades são desenvolvidas de forma gradual, primeiro com a intenção de formar uma base para que o estudante consiga compreender os temas mais avançados. Nessa parte, as matérias predominantes são Matemática, Química e Física. Depois, os conteúdos específicos do universo da computação tomam conta.

Para conquistar o diploma, as faculdades costumam exigir a produção de um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), a comprovação de horas dedicadas a atividades complementares e a realização do estágio supervisionado. Tudo isso contribui para o desenvolvimento profissional do estudante, e não apenas acadêmico.

Qual o perfil do estudante do curso?

Além de conferir a grade curricular do curso, outra curiosidade comum entre as pessoas com interesse em seguir uma determinada profissão é conhecer o perfil do estudante ou futuro profissional da área.

Contudo, é importante tomar um cuidado nesse momento: saber quais são as características de um engenheiro não quer dizer que você precisa identificá-las de imediato na sua personalidade. Muitas habilidades são construídas ao longo do tempo, especialmente durante a faculdade, e não é necessário viver essa cobrança de já entrar no curso preparado.

Assim como os conhecimentos são adquiridos aos poucos, tais características podem ser aprimoradas — e conhecê-las com antecedência ajuda a ter um plano de desenvolvimento mais focado, concorda? Então, aproveite para descobrir os traços típicos de um engenheiro da computação.

Afinidade com números

Esse é um dos atributos mais esperados para um engenheiro ou qualquer pessoa que escolha fazer um curso de Exatas — já que dentre todas as diferenças que eles possuem, a presença de números e cálculos é praticamente uma certeza.

Logo, é preciso estar disposto a passar por isso com tranquilidade, sabendo que em muitos momentos será preciso “quebrar a cabeça” com algarismos, fórmulas e tudo que faz parte desse universo. Muita gente já nasce com essa facilidade, mas, se esse não é o seu caso, não se desespere: tudo vai se resolver com uma boa dose de esforço.

Domínio de idiomas

Antes de pensar em trabalhar em uma multinacional ou até mesmo em uma empresa fora do país, você deve considerar o aprendizado de um segundo idioma para conseguir acompanhar o mercado da Engenharia.

Como grande parte das tecnologias são produzidas fora do Brasil, o domínio de uma língua estrangeira se faz indispensável — principalmente do inglês, que é considerado um meio de comunicação universal. Ter esse diferencial também será relevante para conquistar boas vagas no mercado de trabalho.

Se a língua inglesa já for uma habilidade dominada, vale a pena se dedicar a outro idioma. Assim, você pode aproveitar a chance de trabalhar em uma multinacional que envia seus funcionários para filiais em diferentes partes do mundo, por exemplo.

Capacidade de gestão e de trabalhar em equipe

Se engana quem pensa que um engenheiro de computação vai passar a vida atrás de uma tela de computador, resolvendo questões e sem ter que interagir com ninguém. A primeira parte do pensamento pode até ser verdade, pois é bem provável que o contato com a tecnologia esteja presente no seu dia a dia, mas não a segunda.

É comum que esse tipo de profissional trabalhe em equipe e faça parte de projetos em grupo. Isso envolve ter que conviver e cooperar com outras pessoas, sendo elas do mesmo segmento ou de áreas complementares. Para tanto, uma boa comunicação e habilidades comportamentais, como empatia ou resiliência, são essenciais.

Aqueles que desejam ocupar cargos mais privilegiados devem investir no desenvolvimento da sua capacidade de gestão e liderança, que vão torná-lo apto para comandar um time de trabalho. Aliás, essa é uma ótima sugestão de especialização.

Disposição para aprender continuamente

Essa é uma característica que podemos classificar como fundamental para o profissional de qualquer área. Vivemos hoje em um mundo que está em constante transformação e onde tudo acontece muito rápido. Sendo assim, a disposição para acompanhar toda essa evolução é uma exigência para quem não quer ficar desatualizado.

Não existe mais a possibilidade de ficar estagnado, até porque essa é uma atitude que coloca a sua carreira em risco. A internet facilitou o acesso à informação e a concorrência pode ser cruel com aqueles que não se dispuserem a aprender continuamente, fazer cursos, buscar informações etc.

Interesse por tecnologia

Para completar o perfil básico de um engenheiro de computação, não podia faltar o seu interesse por tecnologia. Esse, inclusive, pode ser o ponto de partida para despertar a vontade de seguir a carreira da Engenharia. De fato, o setor é muito dinâmico e acaba atraindo milhares de pessoas, mas exige envolvimento constante para acompanhar as tendências.

Quais as diferenças entre Engenharia de Computação e Engenharia de Software?

Já falamos que a Engenharia tem várias subdivisões e que isso é capaz de deixar qualquer estudante confuso, não é mesmo? Se ter uma grande variedade de alternativas facilita que você encontre aquela que mais combina com o seu perfil, por outro lado essa diversidade pode causar algumas dúvidas.

Uma delas é sobre as diferenças entre a Engenharia de Computação e a Engenharia de Software, que a princípio parecem áreas bem semelhantes. Ambas são ligadas à informática e, para escolher entre elas, é bom pesquisar quais são as suas diferenças.

Nesse caso, podemos adiantar que o foco dos dois cursos é distinto. Enquanto o aluno de Software se dedica ao aprendizado da programação desses sistemas e de todos os detalhes que isso pode envolver, os estudantes de Computação aprendem sobre software e outros temas, como microcontroladores, microprocessadores, circuitos, internet das coisas etc. Ou seja, é uma opção mais abrangente, embora muitas disciplinas sejam semelhantes ou parecidas.

E qual a diferença entre um cientista e um engenheiro da computação?

Outra dúvida com a qual um estudante interessado em computação pode se deparar durante o processo de definir uma graduação é diferenciar os cursos de Engenharia e Ciência da Computação. Como até os nomes são parecidos, é natural que qualquer pessoa fique confusa.

Na prática, enquanto os engenheiros ficam focados nos sistemas computacionais, os cientistas exploram mais a parte de programação (assim como os engenheiros de software) e de banco de dados. Quem opta pela Ciência da Computação tende a estudar mais os fundamentos teóricos dessa área, como algoritmos e modelos matemáticos que possam ter uma aplicação no mercado.

Uma dica para quem está incerto a respeito de formações semelhantes é conversar com profissionais de cada uma das suas áreas de interesse — ou até mesmo com alunos que estão cursando a faculdade (de preferência aqueles que já estão um pouco mais avançados nos estudos). Essa é uma boa forma de ter um contato mais próximo com a profissão e descobrir as suas particularidades.

Como é o mercado de trabalho para os profissionais?

Completando as informações, vamos falar de um aspecto muito importante para quem está decidindo uma carreira: o mercado de trabalho. Conhecer as perspectivas da profissão é algo que pode influenciar significativamente a escolha de alguém. Afinal, sabemos que a vocação é um fator crucial, mas que a maioria das pessoas precisa pensar no futuro e analisar quais são as oportunidades que cada área oferece.

A boa notícia para aqueles que estão interessados na Engenharia de Computação é que o mercado é aquecido e vários setores demandam esse tipo de profissional. Como a tecnologia evoluiu muito, praticamente todas as vertentes da indústria necessitam de trabalhadores que dominem seus recursos. Isso inclui empresas automobilísticas, farmacêuticas, alimentícias, petrolíferas, de telecomunicações, entre várias outras.

Até o mercado financeiro costuma contratar engenheiros para cuidar de sistemas internos e banco de dados. O comércio eletrônico é outro campo atrativo, já que milhares de transações comerciais hoje são realizadas pela internet e é preciso construir um suporte para que isso seja possível.

Além da oferta de empregos formais, outro caminho para o profissional é empreender. É possível ter o seu próprio negócio para prestar consultoria especializada e trabalhar como autônomo, ou ainda abrir uma empresa para operar nesse mercado. Ambas as situações podem ser uma forma de diversificar as fontes de renda e conquistar uma remuneração maior ao longo do tempo.

Falando em salário, segundo o Guia de Profissões e Salários da Catho, a média salarial de um engenheiro da computação no Brasil é de R$4.005,96. Porém, o valor pode variar bastante de acordo com fatores como cargo, região, empresa contratante, tempo de carreira, entre outros.

Quais são as áreas de atuação para o engenheiro de computação?

Como já dissemos, o engenheiro de computação tem um vasto campo de atuação, principalmente porque esse é um tipo de tecnologia utilizado em muitos setores — o que valoriza a formação do profissional.

Separamos algumas das possibilidades a seguir para que você conheça um pouco mais desse mercado de trabalho.

Gerenciamento de sistemas

Podemos dizer que grande parte das empresas hoje precisa contar com uma rede de computadores para viabilizar suas operações e, possivelmente, com um sistema interno para automatizar as tarefas e facilitar processos.

Diante disso, o profissional da computação pode ser responsável por cuidar e gerenciar toda essa parte para garantir que a equipe possa realizar seu trabalho.

Desenvolvimento de equipamentos

Outra chance é atuar na parte de hardware, participando do desenvolvimento de equipamentos e/ou da etapa de produção de máquinas tecnológicas que exigem um conhecimento especializado. Essa é uma área muito procurada pelos engenheiros que seguem um perfil de cientista e gostam de projetar, construir e testar objetos diferentes.

Desenvolvimento de programas

Embora não seja exatamente o foco dessa graduação, não dá para negar que uma pessoa formada em Engenharia da Computação é capaz de desenvolver programas para computadores e outros dispositivos eletrônicos. 

Enquanto alguns estudantes preferem a vertente do hardware, há quem goste mais de trabalhar com softwares. Nesse caso, as oportunidades costumam ser voltadas para o desenvolvimento de sistemas operacionais, aplicativos, jogos, plataformas virtuais e afins. Raciocínio lógico e criatividade são duas características relevantes nesse segmento.

Suporte técnico

Uma das capacidades comuns aos engenheiros é solucionar problemas sobre aquilo que eles dominam. Por isso, não é difícil que sejam alocados para cargos de manutenção e suporte para ajudar a manter tudo em pleno funcionamento.

Vendas e marketing

Quem não está por dentro do mercado pode não saber, mas os engenheiros frequentemente se destacam nos setores de marketing e comercial — sobretudo aqueles que têm uma boa comunicação e gostam de negociar. Nesse sentido, o conhecimento técnico é um diferencial que outros profissionais não possuem, o que ajuda nas vendas e colabora com o sucesso das empresas.

Os cargos administrativos também podem ser ocupados por profissionais da Engenharia. Isso geralmente acontece com pessoas que investem em uma especialização em gestão e áreas correlatas.

Carreira acadêmica

Em qualquer profissão, a carreira acadêmica é um caminho que pode ser seguido. No entanto, para ser um docente de nível superior é preciso investir em especializações stricto sensu, como os mestrados e doutorados.

Vale lembrar que, independentemente da área de atuação, todo engenheiro precisa ser registrado no CREA (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia) para exercer sua profissão legalmente no nosso país. Aqueles que desempenham atividades técnicas precisam do registro, o que não é uma exigência para a classe de professores.

Como escolher uma boa instituição de ensino para fazer o curso de Engenharia de Computação?

Para finalizar as dicas e ajudar quem está disposto a se formar como um engenheiro de computação, vamos passar para a parte prática. Não é novidade para ninguém que um ensino de qualidade faz toda a diferença na formação do estudante e no seu preparo para enfrentar o mercado de trabalho, certo?

Por conta disso, a escolha da instituição de ensino deve ser feita com muita cautela para começar a construir a sua carreira da melhor forma, garantindo uma instrução diferenciada e um nome de peso para agregar ao currículo. Confira quais são as nossas sugestões para não errar nessa hora.

Conheça a estrutura oferecida

Uma das primeiras preocupações é conhecer como é a faculdade, não é mesmo? Afinal, esse é o lugar que você passará boa parte do seu tempo nos próximos anos. Sendo assim, uma visita ao campus é uma ótima forma de ver de perto como são as dependências da instituição.

Fique de olho, por exemplo, nos laboratórios e equipamentos, já que uma graduação de Engenharia normalmente exige essa infraestrutura tecnológica para dar suporte ao processo de aprendizagem.

Mesmo que a sua opção for por um curso a distância, tente conhecer o espaço físico que funciona como polo de apoio do aluno e a ferramenta online que vai ser utilizada como plataforma de estudo.

Além da estrutura física ou virtual, busque se informar sobre as oportunidades oferecidas pela instituição. Convênios com empresas para estágio e parcerias com outras faculdades no mundo para intercâmbios culturais são exemplos de diferenciais interessantes.

Pesquise sobre a credibilidade da instituição

Outro detalhe que não pode passar despercebido na sua análise é a credibilidade da instituição de ensino. Se quiser um diploma reconhecido e válido em todo o país, é necessário que a faculdade e o curso sejam credenciados pelo Ministério da Educação (MEC).

Inclusive, o próprio órgão divulga índices de avaliação para os dois, o que pode ser uma ótima referência se você não conhece nenhum ex-aluno para obter informações. De toda forma, na internet é possível conseguir algumas opiniões para auxiliar na sua escolha. O nível de empregabilidade dos estudantes do curso é uma boa sugestão de pesquisa.

Verifique a grade curricular do curso

Já falamos da importância de examinar a grade curricular do curso, mas não custa reforçar por que vale a pena fazer isso. Como as matérias oferecidas podem variar entre as instituições, pode ser que um curso seja mais agradável para o seu perfil do que outros que têm um foco um pouco diferente.

Assim, verifique todas as disciplinas para saber de antemão o que será estudado e não criar falsas expectativas, aproveitando para conferir quais são as regras da instituição para que um aluno conclua a formação.

Procure saber o nível do corpo docente

Além de uma infraestrutura de qualidade e de um planejamento curricular interessante, não podemos esquecer que o nível do corpo docente é mais um aspecto importante. Afinal, poder contar com profissionais experientes e dedicados favorece a dinâmica de ensino.

Portanto, não há nenhum problema em procurar saber quem são os professores e coordenadores do curso — e essa é uma informação que pode ser conseguida com a própria instituição, além de ferramentas como a Plataforma Lattes.

Enfim, fazer essa pesquisa prévia vai aumentar as chances de você tomar uma decisão acertada, escolhendo um curso e uma faculdade que atendam às suas expectativas.

Que opções de especialização o engenheiro encontra no mercado de ensino?

Para finalizar, vamos deixar algumas sugestões de especialização que o engenheiro pode optar após concluir sua graduação. Vale reforçar que escolher uma área de interesse e apostar na educação continuada será importante para abrir portas no mercado de trabalho.

Quem quiser focar em software deve encontrar várias opções de cursos, inclusive alguns direcionados para segmentos específicos — como jogos, sistemas e até aplicativos educacionais.

Outra oportunidade é especializar-se em Segurança da Informação, uma área que vem crescendo em todo o mundo. O objetivo é preparar alunos para atuarem como protetores de dados e informações dentro das mais diversas organizações.

Para completar as recomendações, existem os campos de gestão, automação, telecomunicações, microeletrônica e novas tecnologias (como inteligência artificial). A dica para definir uma especialização é pesquisar sobre diferentes áreas e procurar ter contato com cada uma delas para identificar a melhor alternativa para o seu perfil.

Agora já podemos dizer que você está bem informado sobre o curso de Engenharia de Computação, não é verdade? Tomara que todas essas informações sirvam como motivação para você iniciar a sua trajetória profissional escolhendo uma formação de qualidade e nunca perder a vontade de continuar se desenvolvendo mais e mais!

Que tal conferir outros detalhes da graduação da UCL? Entre no nosso site para tirar todas as dúvidas e faça sua inscrição para se tornar o mais novo futuro engenheiro!

Dia Internacional da Mulher

No dia em que comemoramos o Dia Internacional da Mulher, constatamos que, desde a década de 70, as mulheres vêm conquistando um espaço maior no Mercado de Trabalho.

Com qualidades ímpares, como capacidade de trabalho em equipe, persuasão e cooperação, dentre outras, as mulheres se destacam e imprimem sua marca em um Mercado dominado, até então, pelos homens.

Um fenômeno sem fronteiras e constatado por inúmeras pesquisas é que o número de mulheres na liderança das organizações vem crescendo exponencialmente.

“No Brasil, as mulheres são 41% da força de trabalho, mas ocupam somente 24% dos cargos de gerência. O balanço anual da Gazeta Mercantil revela que a parcela de mulheres nos cargos executivos das 300 maiores empresas brasileiras subiu de 8%, em 1990, para 13%, em 2000. No geral, entretanto, as mulheres brasileiras recebem, em média, o correspondente a 71% do salário dos homens.“

De acordo com o IBGE, a projeção para 2020 do número de mulheres é de 51,11%, contra 48,89% de homens. Além de serem maior quantidade, elas obtêm os empregos com maior facilidade do que os homens e, da mesma forma, seus rendimentos crescem mais rápido. Assim, elas vão conseguindo, cada vez mais, uma posição de destaque.

O desafio delas é ainda maior, pois, além da jornada de trabalho, em geral, elas são responsáveis pela jornada doméstica e cuidam da casa e dos filhos com maior afinco do que os homens. Ainda assim, elas viram sua participação no mercado aumentar, bem como sua escolaridade e sua renda e, em breve, serão em maior número na força de trabalho mundial.

Segundo Mariana Deperon, sócia-fundadora da Tree Diversidade, “os líderes possuem uma tarefa importante: a de escutar e apoiar os programas e movimentos em prol da gualdade de gênero, de forma genuína, inclusive por meio de suporte a ações efetivas que coíbam desigualdades, preconceitos e práticas ilegais, como o assédio sexual.”

O desafio para elas nunca foi motivo para desistirem e, ao contrário, elas vão em frente, conquistam seu espaço no mercado de trabalho e ainda são donas de casa, mães, esposas, guerreiras e felizes.

É por tudo isso que comemoramos, nesta data, todas as suas conquistas. Esse dia também serve como momento de reflexão sobre a sua importância na vida das pessoas e no progresso da humanidade. Dia 08 de março, dia Internacional da Mulher.

Trabalho voluntário e carreira: como essa relação pode ser benéfica?

Trabalho voluntário e carreira são duas coisas que combinam bastante. As pessoas que já viveram a experiência do voluntariado podem comprovar isso, tanto que normalmente incentivam muito esse tipo de prática. A verdade é que doar o seu tempo para alguém ou para uma causa é uma atitude que deve ser feita de forma espontânea e verdadeira.

Contudo, não é um problema considerar as vantagens que isso pode gerar para a sua vida profissional, não é mesmo? Até porque a nossa evolução como ser humano impacta na pessoa que somos no ambiente de trabalho.

Quer saber um pouco mais sobre esse assunto? Acompanhe a leitura e aproveite para refletir!

Quais são os benefícios do trabalho voluntário para a carreira?

Antes de mais nada, vamos considerar o que é um trabalho voluntário. De forma simples, podemos entender uma ação voluntária como uma atividade de caráter social que é feita sem haver uma contrapartida financeira.

Ou seja, uma pessoa que trabalha em um asilo ou qualquer instituição de caridade está fazendo um bem para a sociedade, mas não é um trabalho voluntário se ela recebe uma remuneração por isso. Ao mesmo tempo, essa pessoa pode dedicar parte do seu tempo livre para apoiar um outro projeto por livre e espontânea vontade, o que a caracteriza como voluntária.

A intenção de participar de uma iniciativa como essa é contribuir para que os propósitos do projeto ou da instituição sejam cumpridos. Ao mesmo tempo, essa é uma grande chance do voluntário favorecer a sua própria formação. Veja a seguir quais são os principais benefícios envolvidos.

Conhecer outras culturas e realidades

Sair da sua zona de conforto não é uma atitude fácil, mas necessária para promover o seu crescimento como pessoa. Ao se deparar com realidades distintas da sua, a pessoa aprende a ser mais sensível, compreensiva e adaptável.

O mais surpreendente é que não é necessário sair do país para viver essa experiência, embora os voluntariados internacionais também sejam muito interessantes e proveitosos. A questão é direcionar a nossa atenção para um lugar diferente, seja um país distante ou um bairro da nossa própria cidade. Em sua maioria, são pessoas que passam por dificuldades no dia a dia e têm muito a nos ensinar nas coisas simples da vida.

Desenvolver novas habilidades

O voluntariado deve exigir que alguma atividade seja desempenhada, afinal, estamos falando da realização de um trabalho sério e que demanda comprometimento. Logo, a ocasião não deixa de ser propícia para aprimorar habilidades que você já possui ou que vai desenvolver do zero.

Por exemplo, existem pessoas que se dispõem a dar aulas sobre assuntos que dominam, enquanto outras não têm a mínima ideia de como construir uma casa e, de repente, se veem como ajudantes de obra. Além dessas competências específicas, outras costumam ser desenvolvidas: comunicação, empatia, proatividade, liderança, etc. 

Expandir o networking

Fazer amizades e construir novos relacionamentos nada mais é do que expandir o seu networking. Talvez você não pense nisso de imediato, mas todo encontro é uma oportunidade de troca. No caso do trabalho voluntário, é comum ter que se relacionar com várias pessoas, desde aquelas que estão participando da mesma vivência até os organizadores do programa. Nunca dispense nenhum contato!

Motivar a criatividade e o espírito colaborador

Quem participa de um voluntariado tende a expandir a sua mente e a se sentir mais motivado para colocar suas ideias em prática. É como se essa experiência despertasse a vontade de fazer mais coisas e ajudar mais pessoas. Tanto que a maioria dos voluntários continua seguindo esse caminho, ainda que nem sempre nos mesmos projetos.

Esse é um benefício que favorece tanto o espírito de colaboração quanto a criatividade e a vocação empreendedora. Inclusive, muitos negócios nascem no contexto do trabalho voluntário e da identificação de necessidades no mercado.

Enfim, esses são apenas alguns exemplos dos benefícios gerados e que se relacionam com a carreira — até porque, no fim das contas, todo profissional é um ser humano em construção. Aqueles que buscam pelo desenvolvimento acumulam pontos a seu favor e o voluntariado é uma das formas de fazer isso.

Quais tipos de trabalho você pode contribuir?

A motivação é a parte mais importante desse processo, visto que não faltam oportunidades para colocar essa ideia em prática. Projetos sociais no mundo inteiro precisam de voluntários e buscam esse tipo de contribuição, o que você precisa fazer é apenas encontrar aquele que mais combine com o seu perfil e objetivos.

Se preferir, escolha uma atividade que tem mais a ver com a sua carreira, pois a relação deve ser mais direta na hora de conseguir experiência profissional e montar o seu currículo. De toda forma, tente não desconsiderar nenhuma chance, pois cada uma delas tem algo a oferecer.

Com uma pesquisa na internet é possível encontrar várias possibilidades em ONGs, associações e instituições diversas. Vale também procurar ao seu redor, buscando na sua cidade ou região por projetos que não são tão divulgados na mídia.

Para ter uma ideia das ações mais praticadas, dentre elas podemos encontrar: construir moradias para populações carentes, ajudar na educação de crianças e adolescentes, cuidar de pessoas doentes, fazer turismo social, auxiliar comunidades vítimas de desastres naturais, entre outras.

Como destacar o voluntariado em seu currículo?

Por fim, vamos esclarecer como o trabalho voluntário pode ser sinalizado no seu currículo. O ideal é que isso seja feito de forma sutil, mas que não deixe de ser citado para que o recrutador saiba que você é uma pessoa que se interessa por esse tipo de ação.

Então, a dica é adicionar um tópico de atividades complementares para listar que tipos de experiências você tem além dos empregos anteriores e da sua formação acadêmica. Ao falar do voluntariado, descreva as funções que você desempenhou e de quais projetos participou durante determinado tempo.

Viu só como trabalho voluntário e carreira têm tudo a ver? O importante é que a sua contribuição seja feita de coração, mas nada impede que você aproveite os seus benefícios para aumentar as suas chances de conseguir uma boa oportunidade no mercado. Quem não quer contratar uma pessoa sensível e comprometida com a sociedade, não é mesmo? Porém, não deixe de se preocupar com a sua formação técnica também!

Se ainda tem dúvidas de como construir um currículo, aproveite para conferir nosso post que oferece um passo a passo completo para montar a sua apresentação profissional!

Como estudar nas férias? Confira nossas dicas!

Todo mundo merece um pouco de descanso, não é mesmo? Tanto a rotina de estudos quanto a de trabalho são capazes de deixar qualquer pessoa cansada ao longo do ano. Porém, os momentos de folga também podem ser aproveitados para aprender e estudar nas férias, o que não é uma ideia tão ruim assim.

O segredo é saber organizar o seu tempo para conciliar as duas coisas e não acabar ainda mais esgotado. Você está pensando em dar um gás nos estudos nesse período? Acompanhe as nossas dicas para cumprir essa missão com sucesso!

5 dicas para estudar nas férias sem deixar de aproveitar

Estar de férias normalmente é sinônimo de ter mais tempo livre, pois somos dispensados dos compromissos diários com a escola ou com o trabalho. Isso significa que dá para encaixar outras atividades na rotina, sem contar que dá para estender as horas de sono e, quem sabe, até tirar um cochilo durante o dia.

Na verdade, cada pessoa tem as suas preferências para descansar e também se divertir. Enquanto alguns preferem ficar em casa para assistir séries no modelo “maratona”, outros gostam mais de sair ou viajar, por exemplo. Então, o ideal é conseguir aproveitar ao máximo sem necessariamente deixar os estudos de lado. Será mesmo que isso é possível? Veja quais são as nossas sugestões!

1. Pense em uma programação

Não deixe que as suas férias sejam jogadas ao acaso, sem qualquer tipo de plano. Embora haja quem não goste de ter uma vida muito planejada, a organização do seu tempo será importante para conciliar estudo, diversão e descanso. Portanto, vale a pena pensar em uma programação que equilibre esses três fatores de uma forma agradável.

A ideia é criar uma espécie de agenda com tudo o que você pretende fazer durante a sua folga: assistir determinado filme, visitar um amigo, ler um livro que está parado há tempos, aprender uma nova habilidade, fazer programas familiares, enfim, o que quiser. Distribua as suas horas considerando ainda os compromissos habituais (tipo ir ao dentista ou fazer um exercício físico) para perceber qual será o tempo disponível para estudar sem ficar sobrecarregado.

Você pode definir que estudará por duas horas todas as manhãs para ficar com as tardes e noites livres. Ou talvez prefira se dedicar por uma tarde inteira três vezes na semana. Encontre o seu ponto de equilíbrio e crie metas realistas para cumprir.

2. Revise os assuntos complexos

Na época das aulas, os dias costumam ser mais corridos e isso pode dificultar a dedicação para um assunto que você considera complexo — o que também é algo muito pessoal. Sendo assim, aproveite esse momento “relax” para se concentrar em temas que oferecem maior grau de dificuldade.

Parece chato estudar algo que você não se identifica tanto justamente nas férias, não é verdade? Mas pense diferente: é bom aproveitar a mente descansada para encarar esse desafio.

Sem pressa, retome os conteúdos e se esforce para compreendê-los. Leia com calma, busque materiais complementares e tente se livrar de todas as adversidades. Essa pode ser a melhor oportunidade de aumentar o seu rendimento e resolver pendências para não prejudicar os seus resultados no futuro.

3. Cuide do seu sono

Pode até ser que você não seja grande fã de ficar horas a mais na cama, porém, tenha a certeza de que dormir bem é um critério fundamental para o seu desempenho. Acontece que, no dia a dia nem sempre conseguimos descansar tão bem, seja pelas preocupações naturais do cotidiano, seja pelas inúmeras tarefas acumuladas.

Aliás, quem nunca virou uma madrugada para estudar para uma prova no dia seguinte? O problema é deixar que isso vire um hábito capaz de afetar o seu bem-estar e, consequentemente, a sua produtividade.

Já que as férias chegaram, coloque o seu sono em dia para realmente ter a sensação de que está descansando o corpo e a cabeça. Evite exageros até mesmo quando estiver se divertindo, para depois conseguir voltar à rotina com a energia revigorada.

4. Consuma conteúdos interessantes

Uma ótima dica para conciliar estudo e diversão é procurar alternativas de aprendizado. Ou seja, não é necessário ficar o dia todo debruçado sobre um livro para aprender algo, pois existem conteúdos ricos que são produzidos de outras formas.

Três exemplos disso são filmes, séries e documentários. Esse tipo de entretenimento pode ser muito interessante e enriquecedor, basta escolher as temáticas certas. É possível ainda estudar pela internet, assistindo videoaulas ou visitando sites especializados no seu objeto de estudo.

Aplicativos para celular também fazem companhia em momentos de espera ou pequenos intervalos, mais uma forma de aprender nas horas vagas. Quem está focado em dominar um idioma estrangeiro, por exemplo, tem uma grande variedade de opções para escolher.

Que tal programar visitas a museus, feiras ou exposições? Eventos da sua área de interesse são boas ocasiões inclusive para expandir o networking. A intenção é variar os estímulos e as fontes de conteúdo, fugindo dos modos tradicionais que já são explorados durante a época de aula.

5. Valorize o tempo de lazer

Por último, não cometa o erro de estudar ou dormir demais durantes as suas férias. Como já foi dito, o segredo é organizar o seu tempo e equilibrar as atividades. De nada adianta ficar insatisfeito por não ter aproveitado o suficiente seu período de folga. De fato, a organização será sua maior aliada para curtir tudo o que quiser e cumprir com o cronograma de estudos.

Então, quando estiver se divertindo, tente distrair a mente e usufruir de todas as oportunidades. Da mesma forma, fique focado nas horas que reservar para estudar, já que ser eficiente vai garantir que os seus planos não sejam prejudicados. Valorize cada momento e não se esqueça das responsabilidades que fazem parte da busca por um futuro de sucesso!

Viu só como estudar nas férias não é uma missão impossível? Considere todas as dicas que listamos aqui para começar a pensar no recesso e montar a sua programação!

Se você gostou do post e quer continuar conferindo outras publicações como esta, siga os nossos perfis nas redes sociais. Fica bem mais fácil acompanhar tudo pelo Instagram e Facebook!

Invista na pós-graduação em Engenharia de Petróleo e Gás Natural

Você sabia que a área de Engenharia de Petróleo e Gás Natural conta com um mercado atraente e com boas taxas de empregabilidade? Para os engenheiros em atuação, ou futuros profissionais do ramo, essa é uma opção de carreira que merece atenção.

Preparamos este post para que você entenda como é o curso de pós-graduação e quais as possíveis áreas de atuação para o engenheiro de petróleo e gás natural. Leia com atenção e coloque mais esse item na sua lista de objetivos profissionais!

Afinal, o que é estudado na pós-graduação em Engenharia de Petróleo e Gás Natural? 

O curso de especialização capacita os profissionais a desenvolverem suas atividades como engenheiros no mercado de óleo e gás. A demanda de investimentos nesse setor tem sido crescente, o que garante boas possibilidades de carreira para os interessados em aprofundar seu conhecimento na área.

A pós-graduação é do tipo especialização lato sensu e confere ao aluno o título de especialista em Engenharia de Petróleo e Gás Natural. A carga horária total do curso é de 360 horas e corresponde a 18 meses de estudos aplicados.

Essa especialização é destinada tanto aos que fizeram graduação em Engenharia de Petróleo quanto aos engenheiros de outras áreas. Profissionais de Física, Matemática, Química e Geologia também fazem parte do público-alvo do curso.

A grade curricular da pós-graduação é dividida em 4 módulos, compostos pelas seguintes disciplinas:

  • Introdução à Engenharia de Petróleo e Gás Natural;
  • Geofísica e Geologia do Petróleo e Gás Natural;
  • Fenômenos de Transporte Aplicados à Engenharia de Petróleo e Gás Natural;
  • Engenharia de Reservatório I e II;
  • Engenharia de Poço I e II;
  • Engenharia de Produção I e II;
  • Engenharia de Gás Natural I e II;
  • Gestão de SMS;
  • Análise Empresarial de Projetos de Investimento;
  • Metodologia de Pesquisa Científica.

Depois do contato com os conteúdos abordados, para concluir a pós-graduação o aluno deve desenvolver um Trabalho Final de Curso.

Qual o cenário do mercado de trabalho para essa área?

Os profissionais da área de Engenharia de Petróleo e Gás Natural contam com altas taxas de empregabilidade. As oportunidades de trabalho são encontradas tanto no setor público quanto em organizações de iniciativa privada, em empresas petrolíferas, refinarias e indústrias petroquímicas.

O mercado é aquecido, considerando que o Brasil tem o petróleo como um dos pontos fortes da economia nacional. Apesar da demanda crescente, ainda há poucos profissionais com especialização na área, o que coloca os pós-graduados em um patamar elevado de qualificação.

A exploração de petróleo em toda a costa brasileira e as atividades voltadas aos reservatórios de pré-sal colocam o engenheiro desse ramo em uma posição bastante requisitada, sobretudo na região sudeste. Além do setor petrolífero, o profissional também pode atuar no desenvolvimento de biocombustíveis, com foco em soluções que garantam sustentabilidade.

No mercado nacional, o pós-graduado em Engenharia de Petróleo e Gás Natural já encontra boas oportunidades, e com remuneração atraente. Mas também é possível pensar nas chances de carreira internacional, visto que empresas multinacionais do ramo petroquímico estão sempre à procura de profissionais com alta qualificação.

Quais são as possibilidades de atuação?               

O engenheiro de petróleo pode atuar em várias etapas das atividades desenvolvidas por empresas do ramo: desde a descoberta e exploração de novos poços e jazidas de petróleo e gás até a comercialização e o transporte dos produtos.

Conheça as principais áreas de atuação para o pós-graduado em Engenharia de Petróleo e Gás Natural!

Procura de reservatórios

Uma das possibilidades para o engenheiro de petróleo inclui o planejamento para fazer a descoberta de novos reservatórios de gás natural e jazidas de petróleo. Para isso, o profissional avalia as características físicas dos locais a serem explorados e os recursos disponíveis.

Exploração de petróleo

O engenheiro que atua diretamente na exploração de petróleo e gás deve ter sólido conhecimento técnico para definir como a perfuração pode ser feita — sem oferecer riscos ao ambiente e prejuízos financeiros à empresa.

Consultoria

O pós-graduado ainda pode trabalhar sem vínculos empregatícios e atuar como consultor especialista, prestando serviços para empresas ambientais e do ramo petrolífero. As consultorias são feitas para avaliar os riscos das atividades de exploração dos recursos naturais, além de outras questões pertinentes à função.

Desenvolvimento de equipamentos

Desenvolver e supervisionar a produção de novos equipamentos também é uma das atividades possíveis para o engenheiro de petróleo e gás. As máquinas e instrumentos projetados são utilizados em indústrias petroquímicas, refinarias e plataformas marítimas.

Comercialização, transporte e distribuição

Outra boa opção de carreira para quem segue os estudos na área da Engenharia de Petróleo e Gás Natural é o mercado comercial e logístico. Seguindo por esse ramo, o engenheiro pode atuar na comercialização e distribuição dos materiais e equipamentos, assim como focar no setor de exportação e importação.

Por que cursar a pós em Engenharia de Petróleo e Gás Natural na UCL?

Dedicar tempo e investimento capital ao aprimoramento profissional é uma decisão inteligente para quem quer melhores oportunidades de carreira. Entretanto, para adquirir um aprendizado sólido e que possa ser convertido em desempenho prático diferenciado, é fundamental contar com uma instituição de renome e qualidade.

A UCL se preocupa em transmitir um ensino de excelência, com potencial para transformar a vida profissional dos alunos. Conheça os benefícios e diferenciais do curso de pós-graduação em Engenharia de Petróleo e Gás Natural da UCL:

  • abordagem técnica e com foco na prática das operações de perfuração e produção de petróleo e gás;
  • corpo docente altamente qualificado, com professores experientes e especializados na área;
  • curso consolidado, que já formou várias turmas e que permite o intercâmbio com casos reais de profissionais que conquistaram uma carreira de destaque;
  • aprendizado teórico consistente, aliado ao instrumental prático que reforça o conhecimento acerca dos serviços das indústrias petrolíferas.

Então, não restam mais dúvidas. Para impulsionar sua carreira como engenheiro, vale muito a pena investir em uma pós-graduação em Engenharia de Petróleo e Gás Natural. Com amplas possibilidades de atuação e mercado aquecido, seja você um especialista para se destacar nesse cenário!

Preparado para uma guinada na vida profissional? Conheça o curso de Engenharia de Petróleo e Gás Natural da UCL e atualize suas definições de carreira!

O futuro da Engenharia será desafiador. Saiba como se preparar!

Sabemos que os engenheiros encontram um mercado de trabalho bastante aquecido, apesar dos momentos de crise. Afinal, são responsáveis por projetos que fazem indústrias e empresas funcionarem, movimentando a economia.

Contudo, é preciso considerar que, assim como em outras áreas, o profissional enfrenta desafios e deve estar preparado para encarar o futuro da Engenharia se quiser crescer na carreira. Estamos falando das mudanças que a tecnologia propicia nos modos de produção e na sociedade, dos aspectos relacionados à sustentabilidade ambiental, das tendências no segmento, entre outros fatores.

Ficou interessado em conhecer mais sobre os próximos passos da Engenharia? Então não perca nosso post e descubra quais habilidades você precisa desenvolver e os cursos com maiores oportunidades de crescimento. Boa leitura!

O impacto das novas tecnologias na área da Engenharia

Quem quer acompanhar o futuro da Engenharia precisa ficar de olho nas tendências, especialmente em relação às transformações tecnológicas nessa área. Vivemos em uma era digital, um novo paradigma para os engenheiros, que estão diante de novos modelos de negócio e de formas de produção, principalmente com os avanços da robótica e da inteligência artificial. 

Indústria 4.0

Se você quer entender melhor o que vem por aí, memorize este conceito: Indústria 4.0. Também conhecida como quarta revolução industrial, ela já é uma realidade em países desenvolvidos e está chegando ao Brasil.

E o que a Engenharia tem a ver com isso? Tudo! As empresas estão se adaptando a essa nova fase, automatizando cada vez mais seus processos por meio de dispositivos inteligentes. Afinal, a competitividade é alta, inclusive pelo avanço de empresas globais, e ninguém quer ficar para trás. Então não é de se estranhar que, para fazer essa transformação digital, a demanda por engenheiros de diferentes segmentos será cada vez maior.

Mas você pode pensar que não é de hoje que as indústrias utilizam robôs, é só lembrar a linha de produção da indústria automobilística. É que, quando falamos de Indústria 4.0, estamos associando a robótica a funcionalidades diferenciadas, à interpretação de um alto volume de dados e à conectividade de toda a cadeia de produção por redes inteligentes.

Além disso, é preciso ter qualidade nos produtos e serviços aliada à redução de custos, outro aspecto em que a tecnologia vem para garantir rapidez e eficiência nas etapas de trabalho.

Preocupação ambiental

No entanto, não dá para ter um avanço tecnológico desenfreado sem se preocupar com sustentabilidade ambiental e eficiência energética, questões que, para serem gerenciadas, também exigem engenheiros altamente capacitados.

As empresas precisam, além de seguir a legislação, comprometer-se com sua responsabilidade social, investindo em uma produção sustentável para se destacar no mercado e conquistar novos consumidores.

Novas perspectivas de trabalho

Todas essas mudanças abrem novas perspectivas para a Engenharia, seja para a criação de startups que venham inovar processos, seja em companhias já existentes, mas que buscam profissionais que tiveram uma boa formação e que se mantenham atualizados.

O que é esperado do profissional

Uma dúvida muito comum de quem quer se preparar para o futuro da Engenharia é saber quais competências devem ser desenvolvidas para ser reconhecido profissionalmente.

Em primeiro lugar, é preciso escolher uma instituição de ensino reconhecida para adquirir os conhecimentos científicos e técnicos na área. Ficar antenado a cursos que abordem as tendências e participar de eventos também vai fazer a diferença na sua carreira.

Outro ponto é se informar, aprender sobre as novas tecnologias e dominar um segundo e até terceiro idioma. Dessa forma, você consegue entrar com facilidade em multinacionais e até se candidatar a um emprego no exterior.

Soft skills

O que muitos profissionais desconhecem é que não são somente as hard skills (habilidades que descrevemos acima) que são importantes para o mercado de trabalho. É essencial desenvolver também as soft skills, competências relacionadas ao comportamento e à postura no ambiente corporativo. 

Por exemplo: não adianta o engenheiro ter feito uma boa graduação, ter experiência profissional, falar inglês e conhecer as inovações de sua área se ele tiver dificuldades no relacionamento interpessoal dentro da empresa. 

Confira a seguir as principais soft skills, habilidades do profissional do futuro.

Inteligência emocional

Esse é um termo que tem se tornado bastante popular, visto que é uma característica valorizada pelas empresas. Estamos falando da capacidade de entender as próprias emoções (e ter um controle sobre elas) e as do próximo.

Imagine uma situação em que seu superior chega até você e dá um feedback negativo a respeito de um projeto. O que você faria? Caso não tenha equilíbrio emocional, pode se descontrolar e falar o que não deve, colocando seu emprego em risco. No entanto, se souber como controlar seus impulsos, pode tentar entender o erro e melhorar em um próximo projeto.

Assim, você passa a ver os problemas de maneira mais positiva e também consegue “respirar fundo” antes de dar uma resposta atravessada, que pode pôr em risco sua carreira.

Pessoas que utilizam a inteligência emocional mantêm bons relacionamentos interpessoais no ambiente corporativo, o que facilita o trabalho em equipe e a troca de ideias.

Flexibilidade

A flexibilidade é, talvez, uma das soft skills mais importantes para o profissional do futuro. É necessário entender que, ao contrário de antigamente, em que a pessoa começava e terminava a vida profissional na mesma função, hoje é necessário sair da zona de conforto e enfrentar desafios.

O que queremos dizer é que o profissional deve estar preparado para atuar em novos projetos, trabalhar com novas tecnologias, assumir áreas diferentes e até estar disposto a trabalhar com colegas de gerações diferentes — o que pode propiciar uma rica troca de experiência.

Boa comunicação

Não dá para ter um desenvolvimento de carreira sem uma comunicação eficiente. O profissional deve saber como expressar suas ideias e opiniões com clareza e ter capacidade de saber ouvir o próximo.

Isso é importante em reuniões, bate-papos com colegas, no momento de redigir um e-mail para seu superior sobre um assunto importante e até para fazer networking.

Empatia

Saiba se colocar no lugar do próximo — pode parecer estranha a recomendação de ter empatia no local de trabalho, porém saiba que ela vai fazer a diferença na sua conduta profissional. Isso porque é necessário cultivar uma relação de respeito com os colegas da empresa para, dessa maneira, ter harmonia no ambiente organizacional, o que certamente vai melhorar o trabalho em equipe e a produtividade.

Proatividade

Ser proativo é, em linhas gerais, uma competência do profissional antenado com o futuro. Trata-se da capacidade de antever cenários, buscando soluções antes que os problemas venham a tomar grandes proporções.

A proatividade é essencial também para que o engenheiro consiga enxergar oportunidades que podem ser decisivas para sua ascensão profissional. 

Criatividade

As empresas querem crescer e, para isso, precisam desenvolver produtos e serviços inovadores ou ainda aperfeiçoar seu sistema de produção com novas tecnologias. Nesse sentido, vão valorizar os engenheiros mais qualificados e que também sejam criativos, apresentando soluções diferenciadas para o negócio.

Os cursos com maiores oportunidades de crescimento

Se você busca uma profissão com alta empregabilidade, precisa entender como funcionam os cursos de Engenharia. São graduações da modalidade bacharelado, com duração de 5 anos, e que apresentam um conteúdo bem variado e atualizado, mesclando disciplinas teóricas e práticas, com muitas aulas em laboratório.

São formações que exigem do aluno, além do cumprimento da grade curricular, o estágio supervisionado e o desenvolvimento do trabalho de conclusão de curso (TCC).

Quer conhecer as opções para ter uma carreira de destaque na Engenharia? Acompanhe a seguir os cursos que estão em alta.

Engenharia Civil

Apesar de ser um ramo bem tradicional, a Engenharia Civil também oferece boas perspectivas ao profissional que quer se preparar para o futuro. É que as tecnologias também chegaram aos projetos e canteiros de obra, otimizando a gestão do cronograma, de materiais e da produtividade das construções.

As inovações estão presentes ainda nas questões de segurança dos empreendimentos e no controle de qualidade, atividades importantes para o bom andamento das obras. Há softwares, inclusive, que otimizam desde o estudo de viabilidade até a pós-entrega.

Se você quer criar, planejar, gerenciar e fazer a manutenção de obras residenciais, prediais ou ainda de rodovias, hidrovias, pontes e aeroportos, pode apostar nessa carreira. Os profissionais que acompanham as novidades, que aprendem a lidar com as ferramentas tecnológicas e se valem da criatividade em seus projetos vão construir uma carreira de sucesso nessa área.

Engenharia da Computação

A Engenharia da Computação é uma área estritamente ligada às tendências tecnológicas, visto que o profissional está apto para atuar com sistemas, software e hardware. Assim, encontra espaço em empresas de todos os tamanhos e setores, ou seja, é um mercado aquecido e só tende a aumentar com a transformação digital.

As atribuições do engenheiro de computação são variadas e incluem a criação e gerenciamento de projetos de redes de computadores, a área de automação industrial e até o desenvolvimento de sistemas digitais, robôs e aplicativos.

Engenharia de Controle e Automação

Quando se fala nos desafios da engenharia com as novas tecnologias, o engenheiro de controle e automação assume um papel especial. Como ele atua no desenvolvimento e gerenciamento de projetos de automação industrial, é bastante requisitado por companhias que buscam se adaptar à Indústria 4.0.

A graduação em Engenharia de Controle e Automação, também chamada de Mecatrônica, prepara o profissional para o desenvolvimento e o gerenciamento de máquinas e equipamentos que participam das etapas automatizadas do setor industrial. Assim, esse profissional está apto a trabalhar com sistemas de controle, robótica e adaptação de softwares para otimizar os processos produtivos, melhorando a segurança e a qualidade e reduzindo os custos.

Além de trabalhar na indústria, ele encontra oportunidades na área da saúde, com equipamentos hospitalares, automação residencial e, ainda, na área de desenvolvimento de softwares.

Engenharia de Produção

As empresas que estão se preparando para o futuro de modo a inovar e superar a concorrência buscam profissionais da Engenharia de Produção. É que essa área se volta para projetos com o objetivo de aumentar a produtividade e a qualidade de serviços e produtos e de reduzir custos.

O profissional assume, dessa maneira, um papel estratégico, já que ele tem o conhecimento para lidar com a gestão de equipes, finanças, projetos e materiais — sem contar que pode assumir ainda cargos na área de logística. Ele tem, portanto, uma visão sistêmica do negócio, o que permite atuar em várias frentes e propor melhorias para o processo produtivo.

Engenharia Biomédica

Os grandes avanços da Medicina se devem ao desenvolvimento tecnológico de sistemas e de equipamentos que permitem diagnósticos mais precisos, tratamentos cada vez mais eficazes e menos invasivos e ferramentas voltadas para os cuidados preventivos. No entanto, como a área da saúde pode ter alguma relação com a Engenharia? São segmentos que estão interligados na Engenharia Biomédica, um ramo novo e bastante promissor.

Quem escolhe essa área pode atuar em desenvolvimento, gerenciamento e manutenção (preventiva e corretiva) de equipamentos médicos, biomédicos e odontológicos. Pode trabalhar ainda com a criação de softwares voltados para esses aparelhos.

Dessa maneira, o engenheiro biomédico pode atuar em hospitais, clínicas médicas, centros de saúde, laboratórios farmacêuticos e de análises clínicas, bem como em empresas especializadas em manutenção hospitalar. No setor industrial, o profissional pode trabalhar no projeto e desenvolvimento de soluções e de equipamentos para a área da saúde. 

Engenharia de Petróleo

O petróleo é um produto central na economia, dessa forma é uma área em alta quando se trata da Engenharia do futuro.

O profissional desse segmento atua nos processos de exploração e produção de petróleo e gás. Desse modo, sabe lidar com:

  • novas tecnologias do setor;
  • exploração de derivados de petróleo;
  • gerenciamento de sua comercialização e transporte;
  • avaliação dos riscos ambientais das etapas de produção.

O engenheiro encontra espaço em refinarias, petrolíferas, indústrias petroquímicas e pode ainda atuar como consultor ambiental nesse segmento.

Engenharia Química

A Engenharia Química é uma área ampla e que tende a crescer ainda mais. É responsável pelos processos de extração e transformação de matérias-primas em produtos, como cosméticos, combustíveis, tintas, tecidos, alimentos, entre outros segmentos.

É um engenheiro que participa ativamente dos processos produtivos e suas tecnologias, garantindo sua otimização e controle de qualidade. O profissional ganhou ainda mais destaque porque pode atuar para que a indústria produza sem agredir o meio ambiente. Desse modo, estão entre suas atribuições:

  • elaboração de requisitos técnicos para manipulação e descarte correto de produtos químicos;
  • medidas de controle de poluição;
  • tratamento de resíduos industriais.

As principais tendências para o futuro da Engenharia

Se você quer se formar como engenheiro e busca se preparar para o futuro, precisa ficar por dentro das principais tendências da área. Veja a seguir.

Questões ambientais

Não há como negar que o desenvolvimento trouxe junto a degradação dos recursos naturais. Mas será que precisa ser assim, com tantas tecnologias desenvolvidas? Esse é um assunto em alta na Engenharia, visto que a sustentabilidade ambiental é uma preocupação não só dos governos, mas também de empresas de diferentes setores.

Dessa maneira, terão destaque os engenheiros que se dedicarem às questões relacionadas ao meio ambiente, como:

  • desenvolvimento de equipamentos e processos que reduzam o uso da água;
  • criação de sistemas de controle de poluentes;
  • projetos relacionados a tratamentos de resíduos;
  • recuperação de áreas degradadas;
  • gestão de recursos hídricos;
  • legislação e licenças ambientais.

Eficiência energética

Seguindo ainda a pauta de sustentabilidade ambiental, uma tendência no futuro da Engenharia é pensar em ações estratégicas para otimização do uso da energia. Nesse contexto, ganham destaque os engenheiros que desenvolvem processos, sistemas e tecnologias que reduzem o consumo energético ou que passam a utilizar fontes alternativas de energias, como a solar e a eólica.

Para as empresas, há interesse na contratação de profissionais qualificados nessa questão, pois significa redução de custos, além de uma produção ecologicamente correta.

Aquecimento da construção civil

A construção civil, que sentiu as oscilações na economia nos últimos anos, teve uma retomada no Brasil. Com o aquecimento do setor, houve aumento a contratação de pessoal qualificado, como os engenheiros.

Segundo uma pesquisa da Michael Page, a procura por determinados profissionais da área teve um crescimento de 300% de janeiro a setembro de 2019. Assim, vagas como gerente de novos negócios, gerente de vendas e outras voltadas para o gerenciamento de obras estão movimentando as contratações no setor.

Produção automatizada e inteligente

Com a transformação digital, cada vez mais as empresas terão que contar com uma produção mais automatizada e inteligente. É o avanço da robótica, que vai permitir um controle autônomo das etapas da cadeia produtiva por meio de sistemas que conseguem identificar falhas, possibilitando fazer adaptações e manutenções quando necessário.

Estamos falando da expansão da inteligência artificial, na qual máquinas podem aprender funções humanas. É, portanto, uma área com boas oportunidades para os engenheiros, que vão desenvolver e gerenciar esse tipo de processo para trazer mais eficiência na produtividade.

Tecnologia na área da saúde

Os engenheiros podem fazer carreira também buscando qualificação em tecnologias na área da saúde. É um mercado com boas possibilidades e que busca se expandir com o desenvolvimento de soluções em equipamentos e sistemas voltados para o diagnóstico, prevenção e tratamento na Medicina e na Odontologia.

Multidisciplinaridade

É importante ainda ter em mente que o futuro da Engenharia será marcado pela multidisciplinaridade. Dessa maneira, não é por que o profissional é da área civil, por exemplo, que não pode empreender, gerenciar pessoas e até mesmo se envolver em questões relativas ao meio ambiente.

Então, quem busca crescer deve ter uma visão mais aberta sobre os diferentes processos que envolvem sua atuação para buscar cursos de capacitação que possam complementar a formação e valorizar seu currículo. Por isso, mesmo depois de graduado, fique de olho em cursos de especialização e MBA para dar um salto na sua carreira.

Como escolher o curso que mais combina com você

Falamos sobre as boas perspectivas na Engenharia e sobre os cursos que estão em alta para quem almeja uma carreira de sucesso. No entanto, não basta apenas ter afinidade com essa área, é necessário saber como escolher a graduação que mais combina com seu perfil e que atenda às suas expectativas profissionais.

Reflita sobre o nicho com o qual você gostaria de atuar

Em geral, nas Engenharias, você vai trabalhar com cálculo e raciocínio lógico. Entretanto, cada área tem um direcionamento diferente. Dessa maneira, é necessário refletir sobre seus objetivos profissionais, o local que gostaria de atuar e quais funções têm mais a ver com você.

Em muitos cursos, por exemplo, existe ainda a possibilidade de empreender, ou seja, de criar e gerenciar um negócio próprio. Se você tem espírito de liderança, pode apostar nesse direcionamento para sua carreira.

Pesquise sobre a grade curricular do curso

Pode ser difícil entender como é o trabalho de cada área dentro da Engenharia. Uma dica é pesquisar a grade curricular dos cursos de seu interesse nos sites das próprias faculdades. Como o conteúdo traz muitas disciplinas práticas, fica fácil saber o que você vai encontrar na rotina profissional.

Converse com os profissionais que já atuam no segmento

Falando em rotina profissional, um bom jeito de descobrir como é a de cada curso é conversando com quem já atua na área. Tire suas dúvidas com esses engenheiros e descubra sobre os principais desafios e perspectivas de carreira.

Busque orientação em uma instituição de ensino de referência

Por último, não deixe de entrar em contato ou de visitar instituições de ensino superior de referência em cursos de Engenharia, como a UCL. É uma maneira de conhecer cada graduação e conversar com professores e coordenadores.

Na UCL, por exemplo, você vai descobrir uma infraestrutura completa para uma formação de qualidade. A instituição conta com laboratórios equipados, tecnologias na área e tem o diferencial de oferecer uma matriz curricular que acompanha as novidades do mercado.

Mesmo diante de tantos desafios, saiba que o futuro da Engenharia oferece boas oportunidades para profissionais que fazem a graduação em uma instituição de ensino de qualidade, acompanham as tendências e estão sempre em busca de novos aprendizados.

E aí? Ficou interessado em saber mais detalhes sobre os cursos de Engenharia? Conheça todas as opções da UCL e comece a construir sua carreira!

Saiba como as técnicas de leitura podem ajudá-lo nos estudos

Todo acadêmico ou profissional no mercado de trabalho precisa ler bastante para se atualizar com as melhores práticas da sua área. Desse modo, você ganha mais autoridade com seus empregadores e clientes. Portanto, quanto mais textos absorve, melhor. Para melhorar sua agilidade e seu aproveitamento, há algumas técnicas de leitura que podem ajudar bastante.

Neste post, separamos as estratégias mais relevantes nesse sentido. Assim, você poderá adequar cada uma delas de acordo com cada situação e se destacar dos seus colegas. Quer saber mais? Acompanhe!

Como as técnicas de leitura podem ajudá-lo?

Há dezenas de técnicas de leituras diferentes, porém nem todas elas são efetivas para a sua rotina de estudos. A seguir, separamos as mais reconhecidas por estudiosos no assunto. Confira!

Skimming

O skimming consiste em fazer uma leitura rápida de um texto sem se ater aos detalhes. É literalmente só escanear o texto com os olhos com a finalidade de verificar os assuntos mais frequentes e se familiarizar com a estrutura do texto.

Geralmente, os autores deixam muito claros os temas centrais, então uma lida rápida ajuda a aprender alguns pontos mais gerais e importantes. Em alguns casos, para melhorar a fixação desse conhecimento inicial, alguns leitores fazem um pequeno resumo ou guia de leitura após o skimming.

Assim, após utilizar essa técnica, ficará muito mais fácil ler um determinado texto. Isso é especialmente útil para livros acadêmicos com uma densidade de informação muito grande. Em alguns casos, muitos detalhes não serão realmente importantes para você, pois a escrita pode ser muito prolixa. Então, é sempre bom já ir preparado para absorver somente os dados centrais.

Scanning

Frequentemente, lemos determinado texto com a finalidade de encontrar uma informação muito específica. Desse modo, geralmente não lemos grande parte do conteúdo com muita atenção a acharmos. A isso, damos o nome de scanning — que é traduzido como escanear em português.

Essa é uma ótima estratégia, por exemplo, quando vamos estudar para algum teste com assuntos determinados previamente. Da mesma forma, é importante para quando vamos fazer alguma tarefa com perguntas específicas. Assim, procuramos no texto somente aqueles dados que contribuirão para a resposta.

O scanning também pode ser uma estratégia para fazer bons resumos de um texto. O leitor pode escanear um conteúdo e fazer uma síntese daqueles trechos mais importantes, o que facilita para uma revisão futura. 

Leitura ativa

A leitura ativa tem como objetivo trazer uma compreensão mais profunda de um determinado texto. Nesse caso, o leitor terá uma participação ativa durante a leitura em vez de simplesmente absorver o conteúdo de forma passiva.

Para isso, podem ser adotadas várias estratégias, como:

  • questionar-se constantemente o porquê de determinada informação apresentada;

  • pensar em aplicações práticas dos conceitos explicados;

  • tomar notas dos pontos mais importantes;

  • pensar em formas de como explicaria o conteúdo para um colega;

  • fazer imagens mentais dos assuntos etc.

Portanto, essa técnica deve ser utilizada sempre que você precisar ter um conhecimento profundo e duradouro de determinada temática. Além disso, ela estimula a criatividade e o senso crítico.

Leitura detalhada

O foco dessa técnica é extrair informações precisas de um texto, ou seja, precisamos dominar os conceitos com maestria, sem nenhum erro de interpretação. Para isso, a maioria das pessoas busca ler palavra por palavra, mas essa não é a estratégia mais eficiente.

Na leitura detalhada, o primeiro passo é fazer um skimming de todo o texto para ter uma ideia geral. Depois disso, será a hora de ler em detalhes parando para reler frases com compreensão difícil, reler conceitos importantes, fazer anotações, consultar dicionários, entre outras práticas. 

Leitura dinâmica

Essa é uma estratégia frequentemente citada por especialistas em leitura, pois ajuda a aumentar a quantidade de palavras que uma pessoa consegue ler por segundo sem comprometer o entendimento do texto.

Portanto, é necessário bastante treinamento cujo objetivo final é reduzir a vocalização mental durante a leitura. Para isso, pode-se utilizar as seguintes técnicas com grau de dificuldade crescente:

  • identificação de palavras sem focar nos sons de cada sílabas;

  • não fazer a representação vocal de algumas palavras de uma frase;

  • deixar de subvocalizar algumas frases;

  • gastar menos tempo com algumas frases do que outras;

  • evitar a vocalização de pequenos parágrafos;

  • não vocalizar grande parte de uma página.

Estrutura-Proposição-Avaliação

Essa é uma técnica criada pelo autor de “Como ler um livro”, Mortimer Adler. A ideia é compreender a estrutura lógica utilizada em cada texto rapidamente e, assim, evitar a idas e vindas em um parágrafo. Para isso, deve-se seguir três etapas:

  • estudar a estrutura do texto;

  • analisar as proposições lógicas feitas e a organização das cadeias de inferência;

  • avaliar os méritos dos argumentos propostos e conclusões que daí derivam.

Desse modo, é possível também obter uma memorização mais permanente do assunto, pois você terá se envolvido com o texto de fato. Ou seja, método muito útil para estudar um tema de grande relevância.

Pesquisa-Pergunta-Leitura-Recitação-Revisão

Por fim, temos uma técnica cujo objetivo é uma leitura estruturada de todo e qualquer texto importante para sua vida acadêmica. Assim, pode-se ter uma compreensão mais clara dele e uma memorização mais profunda. 

Para isso, devem-se seguir cinco etapas consecutivas:

  • pesquisa — buscar informações, como resumos ou introduções, antes de iniciar a leitura do texto;

  • pergunta — antes mesmo de iniciar a leitura, elaborar perguntas sobre o assunto para fazer uma leitura mais dirigida do texto, isso evita apenas interpretar passivamente o significado das palavras;

  • leitura — é o ato propriamente dito, guiado pelas perguntas da fase de pesquisa;

  • recitar — o leitor deve responder às próprias perguntas mentalmente por meio de palavras-chave;

  • revisão — devem-se repassar os principais pontos mentalmente.

Como elas funcionam na prática?

Para ter sucesso com as técnicas de leitura, o primeiro passo é escolher aquela que mais se adéqua aos seus objetivos no momento e ao seu perfil. Além disso, é essencial ter persistência, pois todas elas exigem treinamento. Desse modo, não será nas primeiras semanas que você conseguirá dominá-las. Além disso, é importante seguir as dicas que explicamos a seguir.

Leia em um lugar silencioso

A leitura exige muita concentração, pois é uma habilidade cognitiva muito complexa. O excesso de estímulos sonoros vai desviar a atenção da sua mente para o ambiente, procurando a origem dos sons e interpretando potenciais ameaças. Por conseguinte, é essencial procurar um lugar silencioso, sem muitas interrupções, característica de uma boa organização pessoal na hora dos estudos.

Não insista quando estiver cansado

Outro erro muito comum é insistir na leitura quando estamos muito cansados. Afinal, nessa situação, nosso cérebro está fisiologicamente esgotado e não tem a capacidade de absorver muitas informações. Desse modo, se você insistir, é muito provável que você não aprenda muito e ainda crie uma aversão pela leitura, o que pode comprometer seu rendimento no futuro. 

Com essas técnicas de leitura, você terá destaque tanto no ambiente acadêmico quanto profissional. Afinal, uma carga teórica sólida é essencial para o reconhecimento no mercado e nas universidades.

Quer continuar recebendo as melhores dicas para se destacar nos estudos e na vida profissional? Então, siga as nossas páginas no Facebook, Twitter, Youtube e Instagram!

Música para foco: aposte nessa dica para se concentrar!

Cada pessoa tem as suas preferências na hora de realizar uma atividade que exige concentração, como trabalhar ou estudar. Pensando nisso, resolvemos falar de uma dica que é capaz de favorecer essa relação: a música para foco.

Há quem acredite que escutar canções é motivo de distração e prejudica o rendimento. Contudo, existem pesquisas que exploram como esse hábito pode beneficiar a capacidade de atenção. Quer saber mais sobre o assunto? Acompanhe o texto a seguir e descubra!

Como a música auxilia na concentração

Para começar a entender como o fato de ouvir música pode ser benéfico para aumentar o seu foco, vamos partir da dificuldade de fazer isso. O que acontece é que a falta de concentração normalmente está ligada a fatores emocionais, como ansiedade, estresse, angústia, preocupação, entre outros.

Quando um estudante tem uma prova importante, por exemplo, é natural que o seu estado emocional seja abalado por essa razão. O medo de não obter um bom resultado, o nervosismo de não saber o que será cobrado na avaliação, a apreensão de conseguir estudar todo o conteúdo, além de motivos pessoais que podem interferir nesse processo.

Ainda que haja tempo disponível para se dedicar aos estudos, todos esses sentimentos se misturam e interferem no pleno funcionamento da mente. Há quem fique horas debruçado sobre um livro sem absorver e memorizar o que está sendo estudado. Para completar, qualquer coisa ao redor chama atenção e distrai o pensamento.

Apesar de ser um problema, essa é uma situação recorrente. Logo, o ideal é buscar alternativas para favorecer a capacidade de concentração e ser mais produtivo — e a música é um dos recursos utilizados para esse objetivo.

A Universidade de Medicina de Stanford tem uma pesquisa que comprova que ouvir músicas agradáveis reduz a produção de hormônios que atrapalham o foco, como o cortisol e a noradrenalina. Ao mesmo tempo, ocorre um estímulo que conduz à liberação de serotonina, endorfina e dopamina — que são os responsáveis pela sensação de bem-estar e equilíbrio emocional.

Para completar, a atividade cerebral como um todo também é favorecida e as funções cognitivas são despertadas com as melodias. Assim, não há dúvidas de que o foco, a memória e o aprendizado são promovidos nessas circunstâncias.

O tipo de música para foco ideal

O grande detalhe em todo esse contexto é que não é todo tipo de música que tende a facilitar a concentração. Por isso, muitas pessoas podem ainda não ter usufruído desse benefício, justamente por ainda não terem feito escolhas corretas.

Segundo o estudo, a indicação são as melodias mais lentas e com transições de movimento — ou seja, que apresentam breves pausas antes de iniciar novas notas. Outro aspecto relevante é a ausência de letras, pois elas podem ser um fator de distração para quem já conhece a música.

Diante dessas características, fica fácil entender por que as músicas instrumentais são tão recomendadas nesses momentos. O ritmo é uniforme, não há variações tão bruscas e as letras não atrapalham.

A boa notícia é que praticamente todos os estilos musicais podem ser encontrados em versão instrumental. Para quem ainda não tem esse costume, basta procurar nas plataformas digitais (como Spotify, Deezer, YouTube, Apple Music e outros) as opções nesse formato. Inclusive, existem listas prontas de músicas para concentração que qualquer um pode testar!

Finalizando as sugestões, não há como deixar de lado um ponto importante: o volume. O mais apropriado é optar pela música ambiente, um som sutil para realizar as suas atividades sem desconcentrar. Isto é, nada de colocar o volume nas alturas — deixe isso para as festas e momentos de extravasar.

Outras formas de dar um gás na produtividade

Já falamos sobre a música como uma ferramenta favorável para ter mais foco no dia a dia. Contudo, como você deve imaginar, existem outras formas de potencializar a sua produtividade e que podem ser usadas em conjunto. Veja, a seguir, algumas dicas complementares.

Monte um cronograma

Saber administrar o seu tempo é fundamental para conseguir realizar todas as suas tarefas. Só que fazer isso sem o mínimo de organização é bem mais difícil. Sendo assim, uma excelente ideia é montar um cronograma com a sua programação para cada dia.

Distribua as suas obrigações de estudo, trabalho e os afazeres pessoais dentro do seu tempo disponível a fim de criar uma rotina. Com os horários predeterminados, apenas crie o compromisso de seguir o planejamento e perceba como o seu dia deve render.

Programe pausas ao longo do dia

Concentração é algo necessário para ser produtivo, porém, também é bastante delicado. Afinal, pode-se dizer que ficar focado durante muito tempo é uma missão quase impossível. Por isso, as pausas são essenciais para distrair um pouco a mente e poder retomar o foco mais tarde.

A sabedoria está em não alongar demais os intervalos a ponto de perder a motivação ao estudar e não ser tão breve para realmente dar um descanso ao cérebro. Vale a pena testar como funciona melhor para você, introduzindo pausas menores e um pouco maiores ao longo do dia.

Tenha um espaço adequado

A bagunça é mais um fator que não contribui em nada para a produtividade, sem contar que você provavelmente vai perder tempo para encontrar o que precisa. Um local de estudos, por exemplo, deve ter todos os seus materiais à disposição. Portanto, procure manter um espaço limpo, organizado, confortável e silencioso para fazer as suas atividades. Lembre-se ainda de deixar as fontes de distração bem distantes.

Cuide da sua saúde e bem-estar

Por fim, não existe dica que funcione se o seu organismo não estiver em pleno funcionamento. A concentração é favorecida pelos fatores externos e por hábitos que todos podem cultivar, mas não há como negar que o bem-estar faz toda a diferença.

Nesse sentido, ter uma alimentação nutritiva e balanceada está entre as principais necessidades. Outra coisa que não pode ser negligenciada é a qualidade do sono, pois durante esse período é que o cérebro consegue absorver as informações adquiridas no dia. A falta do descanso adequado deixa qualquer pessoa esgotada, improdutiva e com dificuldade de se concentrar.

A verdade é que ter um bom resultado vai depender da sua dedicação e atenção com todas as questões citadas. Então, não deixe de colocar todas as dicas em prática para melhorar cada vez mais o seu desempenho, sem esquecer da música para foco!

O que achou do post? Foi uma novidade para você? Aproveite e compartilhe o conteúdo nas suas redes sociais. Assim, você pode divulgar essa informação e ajudar os seus amigos a ficarem mais concentrados!

Precisa aumentar o rendimento nos estudos? Saiba como aqui!

Um desejo comum entre a maioria dos estudantes é aumentar o rendimento nos estudos, afinal, nada melhor do que ser mais eficiente e ganhar tempo livre para se dedicar a outras atividades, não é mesmo?

Além do mais, é muito ruim perceber que a sua dedicação não está garantindo os resultados esperados. É normal que o cansaço e a preguiça apareçam vez ou outra, mas, quando a pessoa está focada, é mais difícil que isso prejudique o seu desempenho.

E aí, quer saber como melhorar a sua produtividade? Acompanhe as nossas sugestões a seguir!

Confira nossas superdicas para aumentar o rendimento nos estudos

Se você já foi capaz de perceber que não está rendendo tanto, é porque provavelmente está falhando em alguns aspectos que podem ser melhorados. Veja a seguir que tipos de práticas vão contribuir para reverter essa situação e potencializar os seus estudos.

Exercite a sua disciplina

Um dos fatores mais importantes nesse processo é ser disciplinado, já que não adianta ter um excelente cronograma de estudos se você não consegue cumpri-lo. Logo, o seu foco e o seu comprometimento são os grandes diferenciais para fazer acontecer.

O problema é a teoria ser realmente mais fácil do que a prática. Mesmo sabendo como estudar é importante e tendo a consciência de que o seu rendimento só depende de você, as distrações aparecem e, muitas vezes, prejudicam a performance.

Portanto, a dica é encontrar maneiras para exercitar a sua disciplina — e, para cada pessoa, isso pode funcionar de um jeito diferente. Comece a observar detalhes: em que período do dia você consegue ficar mais concentrado, quais são os principais vilões contra o seu foco, que método de estudo favorece a sua produtividade etc.

Ao conhecer um pouco mais de si mesmo, ficará simples organizar os seus estudos, definir metas e conseguir executar todo o seu plano.

Mantenha o local de estudos organizado

A desorganização é mais uma das coisas que dificultam o rendimento. Já falamos sobre não ter uma agenda programada com intervalos de tempo bem definidos, mas a disposição do ambiente de estudo é outro aspecto relevante. Por mais que o seu armário seja uma bagunça, não deixe que isso se estenda para a sua vida acadêmica.

Defina um local para estudar que seja silencioso, confortável (mas nem tanto), iluminado e que tenha todos os materiais de que você precisa no dia a dia de forma ordenada. Acredite se quiser, esse conjunto vai ajudar você a absorver melhor tudo o que for estudado.

Programe pequenas pausas

O nosso cérebro não consegue se manter concentrado por muito tempo em alto rendimento, e você não precisa se sentir culpado por isso. A questão é que saber dessa informação pode fazer uma boa diferença na sua produtividade.

Como é praticamente impossível ficar tantas horas focado em um objetivo, o ideal é programar pequenas pausas ao longo do dia para conseguir aumentar a sua eficiência. Esse é o momento de deixar a mente se distrair para retomar a atenção logo em seguida.

Se preferir, aproveite para cumprir atividades nesses intervalos, como ir ao banheiro, comer alguma coisa, conversar com alguém, mexer nas redes sociais ou o que quiser. Apenas tome cuidado para não se estender tanto e perder o ânimo para estudar.

Conheça as melhores práticas para os estudantes da modalidade EAD/Online

A possibilidade de estudar de casa ou de qualquer outro lugar com acesso à internet é mesmo um privilégio. O detalhe é que nem todo mundo está acostumado a esse novo modelo de aprendizado, o que pode ser um motivo de dificuldade, dispersão, entre outros empecilhos. Para não deixar que isso aconteça, veja quais são as melhores práticas para se adaptar ao escolher uma graduação a distância.

Não se engane 

Ter maior flexibilidade na rotina é uma grande vantagem, mas isso não quer dizer que a modalidade EAD/Online seja mais fácil ou menos exigente. A carga de estudos e de atividades precisa ser cumprida da mesma maneira que um curso presencial — não exatamente do mesmo modo, só que com igual comprometimento.

A principal diferença é não ter que se deslocar todos os dias para a instituição de ensino, pois as tarefas podem ser feitas de forma remota. Porém, falhar com a programação prevista causa consequências negativas para o estudante.

Tenha uma rotina para estudar

Outro ponto importante é que as facilidades promovidas pela EAD/Online não podem ser um gatilho para a desorganização. Aquela ideia de estudar da cama, do sofá e não ter hora para nada não é um bom negócio para quem está interessado em ter um bom rendimento.

A determinação de uma rotina de estudos é essencial para facilitar a realização de todas as tarefas. Isso quer dizer que é preciso organizar os seus dias (ou as suas semanas, como preferir) dividindo o tempo de acordo com os compromissos. Inclua nessa programação um espaço fixo para estudar, mesmo que não tenha uma avaliação pela frente.

Essa é uma boa forma de criar o hábito do estudo, que muitas vezes é perdido pela possibilidade de estudar a qualquer momento e não ter que comparecer aos encontros presenciais. Então, leia os materiais das disciplinas, faça pesquisas para entender melhor cada assunto, realize as suas tarefas e não deixe o conteúdo acumular. Tente criar esse compromisso diariamente, ainda que por um curto espaço de tempo.

Dedique um tempo para conhecer a plataforma

Uma missão para todo novo aluno EAD/Online é explorar a plataforma virtual de aprendizagem. Essa familiarização é muito importante para não perder tempo no dia a dia e ficar confuso cada vez que acessar a ferramenta.

Por isso, vale tirar um tempo logo no início do curso para conhecer o ambiente, clicar em todos os lugares, conferir o que pode ser feito em cada um deles e descobrir quais recursos são oferecidos pela instituição de ensino por meio da plataforma. Assim, vai ficar bem mais fácil e rápido acertar nas próximas vezes, especialmente quando estiver cansado ou com um prazo apertado para cumprir.

Aproveite as tarefas coletivas

Podemos dizer que estudar a distância é um tanto quanto mais solitário, o que muitas pessoas consideram um ponto positivo. Contudo, a troca de experiências entre colegas, professores ou tutores é sempre enriquecedora e deve ser aproveitada. Os fóruns são ótimos exemplos de espaço propícios para isso.

As tarefas coletivas, como trabalhos em grupo, são oportunidades de conhecer novas pessoas e criar conexões. Além de deixar o estudo mais leve, não desconsidere o fato de que esse networking pode ser importante em algum momento da sua carreira.

Enfim, estudando a distância ou não, o objetivo de aumentar o rendimento nos estudos pode ser alcançado com pequenas mudanças de hábitos. Por isso, comece a perceber quais são as suas principais falhas e crie estratégias para sair dessa zona de conforto. Aos poucos, perceba a sua evolução e faça os ajustes necessários para ser mais produtivo.

Gostou das nossas sugestões? Não tenha dúvidas de que, assim como você, muitas outras pessoas estão querendo render mais nos estudos. Que tal compartilhar este post nas suas redes sociais e divulgar todas essas dicas?

Entenda a importância de participar do empreendedorismo jovem

O empreendedorismo jovem não é mais uma novidade. Diversas pessoas entre 18 e 30 anos estão ingressando no mercado de trabalho por meio da inovação, tirando suas ideias do papel e colocando-as em prática para criar sua própria empresa. Mas empreender não é uma aventura: trata-se de uma decisão profissional séria e importante.

Então, o que isso quer dizer? O empreendedorismo é uma possibilidade de atuação para os profissionais que ainda estão em formação, já que oferece uma série de vantagens econômicas sem perder de vista o impacto social causado pelas suas ações. Afinal, não é por acaso que muitos jovens o buscam como principal forma de atuação.

Para aprofundar seus conhecimentos sobre o assunto e garantir excelentes oportunidades na sua carreira, preparamos este conteúdo com todas as informações sobre empreendedorismo jovem. Acompanhe!

O cenário do empreendedorismo no Brasil

Empreender vai muito além de iniciar a própria empresa. Muitos jovens acreditam que esse conceito representa a abertura de um negócio inovador no mercado, mas existem diferentes formas de empreender. Isso porque esse profissional do futuro nada mais é do que alguém que imagina e desenvolve suas visões e enxerga oportunidades onde outras pessoas não as veem.

Assim, ele organiza suas ideias e planeja as melhores formas de viabilizá-las, determinando a estratégia que de fato concretizará o seu plano de ação. No entanto, isso não necessariamente precisa ser aplicado na construção de um novo negócio: você pode, por exemplo, atuar como empreendedor dentro de uma organização já consolidada no mercado, desenvolvendo novas ações para captar mais clientes ou aumentar sua relevância social.

É por isso que diversos graduandos buscam oportunidades de empreender na própria faculdade, seja iniciando estágio em uma startup, seja participando dos processos acadêmicos como empresa júnior, projetos de extensão e criação de atléticas e centros acadêmicos.

Uma pesquisa realizada pelo GEM (Global Entrepreneurship Monitor) revelou o crescimento dos empreendedores jovens no Brasil. Em 2017, o país tinha uma média de 30,5% de brasileiros entre 25 e 34 anos que estavam ativos na criação de negócios inovadores, seguido por 20,3% de jovens entre 18 e 24 anos.

Porém, em 2018, o número de brasileiros de 18 a 24 anos ativos em ações empresariais subiu, apresentando um total de 21,2%. Tal transformação sustenta a noção de que, com o passar do ano em questão e a divulgação sobre a importância da construção de ideias inovadoras, os jovens ficaram mais interessados em iniciar seu próprio negócio e possibilitar uma melhor qualidade de vida para seus clientes.

Indo mais além, ainda em 2018, uma investigação feita pela Juventude Conectada revelou que a juventude não busca empreender em função dos ganhos monetários, mas sim pelo impacto social causado pelas suas ideias. Ou seja, para eles, suas inovações precisam ter um propósito que, além de liderarem o protagonismo da sua vida, também devem oferecer alternativas para os problemas sociais.

A importância do empreendedorismo jovem

Como você já deve ter percebido, oferecer uma nova ideia ao mercado apresenta um objetivo além do lucro: possibilitar uma mudança social. Isso ocorre em função de um grande inconformismo com a realidade associado à vontade de promover um impacto significativo no mundo ao redor. 

Mas afinal, o que isso tem a ver com a importância desse movimento? Nós explicamos: a busca por uma transformação na realidade atual implica, diretamente, o desenvolvimento de soluções inovadoras para problemas antigos e estruturais. Essas soluções são aplicáveis e, na maioria das vezes, simples de serem realizadas.

Alinhado a isso, não podemos deixar de reforçar que empreender não significa iniciar a sua própria empresa. Muitas pessoas buscam, então, ingressar em grandes empresas para provocar uma mudança interna na organização e, então, causar mais impacto no mercado e nos seus clientes.

Um dos maiores exemplos que ilustra tamanha importância são as inovações na área da sustentabilidade. Hoje, muito se fala em construções que tenham alta eficiência energética e promovam qualidade de vida aos proprietários sem colocar em risco o meio ambiente. Ainda, estratégias de armazenamento e de diminuição de lixo também estão sendo desenvolvidas para diminuir os impactos causados pela má administração dos resíduos.

Tudo isso surge de ideias desenvolvidas por jovens durante a graduação, fortalecendo o desenvolvimento de um futuro promissor não só para o mercado, mas principalmente para a população que está por vir. Isso garante mais qualidade de vida para todos, além transformar a lógica empresarial no mundo inteiro.

Afinal, muitos jovens evitam empreender por acreditarem que essa esfera de trabalho é destinada a um grupo seleto de homens, sobretudo de classe alta e com poucos marcadores sociais. Com o desenvolvimento de políticas públicas que incentivam o trabalho empreendedor durante a graduação, essa perspectiva está sendo desmistificada, abrindo portas para o início de uma nova era empresarial.

Por que empreender na faculdade

Quando falamos em empreendedorismo jovem, é natural questionar-se sobre o início desse processo. Muitos acreditam que ele começa somente após a graduação, quando o profissional já está inserido no mercado, mas isso não é verdade. O ambiente acadêmico oferece uma série de vantagens para quem busca esse tipo de carreira.

Afinal, os graduandos estão rodeados de grandes profissionais e especialistas em diferentes áreas que podem potencializar suas ideias e auxiliar no desenvolvimento de um plano de negócios. Indo mais além, é durante a faculdade que você aprende as melhores formas de convencer um investidor a acreditar na sua criatividade e na qualidade do seu trabalho.

É claro que isso tudo não acontece do dia para a noite, não é mesmo? É por isso que as universidades oferecem oportunidades para você desenvolver suas habilidades empreendedoras. Por exemplo, por meio de projetos de extensão e da participação de um centro acadêmico, é possível aprimorar suas competências de liderança, trabalho em equipe e visão de mercado, essenciais para conseguir destaque profissional.

Sem contar a grande parceria que as universidades apresentam com empresas de renome no mercado, facilitando ainda mais seu contato com líderes e gestores que de fato podem ajudar você financeiramente. Ultrapassando a barreira financeira, os jovens conseguem:

  • manejar os novos desafios com mais facilidade;

  • valorizar as iniciativas empreendedoras da própria faculdade;

  • ter ações empreendedoras antes mesmo de estar formado, preparando-se com mais eficiência para o mercado;

  • fortalecer a rede de contatos a fim de encontrar novas possibilidades no futuro.

Por fim, a faculdade também é um campo fértil para o desenvolvimento de parcerias duradouras. Afinal, você pode conhecer um colega que apresenta os mesmos valores e ideais profissionais que você, permitindo a criação de diversas ideias que podem ser úteis para a sociedade, além de garantir um bom retorno financeiro para ambos.

Como empreender durante a faculdade

No último tópico explicamos que existem diversas ações institucionais oferecidas pela própria universidade para auxiliar o crescimento e o desenvolvimento das competências empresariais. O fato é que você pode ir além dessas estratégias e utilizar a faculdade como um campo extremamente funcional para a aplicação das suas ideias.

Ficou confuso? Nós explicamos: ao conhecer mais sobre o mercado de trabalho no qual você vai atuar, é possível trabalhar e desenvolver a ousadia e o controle de impulsos, bem como estudar profundamente os principais desafios que o mercado apresenta para promover melhorias na área e realizar simulações de investimento para ter melhor noção de crescimento organizacional.

Para tanto, você precisa seguir alguns passos fundamentais. Nos próximos tópicos, explicamos quais são eles para você conseguir empreender com sucesso. Confira!

Trabalhe a sua ousadia

A insegurança faz parte da vida de qualquer pessoa, tanto na esfera pessoal quanto na profissional. Isso porque nunca estaremos 100% preparados para todos os desafios no meio do caminho. Então, como evitar que esse sentimento impeça o seu desenvolvimento? O primeiro passo é trabalhar a sua ousadia.

Para ter sucesso no mercado empreendedor, você precisará de um pouco de ousadia, é claro! Isso significa que a insegurança continuará presente, mas mesmo com ela ao seu lado, você conseguirá utilizar os erros ao seu favor a aprender como conquistar novos clientes, desenvolver ideias inovadoras e compreender as mudanças de tendências.

Nesse sentido, a ousadia vem de forma controlada: nem tão intensa a ponto de esquecer-se dos seus medos e angústias e tomar atitudes impulsivas, e nem tão fraca a ponto de a insegurança tomar conta. Para encontrar o equilíbrio, compartilhamos uma dica essencial: estude muito e realize um plano de negócios.

Ao organizar o seu pensamento e determinar quais são os objetivos a serem cumpridos, fica muito mais fácil determinar em qual momento você pode ser mais ou menos ousado. Dessa maneira, é possível acompanhar o seu crescimento e descobrir os melhores caminhos para ter destaque.

Desenvolva sua visão de mercado

No início deste artigo explicamos que a visão de mercado é fundamental para ter bons resultados. Afinal, ela permite o conhecimento do seu público e a determinação das melhores estratégias para conquistar a confiança dos clientes e fidelizá-los de maneira eficiente. Além disso, é por meio dessa habilidade que você consegue descobrir as novas tendências.

Ou seja, conhecendo quais são as empresas que estão crescendo e quais são os negócios em decadência, é possível realizar uma análise sobre a transformação de desejos, de problemas e da procura da população, fazendo uma previsão do que eles gostariam de adquirir em um futuro breve.

Por exemplo, um dos serviços que estão em alta atualmente são aqueles alinhados à tecnologia, que oferecem uma solução rápida, eficiente e extremamente prática para diversos problemas. Isso, há alguns anos, não era uma realidade de mercado, já que os serviços manuais eram os mais buscados para resolver problemas em diversas áreas.

Aqui, você pode solicitar a ajuda de professores e de profissionais da área em que você deseja atuar para conversar sobre a realidade do mercado e as possíveis tendências para os próximos anos. Assim, fica mais fácil desenvolver uma ideia inovadora que com certeza terá um espaço promissor no futuro.

Estude e qualifique-se profissionalmente

É claro que a graduação oferece uma série de possibilidades profissionais e desenvolve um conhecimento fortalecido sobre a sua área de trabalho. No entanto, você não deve parar por aqui: ainda que a faculdade garanta as bases técnicas e as práticas para a sua atuação, é necessário ir além e conhecer os fundamentos do empreendedorismo para realmente conquistar boas oportunidades.

Portanto, a nossa dica é estudar e investir em uma qualificação por fora, participando de congressos, workshops e eventos sobre empresas da área, além de trocar ideias com outros profissionais. Isso trabalha a sua visão de mercado ao mesmo tempo em que estimula a criação de novas ideias — estas podem se tornar férteis em um futuro próximo. 

E mais: você aprimora os conhecimentos relacionados ao marketing, à divulgação e à captação de financiamento, auxiliando a tirar suas ideias do papel para colocá-las em prática. Para tanto, não fique preso somente ao seu campo de trabalho, busque estudar brevemente outras áreas que podem complementar sua imaginação e fortalecer o seu propósito.

Entre em uma empresa júnior

Uma das grandes vantagens de empreender na faculdade é participar de uma empresa júnior. Criada e gerida pelos alunos e orientada por um professor da instituição, ela tem como objetivo prestar um serviço real para seus clientes e usuários com um preço mais acessível, tendo em vista o nível de especialidade dos profissionais.

A simples participação nesse tipo de negócio potencializa a sua responsabilidade profissional, além de auxiliar no desenvolvimento da visão de mercado. Indo mais além, você consegue conhecer novas pessoas, entrar em contato com grandes empresas e aumentar a sua rede de colegas, variáveis essenciais para a criação da sua própria empresa depois de formado.

Crie um projeto de extensão 

Outra proposta oferecida pelas universidades é o projeto de extensão. Responsável por alinhar a produção científica à prática social, esses programas oferecem um excelente campo de trabalho para jovens que querem aprender sobre empreendedorismo. Isso porque, além de investir em novas pesquisas científicas, você também precisa conhecer a realidade do seu público, facilitando a criação de estratégias que aumentam a captação de novos clientes.

Além de participar dos projetos já existentes, você pode — e deve! — entrar em contato com a administração e conferir se existe espaço para o desenvolvimento de novas propostas. Via de regra, as instituições apresentam uma verba específica para esse fim, auxiliando os alunos a darem seus primeiros passos na jornada de empreendedor.

Inicie uma startup

Para os mais ousados, iniciar uma startup pode ser a entrada ideal no mercado de trabalho empreendedor. Isso porque o investimento inicial não precisa ser somente seu: é possível contatar agentes anjos que utilizam parte do seu patrimônio para investir na sua ideia e facilitar o desenvolvimento da sua startup.

Com um acordo bem estabelecimento, os anjos ganham uma porcentagem do seu lucro até você atingir a meta financeira, fazendo com que a sua empresa cresça rapidamente. Um dos maiores exemplos de startups que tiveram um grande boom em poucos anos é o Airbnb, uma grande rede de aluguel de quartos e imóveis espalhada pelo mundo inteiro.

Os desafios do jovem empreendedor

Ainda que a vida de empreendedor traga uma série de benefícios, como flexibilidade de horários e independência financeira, os profissionais que se arriscam nessa carreira também encontram diversos desafios que podem prejudicar e, muitas vezes, invalidar suas estratégias de crescimento.

Para evitar que eles coloquem em risco a consolidação do seu negócio, é fundamental conhecê-los previamente e montar um plano de contingência, ou seja: caso eles surjam na sua caminhada, você já tem em mente algumas estratégias que podem diminuir o seu impacto negativo. Esse simples contorno da situação permite ações mais eficientes e não desestabilizam a sua posição no mercado.

Portanto, separamos a seguir os principais desafios que o jovem empreendedor encontra e as melhores formas de superá-los. Aproveite para separar o lápis e o papel e anotar todas as nossas dicas, combinado?

Falta de conhecimento e de experiência

Todo profissional em algum momento já teve dificuldades com a falta de conhecimento e de experiência. Afinal, ainda que a graduação garanta uma série de aprendizados para ingressar no mercado, eles não são suficientes para garantir boas oportunidades de trabalho, sobretudo para quem resolve iniciar a sua própria empresa.

Existem poucos estudantes que têm boas experiências antes da formatura, já que as oportunidades de estágio tendem a ser menores. Reforçamos que a principal forma de contornar esse desafio é participando de eventos, workshops e projetos de extensão da própria instituição: esse tipo de atividade fortalece o seu conhecimento na área e auxilia no surgimento de ideias inovadoras para serem implementadas.

Uma alternativa é se destacar em uma área específica. Por exemplo, você pode concluir a sua graduação em Engenharia de Produção, mas apresentar conhecimentos aprofundados sobre Marketing e Comunicação, garantindo um diferencial no seu currículo que pode ser apreciado pelos investidores.

Alta burocracia e taxas tributárias

A legislação brasileira é extensa e apresenta diversos pormenores que precisam ser explorados para que a sua empresa seja legal e viável. Por isso, existem altas taxas tributárias que os empresários precisam pagar para começar a empreender e, finalmente, colocar suas ideias em ação. O fato é que esses dois aspectos diminuem a motivação dos jovens e impedem a construção de inovações.

No entanto, com um pouco de estudo sobre o direito organizacional e o suporte de profissionais formados na área, é possível compreender como ocorre a burocracia e a importância da sua existência, montando um plano eficiente de consolidação empresarial. Assim, todos os processos realizados estão de acordo com a lei, e você garante a sua segurança profissional.

E mais, é possível contar com a ajuda da Confederação Nacional de Jovens Empresários (CONAJE) e do Sebrae para solucionar dúvidas em relação à tributação e aos processos judiciais necessários para a criação do seu negócio. Lembre-se de que o apoio e a supervisão nesse momento são dois aspectos fundamentais para alcançar o sucesso.

Percepção social sobre empreendedorismo jovem

Você lembra que comentamos sobre a tradição empreendedora? Pois é, um dos maiores desafios que os jovens encontram nessa carreira é a percepção social que as grandes empresas têm em relação à sua ambição de trabalho. Afinal, as organizações que já estão há anos no mercado se sentem ameaçadas pelo surgimento de negócios inovadores que trazem soluções mais práticas para seus clientes antigos.

Assim, a luta pela conquista de bons consumidores é potencializada, e as empresas que estão surgindo têm pouco espaço para mostrar seus benefícios. Então, o que fazer para realmente crescer? Uma estratégia inteligente é conhecer quais são os problemas que os seus concorrentes não solucionam e oferecer tal resposta aos seus clientes.

Além disso, o preconceito relacionado à idade também se faz presente para jovens que querem empreender. Isso porque muitos líderes acreditam que pessoas entre 18 e 30 anos não apresentam maturidade para gerir o seu próprio negócio. A chave para resolver esse desafio é o conhecimento: mostrando suas capacidades e suas habilidades, bem como o seu perfil de empreendedor, você conquista os clientes sem precisar enfrentar as grandes empresas.

Dificuldade de conquistar bons investimentos

Por fim, o investimento é um dos principais bloqueadores de crescimento. O fato é que o mundo está cheio de boas ideias que foram perdidas em função da falta de investimento e de divulgação. Uma das melhores formas de contornar tal problema é por meio do desenvolvimento de habilidades socioemocionais.

O que isso quer dizer? Saber como se comunicar com as outras pessoas, fortalecer a sua inteligência emocional e potencializar suas competências de persuasão são pontos essenciais para conquistar investidores. Eles priorizam aqueles profissionais que sabem do que estão falando e conseguem transmitir com perfeição suas criações.

Ainda, conhecer bem o mercado e defender a noção de que a sua inovação faz parte da tendência de consumo é fundamental para agregar investidores de alto valor. Afinal, eles buscam ideias que realmente solucionem problemas sociais e, mais ainda, oferecem um grande retorno de investimento.

Você percebe como o empreendedorismo jovem está conquistando espaço no mercado? Por oferecer uma série de benefícios para líderes e para gestores, esse tipo de trabalho garante um bom crescimento profissional, além de ter um excelente retorno de investimento e possibilitar a realização de um sonho.

Lembre-se de que, para conquistar boas oportunidades e se destacar entre os concorrentes, é fundamental participar de uma universidade que ofereça espaço suficiente para o seu desenvolvimento. A UCL, por exemplo, apresenta a possibilidade de ingresso em projetos de extensão e em empresa júnior, além de permitir a realização de períodos de intercâmbio para fortalecer a sua visão empreendedora.

E então, gostou do nosso artigo? Aproveite para continuar a sua leitura e confira o nosso e-book sobre como fazer uma faculdade sem se endividar!