Não escolha errado: 7 dicas para saber qual faculdade fazer

Chegou o momento de planejar o seu futuro profissional — é preciso fazer uma graduação para conseguir uma vantagem competitiva no mercado de trabalho, além de salários mais altos.

Muitos estudantes já sabem o curso que mais se encaixa em seu perfil, porém ainda têm dúvidas de como escolher qual faculdade fazer. Afinal, é preciso ter certeza de que você está investindo em um ensino de qualidade e que vai trazer benefícios para sua carreira.

Quer saber como não errar? Acompanhe este post e fique por dentro de 7 dicas para você escolher a instituição de ensino superior ideal!

1. Conheça a infraestrutura

A primeira recomendação é visitar a faculdade para você saber se ela fornece uma boa infraestrutura para sua formação — tanto a teórica quanto a prática. É importante saber se os prédios estão conservados e se há boas condições de iluminação, ventilação e limpeza.

Vá até o local e veja como são as salas, espaços de convivência, auditórios, laboratórios de pesquisa, clínicas (no caso de cursos de saúde), recursos tecnológicos, lanchonetes, entre outros ambientes.

Dê atenção especial à biblioteca. Verifique se há um bom acervo de livros, revistas e jornais para consulta, principalmente voltado para sua área, além de ambientes confortáveis para estudos em grupo ou individual. Informe-se também sobre como é a política de empréstimo de materiais.

Mesmo que a sua escolha seja um curso EAD/online (ensino a distância), descubra como é a estrutura (física e digital) oferecida ao aluno.

A dica é ir até o campus e pedir para fazer uma visita. Assim, você fica sabendo se o espaço atende às suas expectativas.

2. Faça pesquisas online

A internet é uma grande aliada se você está em dúvida sobre qual faculdade fazer. Você pode conhecer a infraestrutura, cursos de graduação e de pós-graduação, programas de extensão e outros detalhes por meio de uma pesquisa no site da instituição.

Pode checar ainda como é a reputação da faculdade, verificando nas redes sociais e em sites de busca se há reclamações de alunos e ex-alunos, por exemplo.

3. Confira a nota do MEC

É importante que o aluno saiba qual é a nota da instituição de ensino atribuída anualmente pelo Ministério da Educação (MEC). Desse modo, você consegue fazer a seleção excluindo as que não obtiveram bom desempenho.

Muitas empresas podem considerar a nota da faculdade na hora de selecionar um candidato. Por isso, escolha aquelas com melhor avaliação — pois esse fator pode ter um peso importante no seu currículo.

Como saber o desempenho da instituição de ensino? O MEC realiza duas formas de verificação:

  • CPC (Conceito Preliminar de Curso) — nota que varia de 1 a 5, para cada um dos cursos da faculdade. Considera a nota do Enade (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes), número de professores mestres e doutores, instalações e recursos;

  • IGC (Índice Geral de Cursos) — nota atribuída para faculdade, que varia de 1 a 5, levando em conta aspectos mais gerais, como cursos de graduação e pós-graduação, infraestrutura e outros recursos.

Para descobrir essas notas, basta acessar o site do MEC.

4. Procure saber sobre o corpo docente

Além de uma boa infraestrutura e recursos tecnológicos, é importante que a instituição de ensino tenha um corpo docente de qualidade. A experiência acadêmica e profissional dos professores conta pontos na hora de escolher qual faculdade fazer.

Verifique a titulação, experiência, áreas de pesquisa e outros dados — geralmente elencados no próprio site da instituição. Se quiser ir além, utilize a internet e descubra os trabalhos publicados e outras informações.

Você consegue realizar essa busca também pelo currículo lattes. É só fazer a pesquisa pelo nome do professor e ter acesso a uma série de dados — como formação acadêmica, atuação profissional, linhas de pesquisa, artigos e livros publicados, participação em bancas, premiações etc.

5. Avalie a grade curricular do curso

O que você espera das aulas do curso superior? Quer uma formação mais teórica ou prática? Para saber se a graduação está de acordo com os seus planos, faça uma análise da grade curricular do curso, ou seja, da listagem com as disciplinas por semestre (obrigatórias e optativas).

Veja quais áreas são exploradas, se o conteúdo é atualizado e se há um enfoque para a preparação voltada para o mercado de trabalho. É uma maneira de obter uma espécie de raio-X do curso superior, o que pode facilitar sua escolha.

6. Converse com alunos e ex-alunos

Quem melhor para falar sobre as qualidades e problemas de uma faculdade do que os próprios alunos? Por isso, tente conversar com os estudantes atuais e recém-formados e pergunte como foi fazer a graduação, se eles recomendam a faculdade, como é a rotina das aulas, os laboratórios, preparação para o mercado, entre outros pontos.

As redes sociais podem ajudar nessa busca, indicando quem estuda ou já estudou na instituição de ensino. Entre no canal oficial da faculdade, veja o que foi discutido e não hesite em pedir informações.

7. Verifique a possibilidade de bolsas

Faculdades particulares de qualidade oferecem programas de bolsas. São oportunidades de incrementar a formação com a iniciação científica e tecnológica.

O aluno pode aprender sobre técnicas e metodologias científicas, importante para quem quer seguir carreira acadêmica, ou seja, realizar mestrado e doutorado para tornar-se pesquisador e professor universitário.

É uma maneira também de estar mais próximo dos professores, laboratórios e ter contato com a área da inovação. Além disso, as bolsas podem dar uma forcinha no orçamento — o que vai ajudar no custeio das mensalidades.

Dessa forma, verifique no site da instituição ou descubra durante a visita que fizer à faculdade se há esse tipo de programa e como o aluno pode participar.

Agora você já sabe quais pontos deve analisar ao escolher qual faculdade fazer. Pesquise bastante para obter o máximo de informações sobre a reputação e qualidade dos cursos oferecidos. Assim, vai ficar fácil selecionar a melhor instituição de ensino.

Se você está na rotina de estudar para o vestibular, saiba que a tecnologia pode ajudar. Conheça 12 apps que vão auxiliar você nessa preparação!

 

Afinal, qual é a diferença entre os cursos de Administração e de Logística?

As opções variadas de curso superior trazem incertezas na hora de escolher uma carreira. Muitos alunos que demonstram interesse na área de gestão, ficam divididos, muitas vezes, entre os cursos de Administração e Logística.

É uma dúvida que se justifica, afinal são áreas com algumas semelhanças. No entanto, o mercado de trabalho pode sinalizar rumos diferentes para essas profissões.

Para esclarecer as principais características sobre essas áreas, preparamos este post. Acompanhe e descubra como é a estrutura da graduação, o perfil profissional e as perspectivas de trabalho para cada curso!

Visão geral de cada área

Para saber qual carreira seguir, é importante, primeiramente, entender as características de cada uma dessas áreas. Confira algumas delas a seguir:

Administração

O administrador está presente em empresas de todos os segmentos e portes — tanto públicas como privadas. Ele faz a gestão de materiais, finanças e recursos humanos, podendo atuar em todos os departamentos.

É um profissional que define estratégias, traça metas, lidera equipes, elabora políticas internas, avalia resultados, faz o relacionamento com clientes e fornecedores e busca soluções que garantam um gerenciamento eficiente.

Logística

O profissional de logística atua nas áreas de distribuição, armazenamento e transporte nos setores do agronegócio, indústria, comércio e serviços. Administra materiais e recursos e faz o planejamento de estoque e armazenagem, tanto no que diz respeito à movimentação interna, como no transporte para outras unidades, centros de distribuição e varejo.

Negocia a compra de suprimentos, valor de fretes e pode também atuar na importação e exportação de mercadorias, principalmente em relação às documentações para essas operações.

Estrutura dos cursos

Se você está se decidindo entre fazer a graduação em Administração ou em Logística, um aspecto que deve conhecer é a estrutura de cada curso superior. Veja abaixo:

Administração

Administração é um curso de bacharelado que dura 4 anos e oferece uma formação generalista com disciplinas teóricas e práticas. Os primeiros semestres se voltam para matérias mais abrangentes, como:

  • Economia;

  • Matemática;

  • Informática;

  • Teoria da Administração;

  • Sociologia;

  • Filosofia;

  • Ética;

  • Estatística;

  • Política.

Na sequência, a matriz curricular vai se tornando mais específica e voltada para a atuação no mercado de trabalho, com disciplinas sobre Finanças, Marketing, Produção e Recursos Humanos.

O objetivo é que o bacharel em Administração tenha uma visão analítica sobre o contexto social, político e econômico do país e do mundo e seja consciente quanto às noções de responsabilidade social e ética profissional.

O diploma prepara para a gestão eficiente de organizações, em âmbito público, privado ou terceiro setor. Depois de formado, é preciso que o profissional faça o registro no Conselho Regional de Administração de seu estado para trabalhar legalmente.

Logística

Ao contrário da estrutura do curso superior em Administração, que é mais abrangente, o de Logística é mais direcionado. Trata-se de uma graduação na modalidade tecnológica, que tem duração de 2 anos.

Os cursos para a formação de tecnólogos são formatados pensando no mercado de trabalho, por isso as matérias são mais práticas. Veja algumas das disciplinas da matriz curricular:

  • Administração Financeira;

  • Economia e Comércio Exterior;

  • Logística Empresarial;

  • Compras;

  • Administração de Materiais;

  • Gestão de Estoques e Armazenagem;

  • Gestão de Transportes;

  • Sistemas de Distribuição.

O tecnólogo em Logística está preparado para trabalhar em indústrias e empresas de diferentes portes e setores e é o profissional-chave para elaborar planos estratégicos, visando à economia de recursos e à otimização dos processos da cadeia de produção.

Perfil do profissional

Nesse ponto, as carreiras de Administração e Logística apresentam semelhanças. Nas duas áreas, o profissional deve:

  • gostar de trabalhar em equipe;

  • ser flexível;

  • saber negociar;

  • ter habilidades de comunicação;

  • realizar planejamentos, análises e relatórios;

  • fazer networking;

  • ser organizado;

  • saber liderar;

  • ter habilidade com números;

  • enfrentar desafios.

É importante também que o candidato fique atualizado quanto às tendências tecnológicas do setor — principalmente em relação a sistemas de gerenciamento — e procure estudar um segundo idioma, o que é bastante valorizado por muitas empresas, como as multinacionais.

Para quem quer crescer na carreira, é fundamental também buscar outros cursos de qualificação — como especialização ou MBA (Master in Business Administration) — para agregar valor ao currículo e alcançar melhores oportunidades de trabalho.

Perspectivas profissionais

Confira a seguir como é o mercado de trabalho para os formados em Administração e Logística:

Administração

O fato é que toda empresa precisa de um administrador, ou seja, o mercado de trabalho está sempre com boas oportunidades. Como essa é uma faculdade versátil, a vantagem é que o profissional pode atuar em departamentos variados, como financeiro, compras, vendas, recursos humanos, marketing, entre outros.

É uma área que proporciona o crescimento na carreira. Candidatos que mostram qualidade no trabalho podem subir de cargo com facilidade — quem ingressa como estagiário pode se tornar analista, depois gerente, podendo alcançar também o cargo de diretor, por exemplo.

Além da gestão em empresas, o profissional pode atuar em bancos, organizações financeiras e mercado de capitais. Há oportunidades, ainda, em instituições públicas, em âmbito federal, estadual e municipal, e também no terceiro setor.

Os conhecimentos adquiridos nesse curso superior também são de grande valia para os profissionais que buscam empreender ou prestar consultoria.

Logística

As perspectivas profissionais para os tecnólogos em Logística também são promissoras. É uma área aquecida, principalmente com a globalização dos negócios. Desse modo, a eficiência na armazenagem, compra de suprimentos, transporte e distribuição de produtos tornou-se um diferencial para as empresas.

É preciso utilizar estratégias para reduzir os custos operacionais e agilizar os processos de modo seguro e sustentável — que proporcionem um fluxo otimizado e melhorem os resultados das organizações.

O profissional pode atuar em empresas de segmentos variados, centros de distribuição, portos, aeroportos, transportadoras, terminais de carga, como:

  • coordenador ou gerente de logística;

  • gerente de almoxarifado;

  • gerente de cadeia de suprimento;

  • gerente de expedição;

  • analista de operações logísticas;

  • analista de meios de transportes;

  • analista de processos logísticos.

O mercado de trabalho para Administração e Logística oferece boas oportunidades, no entanto, são áreas com características distintas. Avalie qual o seu perfil e ambições profissionais para descobrir com qual área você mais se identifica e comece a planejar o seu futuro!

Se você tiver mais alguma dúvida sobre os cursos superiores ou áreas de atuação para essas duas carreiras, deixe o seu comentário no post!

Engenharia EAD: é possível estudar Engenharia dessa forma?

O mercado de trabalho está sempre de portas abertas para os engenheiros. Assim, a Engenharia é a área ideal para quem quer trabalhar com números e cálculos e busca uma carreira em ascensão. Se você sonha com essa profissão, mas não consegue organizar seu tempo e orçamento para fazer o curso superior, precisa conhecer a Engenharia EAD/Online.

Isso mesmo! Apesar de ser um curso da área de exatas com muitas práticas em laboratório, algumas áreas da Engenharia já são ofertadas na modalidade ensino a distância.

Essa é a proposta da UCL, instituição de ensino superior que passou a oferecer 4 cursos de Engenharia nesse formato. Acompanhe nosso post, conheça essas carreiras, a metodologia EAD/Online utilizada e todas as vantagens de estudar online!

4 cursos de Engenharia EAD/Online

O engenheiro tem um pensamento analítico, faz planejamentos, trabalha em equipe e está disposto a enfrentar desafios. Além disso, é um profissional que precisa estar sempre atualizado com as últimas tendências de sua área, principalmente tecnológicas.

Você se encaixa nesse perfil e quer fazer essa graduação, mas não consegue comparecer diariamente à faculdade? Então considere estudar na modalidade ensino a distância (EAD/Online).

A UCL oferece 4 cursos de Engenharia nesse formato. Nessa proposta, 70% da graduação é online e 30% presencial, com encontros semanais ou quinzenais aos sábados para avaliações, atividades teóricas e práticas de laboratórios.

Acompanhe a seguir as características de cada curso:

1. Engenharia Civil

O campo de trabalho para o engenheiro civil é bastante abrangente, pois ele pode coordenar e acompanhar todas as etapas de uma construção ou reforma de diferentes empreendimentos, como casas, prédios, estradas, pontes, viadutos e barragens.

O profissional pode atuar no projeto, análise de solo, especificações de instalações elétricas e hidráulicas, definição dos materiais que serão utilizados nas obras, entre outras funções. Cabe a ele gerenciar as equipes de trabalho e fazer todo o planejamento que equilibre prazo e orçamento, sem deixar de seguir padrões de qualidade e segurança.

Pode ainda trabalhar com perícias, transportes, gerenciamento de recursos prediais ou prestar consultoria em diferentes áreas. No setor de saneamento, por exemplo, o engenheiro civil projeta e constrói estações de tratamento e redes de captação e distribuição de água e esgoto.

A graduação em Engenharia Civil EAD/Online tem duração de 5 anos e, nos primeiros semestres, o aluno tem disciplinas mais gerais, como Física, Cálculo e Matemática. Ao longo do curso, o conteúdo se torna mais específico, com aulas direcionadas para projetos, desenho técnico, materiais, hidráulica, estruturas, mecânica dos solos, entre outras.

Ao final, o aluno deve fazer o estágio supervisionado, etapa para aprender com outros profissionais, ficar por dentro da rotina dessa carreira e conhecer as possibilidades de atuação profissional.

2. Engenharia de Produção

O engenheiro de produção pode trabalhar em empresas e indústrias de portes variados e seus conhecimentos vão permitir a otimização dos processos produtivos sem aumento dos custos. É um profissional com uma formação multidisciplinar, que inclui, além do conhecimento técnico, noções comerciais, de administração, economia, logística, gestão financeira e de recursos humanos.

Assim, é figura-chave para empresas que precisam melhorar seus resultados, já que ele faz um planejamento sobre as necessidades da organização para implementar mudanças em sua estrutura, nos processos de produção, escolha de matérias-primas, armazenagem, distribuição e também nas atividades dos colaboradores. Pode ainda fazer um acompanhamento do controle de qualidade de produtos ou serviços.

A graduação em Engenharia de Produção EAD/Online dura 5 anos e, além das disciplinas mais gerais comuns a todas as Engenharias, o aluno recebe um conteúdo voltado também para:

  • administração;

  • gestão financeira;

  • economia;

  • logística;

  • gestão de qualidade;

  • processos gerenciais.

O objetivo é formar um profissional que tenha uma visão sistêmica da organização e que consiga pensar em estratégias para sistemas produtivos mais eficientes, ou seja, que unam o aumento da produtividade e redução de custos.

Para receber o diploma, é obrigatório realizar o estágio ao final do curso.

3. Engenharia Química

É uma carreira voltada para o desenvolvimento de produtos e processos da indústria. O profissional pode atuar desde a extração da matéria-prima com o mínimo impacto ambiental até sua transformação em produtos por meio de processos químicos.

Dessa maneira, é bastante requisitado para indústrias de alimentos, farmacêuticas, cosméticas, de papel e celulose, petróleo, de tinta, entre outras. Seu campo de atuação é vasto, pois pode trabalhar com:

  • estudo de viabilidade técnica e econômica para o desenvolvimento de novos produtos;

  • projeto e gerenciamento de instalações de indústrias da área química;

  • definição de normas para manipulação e descarte de produtos químicos;

  • análise de impacto ambiental;

  • desenvolvimento de tecnologias limpas nos processos industriais;

  • tratamento de resíduos para a indústria;

  • controle de qualidade de produtos;

  • perícias, avaliações e emissões de laudos técnicos referentes à produção industrial.

O bacharelado em Engenharia Química EAD/Online dura 5 anos e, nos primeiros semestres, a grade curricular é mais generalista, com disciplinas como Física, Química, Matemática e Cálculo. Ao longo do curso, o conteúdo se torna mais prático e específico, com aulas práticas em laboratório — como Bioquímica, Química Analítica e Termodinâmica — que preparam para a vida profissional. Assim como ocorre nas outras Engenharias, é obrigatória a realização do estágio.

Engenharia Mecânica

A Engenharia Mecânica EAD/Online é uma área que trabalha com a física e ciência dos materiais. Assim, quem possui o diploma desse curso superior tem várias oportunidades profissionais, pois pode atuar no planejamento, projeto, fabricação e manutenção de máquinas, equipamentos, ferramentas, instalações industriais, estruturas mecânicas e meios de transporte.

O profissional é bastante requisitado em diferentes segmentos da indústria, mas também é contratado por empresas que prestam serviços de projetos e consultoria. Pode atuar com:

  • instalação e manutenção de máquinas e equipamentos, como turbinas, bombas, caldeiras e válvulas;

  • desenvolvimento de equipamentos, veículos, ferramentas, dispositivos e catálogos técnicos;

  • monitoramento de processos térmicos e hidráulicos de equipamentos industriais;

  • projeto de fábricas e usinas;

  • controle de qualidade;

  • pesquisa e desenvolvimento de protótipos e produtos;

  • realização de pesquisas na área da Engenharia Mecânica.

A graduação de Engenharia Mecânica EAD/Online tem duração de 5 anos e, assim como nos cursos que citamos anteriormente, nos primeiros semestres o aluno tem disciplinas como Matemática, Física e Cálculo.

Ao longo do curso, o conteúdo é mais direcionado para sistemas mecânicos, com aulas sobre Resistência de Materiais, Processos de Fabricação, Eletrotécnica, Sistemas Hidráulicos, Automação Industrial, Tecnologia Mecânica, entre outras.

Para a obtenção do diploma, o aluno precisa realizar o estágio ao final do curso.

Metodologia EAD/Online aplicada na UCL

Muita gente quer se qualificar e obter o diploma de curso superior, mas não consegue fazer a faculdade por vários motivos: trabalho em tempo integral, dificuldades de orçamento ou outras razões que impedem o deslocamento diário até a instituição de ensino.

No entanto, com a possibilidade do EAD/Online — modalidade que se populariza a cada ano no Brasil com a oferta dos mais variados cursos — não há motivos para deixar de fazer uma graduação.

E se você quer fazer a faculdade de Engenharia, saiba que essa área também é oferecida no formato a distância. E nesse ponto temos que destacar o pioneirismo da UCL, a primeira faculdade do Espírito Santo com o curso de Engenharia Mecânica EAD/Online é a primeira do Brasil a oferecer a Engenharia Química nessa modalidade.

É preciso salientar que a qualidade dos cursos é a mesma das versões presenciais, o que muda é a forma de aprendizagem e apresentação do conteúdo. Confira abaixo como é a metodologia EAD/Online da UCL:

Plataforma Virtual

As pessoas têm desconfiança com a metodologia EAD/Online porque criam a falsa ideia de que ficarão perdidas com as disciplinas e atividades. Saiba que esse tipo de curso é muito bem estruturado em uma plataforma virtual intuitiva, ou seja, desenvolvida para que o aluno navegue sem problemas.

A plataforma utilizada pela UCL é chamada de ESO, a mesma utilizada pela Universidade de Harvard e pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). É, portanto, um meio de comprovada qualidade e com os melhores recursos para a realização de um curso superior.

Nela, o aluno tem disponível grande parte do conteúdo do curso, o qual pode acompanhar nos locais e horários mais convenientes, o que facilita sua vida.

Em caso de dúvidas, o estudante conta com tutores online. Pode ainda conversar com professores e colegas nos mais variados canais de comunicação.

Outra vantagem da interface ESO são as ferramentas síncronas, que permitem interação em tempo real com professores e colegas por videoconferências e outros meios, e assíncronas, por chats e fóruns de discussão.

Com isso, o aluno conta com um suporte tecnológico de alta qualidade para acompanhar as disciplinas, mas não está sozinho, pois pode se comunicar com o corpo docente e sua turma.

Vestibular

O ingresso para os cursos de Engenharia EAD/Online da UCL ocorre da mesma forma que os tradicionais — o aluno precisa ser aprovado em processo seletivo ou pode utilizar a nota obtida no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM).

Provas

Apesar de o aluno acompanhar o curso a distância, as provas são realizadas presencialmente nos encontros semanais ou quinzenais, dependendo do curso.

Essas avaliações vão compor as notas totais das disciplinas. Dessa maneira, o aluno precisa se dedicar, montar um plano de estudos para acompanhar o conteúdo e se sair bem nas provas.

Aulas teóricas e práticas

As Engenharias na modalidade EAD/Online da UCL têm 30% de seu conteúdo presencial — voltados para as provas, atividades teóricas e práticas. Para isso, os alunos devem se dirigir ao campus, geralmente aos sábados. Os encontros são semanais ou quinzenais, de acordo com o planejamento de cada curso.

Isso é muito importante para as aulas de laboratório, que fazem parte da grade curricular dos cursos de Engenharia. Dessa maneira, os alunos conseguem adquirir as habilidades práticas como se estivessem em uma graduação tradicional.

Corpo Docente

Não é porque o curso é oferecido a distância que não há coordenadores e professores de cada disciplina. O corpo docente das graduações de Engenharia EAD/Online é o mesmo dos cursos tradicionais, assim como a grade curricular e tempo de curso (10 semestres).

Em resumo, a qualidade do curso superior presencial ou no formato online é exatamente igual. Dessa forma, se você quer estudar com esse método inovador, vá em frente!

Os alunos convivem com os professores nos encontros presenciais ou podem interagir em tempo real pelas ferramentas online. Por isso, esqueça a ideia de que estará estudando sozinho: é claro que há uma autonomia maior do aluno, que dita seu próprio ritmo de estudo, porém isso não quer dizer que o seu desempenho não seja monitorado pelos professores.

Acervo da biblioteca

Ao estudar Engenharia EAD/Online, você pode utilizar o acervo físico da biblioteca da UCL. Mas não é só: há ainda a bibliografia utilizada no curso, que fica disponível no formato digital, ou seja, pode ser consultada onde e quando o aluno precisar.

Bolsa

Os cursos de Engenharia EAD/Online da UCL já apresentam uma mensalidade bastante reduzida em comparação com os cursos tradicionais. Até o momento, essas graduações ainda não estão incluídas em programas de bolsa do governo. O que existe é a possibilidade de programas de bolsas aplicados pela própria UCL, como monitorias e iniciação científica.

Estágio

Os cursos de Engenharia EAD/Online têm a obrigatoriedade do estágio e ele deve ser realizado normalmente — o aluno tem o dever de se deslocar até o local onde essa prática supervisionada será realizada da mesma forma que os alunos dos cursos presenciais.

Vantagens de estudar a distância

Vivemos na era digital — é só olharmos para o lado e, certamente, alguém estará conectado ao smartphone para trabalhar, descontrair, fazer uma compra ou transação bancária. Por que então não aproveitar as facilidades dessa inovação também para a área da educação?

A rotina das pessoas é cada vez mais corrida e ninguém quer perder tempo! Por outro lado, o mercado de trabalho exige um profissional qualificado e, por isso, o diploma de ensino superior é indispensável. Para suprir essa necessidade, há a opção das graduações EAD/Online, inclusive para algumas Engenharias.

Assim, quem escolhe essa modalidade pode se qualificar com um curso de qualidade sem precisar modificar sua agenda de trabalho ou estilo de vida. Se você ainda tem dúvidas, veja a seguir todos os benefícios de estudar a distância:

Flexibilidade para estudar

A flexibilidade é um dos grandes diferenciais desse formato de aprendizado. Como todo o conteúdo fica disponível online, o estudante só precisa de um dispositivo conectado à internet. Pode ser um notebook, tablet ou até mesmo o smartphone.

Desse modo, você pode estudar quando e onde quiser. Se trabalha o dia todo e só tem o período noturno para assistir às aulas não tem problema. É o aluno quem conduz seus estudos e escolhe o melhor horário e local para isso — sua própria casa, na biblioteca ou até no trabalho, no intervalo para o horário do almoço, por exemplo.

Caso surja algum imprevisto, você pode se reorganizar em outro momento para acompanhar as disciplinas.

Essa versatilidade ajuda muito quem não tem tempo para se deslocar até a instituição de ensino ou ainda o profissional que viaja muito a trabalho e não tem uma rotina regular. Assim, todos têm a oportunidade de fazer um curso superior, independentemente da rotina e dos compromissos.

Apesar dessas facilidades para seguir o curso, é muito importante ser organizado, pois é uma graduação como qualquer outra, ou seja, a dedicação do aluno é fundamental. A dica é não deixar os conteúdos se acumularem e ter o hábito de tirar todas as dúvidas com os professores.

Mensalidades mais acessíveis

Geralmente as mensalidades dos cursos a distância são mais baixas do que os cursos presenciais. Na UCL, por exemplo, a Engenharia EAD/Online custa, em média, 50% do valor da modalidade tradicional.

Para muita gente que está adiando o sonho de fazer um curso superior, essa é uma vantagem e tanto. Sem contar que, ao escolher um curso nesse formato, o aluno pode continuar trabalhando e assim tem uma renda certa para custear os estudos.

A economia não para por aí: como não há a necessidade de se deslocar de segunda a sexta-feira até a instituição de ensino, você economiza com o transporte, ou seja, com passagens de ônibus ou combustível.

Economia de tempo

As pessoas têm uma rotina agitada e estão sempre correndo para conseguir dar conta de todos os compromissos. Com a modalidade a distância, você ganha tempo, pois pode estudar diretamente no seu notebook de onde estiver. Assim, não gasta horas de transporte diariamente para chegar na faculdade e assistir às aulas.

Validade do diploma

Cursos superiores na modalidade EAD/Online ainda deixam muitas pessoas desconfiadas e um dos pontos que gera dúvidas é quanto à validade do diploma. Saiba que o documento que comprova a conclusão da graduação a distância é exatamente o mesmo do presencial.

É importante esclarecer que, para oferecer qualquer tipo de curso superior (presencial ou a distância), a instituição de ensino e a graduação em questão devem ser aprovadas em avaliações realizadas pelo Ministério da Educação (MEC). São indicadores que avaliam a infraestrutura, projeto pedagógico, corpo docente e desempenho dos alunos.

Dessa maneira, quando a faculdade e o curso superior têm autorização do MEC para funcionar, automaticamente seu diploma tem o reconhecimento desse órgão.

Saiba ainda que nesse documento não consta a modalidade de ensino, pois isso é um fator indiferente. O que importa é que o estudante finalizou a graduação, ou seja, cumpriu todas as exigências acadêmicas.

Até mesmo para o mercado de trabalho torna-se irrelevante a forma como foi realizado o curso superior. O que os gestores querem é um profissional com o conhecimento e habilidades necessárias para a função que vai exercer.

Aliás, muitas empresas até valorizam quem conseguiu se formar estudando a distância, pois isso demonstra que ele é um profissional proativo e que está aberto à aprendizagem.

Portanto, pode ficar despreocupado em relação ao diploma. Você pode entrar em um curso de Engenharia EAD/Online sem medo, pois ao final terá um documento que comprova que está apto para exercer a profissão e dar início a sua carreira.

Autonomia do aluno

O modelo tradicional de ensino vê o professor como a figura-chave na condução dos alunos. E realmente o papel desse profissional é fundamental na aprendizagem. No entanto, com o sucesso da metodologia EAD/Online, ficou provado que o docente não precisa, necessariamente, estar ao lado do estudante para que ele possa avançar nas disciplinas.

Isso porque, ao estudar online, você ganha autonomia. Pode avançar mais rapidamente em assuntos com os quais tenha mais facilidade e revisar um conteúdo que seja mais difícil para você quantas vezes quiser. Não é necessário esperar toda a turma assimilar o assunto para passar adiante. Você é quem dita o próprio ritmo!

Além disso, ao acompanhar as aulas sozinho, você consegue se concentrar melhor, o que aumenta sua produtividade com os estudos.

Tudo isso traz ganhos também para o seu crescimento pessoal, porque você percebe que consegue aprender sem precisar que outra pessoa monitore de perto seu desempenho. Descobre assim suas potencialidades e dificuldades e acaba adaptando o melhor método de estudo.

Com essa postura, o aluno acaba indo além dos temas exigidos em sala de aula. Ele também fica à vontade para buscar conteúdos e leituras extras, seja em livros, revistas ou até na internet, em sites especializados ou vídeos.

E, após ficar familiarizado com esse formato, fica mais fácil ter interesse por outras qualificações após a graduação, como um curso de especialização ou MBA (Master in Business Administration) também EAD/Online.

Networking

Como já dissemos, apesar de 70% do conteúdo da Engenharia EAD/Online ser digital, não quer dizer que o estudante estará sozinho. O convívio com professores e outros colegas vai acontecer semanalmente ou quinzenalmente, sem contar os recursos de interação oferecidos pela plataforma virtual.

Com isso, é possível fazer networking, ou seja, formar uma rede de contatos profissionais para a troca de conhecimentos, experiências e até para indicações para estágio e emprego.

Agora você já sabe que pode se qualificar com uma das opções de Engenharia EAD/Online: são cursos de qualidade e com boas perspectivas profissionais. Avalie cada graduação que apresentamos neste post e veja aquela que mais se encaixa com seus planos de carreira.

Quer receber mais informações sobre esses cursos de Engenharia no formato a distância? Entre em contato com a UCL Ensino Superior e tire todas as suas dúvidas!

 

Pós em Engenharia de Segurança do Trabalho: vale a pena cursar?

A consciência sobre a importância da saúde e da segurança do trabalho vem crescendo no Brasil na mesma velocidade que as inovações tecnológicas e as novas descobertas sobre a importância do bem-estar, da ergonomia e outras questões que influenciam na produtividade e nas relações entre as pessoas. É cada vez maior a disseminação de dados sobre os acidentes e as doenças decorrentes do trabalho, o que torna esse mercado mais aberto à valorização da qualidade de vida no ambiente laboral.

É justamente nesse nicho que se adequam os profissionais que optam por fazer uma pós em Engenharia de Segurança do Trabalho como uma escolha para quem busca uma pós-graduação na área da engenharia.

São muitos os desafios desse mercado de trabalho: se há 20 ou 30 anos mal se ouvia falar em ergonomia no Brasil, e as empresas sequer tratavam desse conceito em seus escritórios ou no chão de fábrica, o cenário atual é completamente diferente. Hoje, a segurança do trabalho é uma área relacionada diretamente à estrutura de gestão das companhias, ligada aos cargos de diretoria.

Essa consciência sobre a importância da qualidade de vida no trabalho tornou a formação de profissionais voltados a esse segmento imprescindível. Aqui entram, não apenas a segurança, mas a prevenção de riscos de acidentes, a relação com o meio ambiente, a redução de custos operacionais relacionados a acidentes, as doenças laborais e a gestão dos funcionários, entre outros.

Quer saber mais sobre a pós em Engenharia de Segurança do Trabalho, o que você precisa para fazer essa especialização e como anda o mercado para quem pretende atuar nessa área tão promissora? Então, continue lendo este post e tome uma decisão que poderá mudar a sua vida!

Do que se trata uma pós em Engenharia de Segurança do Trabalho?

A pós-graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho é uma especialização do tipo lato sensu, ou seja, está mais voltada para as áreas técnicas com conhecimento prático e extremamente voltado ao que o mercado de trabalho exige. Por isso, ela é mais procurada pelas pessoas que querem crescer profissionalmente.

O curso proposto tem o objetivo de formar profissionais especializados na atuação de áreas como a segurança e a higiene do trabalho. O contexto aplicado nessa formação é o da prevenção e proteção da saúde do trabalhador em todas as áreas de sua atividade ocupacional e, também, em todos os setores de produção de bens e de serviços.

Atividades práticas

A profissão do engenheiro de segurança do trabalho é normatizada pela Lei nº 7.410, de 27 de novembro de 1985. De acordo com o texto, para ser engenheiro de segurança do trabalho, é preciso, antes, ter cursado qualquer curso na área de engenharia ou arquitetura (falaremos mais sobre isso posteriormente).

A lei exige que o profissional dessa área seja formado em nível de pós-graduação por curso aprovado pelo Ministério da Educação. Quem opta por essa carreira acaba passando pelas áreas da Matemática, Física e Química.

A grade abrange tanto disciplinas extremamente técnicas como outras que darão apoio sobre aspectos sociais e culturais relacionados ao trabalho. Assim, quem sobreviver ao fim de cada semestre terá passado pela seguinte grade curricular:

  • Introdução à Engenharia de Segurança do Trabalho;

  • Psicologia na Engenharia de Segurança do Trabalho, Comunicação e Treinamento;

  • Legislação e Normas Técnicas;

  • Gerência de Riscos;

  • Ergonomia;

  • Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações;

  • Proteção Contra Incêndio e Explosões;

  • O Ambiente e as Doenças de Trabalho;

  • Higiene do Trabalho;

  • Proteção do Meio Ambiente;

  • Administração à Engenharia de Segurança;

  • Importância Estratégica da Gestão Integrada de Segurança, Meio Ambiente e Saúde no Trabalho;

  • Tópicos Especiais em Segurança e Saúde no Trabalho;

  • Metodologia de Pesquisa.

Validação do diploma em Engenharia do Trabalho

O curso de pós-graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho dá ao aluno uma nova atribuição profissional, reconhecida pelo sistema CONFEA/CREA. Ele é importante para garantir que as empresas obedeçam à Lei nº 6.514, de 22/12/1977, e à Portaria nº 3.214, de 08/06/1978, que exigem que haja, em seus quadros de colaboradores, profissionais de engenharia, arquitetura ou agronomia especializados em engenharia de segurança e higiene do trabalho.

Como mencionamos, de acordo com a legislação, os cursos de pós-graduação nessa área são voltados à obtenção de habilitação de especialista em Engenharia de Segurança do Trabalho junto ao CREA, sendo aceita exclusivamente para engenheiros e arquitetos.

Outros profissionais com formação de nível superior podem ser aceitos no curso por meio de análise do currículo. Mas eles receberão um certificado de especialização em nível de pós-graduação lato sensu em Higiene e Segurança do Trabalho.

A diferença entre os dois tipos de profissionais é grande. Apenas os engenheiros e arquitetos com pós em Engenharia de Segurança do Trabalho, por exemplo, podem elaborar laudos, como o LTCAT (Laudo Técnico das Condições Ambientais do Trabalho) e o Laudo de Insalubridade. Vale ressaltar que o engenheiro de segurança do trabalho não pode atuar nas empresas como técnico de segurança do trabalho e vice-versa.

Para quem o curso é indicado?

Com um mercado de trabalho cada vez mais competitivo, com milhares de profissionais sendo graduados anualmente em todas as áreas e em diferentes campos de atuação, o que cada pessoa deseja é ter um diferencial para conquistar um lugar para trabalhar. Para conseguir isso, é necessário se destacar em seu segmento, mostrando o que as companhias exigem: competência, qualificação e vontade de aprender sempre.

Na engenharia, atualmente, buscar esses atributos em uma pós-graduação é praticamente uma regra que deve ser seguida por todos aqueles que querem buscar melhores oportunidades de emprego e de promoção para cargos em níveis de gestão, por exemplo.

Além disso, fazer uma especialização desse tipo possibilita que você aumente a sua rede de relacionamentos e de contatos; busque melhores salários; dê um upgrade no seu currículo; e que tenha mais satisfação pessoal e realização profissional.

Muitas vezes, acabamos adiando os planos para voltar a estudar, simplesmente pelo fato de acharmos que eles não cabem em nosso dia a dia, já tão corrido e cansativo. Mas há maneiras de aliar o trabalho, o lazer e a pós em Engenharia de Segurança do Trabalho sem perder os melhores momentos da vida. Para isso, é preciso criar uma rotina encontrar um local de estudos adequado.

Elabore um cronograma diário, use suas horas livres para estudar e fique livre de distrações. Você vai ver que, se conseguir manter o foco, certamente terá um ótimo desempenho na sua pós-graduação.

Quando é a hora certa de fazer esse investimento?

A decisão sobre quando você deve fazer a matrícula para a pós-graduação em Engenharia de Segurança do Trabalho deve ter como base o seu planejamento de carreira e a necessidade de diferenciação no mercado de trabalho. Com o crescimento do número de pessoas que fazem uma graduação a cada ano, cada vez mais as empresas buscam profissionais com outras qualificações.

Ao fazer essa pós-graduação, o principal impacto na sua carreira será, certamente, o destaque que você terá em relação a outros candidatos durante processos seletivos. Quanto mais disputadas as vagas e quanto maior a empresa, mais exigências são feitas aos profissionais no processo de escolha para preenchimento dos cargos.

A seguir, vamos detalhar as vantagens dos pós-graduados em Engenharia de Segurança do Trabalho:

Diferencial

Na maioria dos segmentos, ter um diploma de graduação já não é mais suficiente para que você apresente um diferencial, algo a mais para se destacar diante do quadro de funcionários que uma empresa já tem. Quando faz uma pós, você mostra que tem vontade de se desenvolver, crescer, ampliar seus conhecimentos e conquistar novos postos.

Além disso, a pós em Engenharia de Segurança do Trabalho, por exemplo, aumentará o seu campo de conhecimento, aliando teoria e prática de forma mais aprofundada. Dentro da empresa onde trabalha, você passa a ser visto como um especialista, alguém a quem as pessoas recorrem para resolver problemas e criar soluções.

Salários maiores

Ter uma pós-graduação, certamente, fará com que seu salário e o seu reconhecimento sejam maiores. As empresas também costumam oferecer bonificações para as pessoas que buscam maior qualificação e as chances de conseguir promoções aumentam de forma significativa.

Promoções

Outro benefício é que, em geral, os cargos de gestão, supervisão e direção das companhias, em especial as multinacionais, são ocupados por pessoas que constroem uma trajetória de crescimento na empresa, principalmente com base no aperfeiçoamento.

Portanto, ao se qualificar, você toma a dianteira da equipe na hora de ser escolhido para um nível superior. É a grande chance de aplicar o que aprendeu nas aulas à realidade prática da empresa em que atua, tomando uma posição de liderança e ajudando a melhorar os resultados da empresa.

Networking

Outro motivo que poderá levar você a escolher esse caminho é o contato direto com pessoas ativas no mercado de trabalho, que estão em organizações diferentes ou até maiores que a sua, atuando em áreas diversas.

Assim, você poderá aumentar o seu networking, ter informações de grandes companhias, estabelecer contatos e parcerias e abrir novas portas para a sua carreira.

Atualização

Em um mundo em que a velocidade da informação é cada vez maior, manter-se atualizado, ampliando seus conhecimentos e habilidades, torna-se fundamental para quem quer construir uma carreira sólida. Como é feita em períodos mais curtos do que a graduação, você tem a possibilidade de cursar diversas especializações que possibilitarão que você esteja sempre por dentro das inovações.

Por que as empresas contratam o engenheiro de segurança do trabalho?

As organizações buscam, com urgência, profissionais que estejam aptos a controlar os riscos de acidentes. O foco, nesse caso, é a qualidade de vida do trabalhador. Mas também está no fato de a empresa ter muitos prejuízos, tanto financeiros quanto de imagem, quando há um acidente envolvendo pessoas.

A redução das doenças ocupacionais, que também é parte da preocupação do engenheiro de segurança do trabalho, é uma decisão de gestão que visa melhorar o desempenho do negócio, tornando-o ainda mais competitivo.

Além disso, sabe-se que as novas gerações procuram trabalhar nos lugares que oferecem os melhores benefícios. Ou seja, se você quer os profissionais mais qualificados do mercado em sua companhia, deve ter um olhar cuidadoso sobre a qualidade de vida laboral.

Em resumo, a segurança do trabalho traz os seguintes benefícios às empresas:

  • evita o afastamento de empregados, o que resultaria em perda de produtividade;

  • ajuda a obter certificações nacionais e internacionais em saúde e segurança, cada vez mais exigidas pelo mercado;

  • chama atenção do consumidor final, que está cada vez mais de olho nas ações de responsabilidade social das empresas na hora de escolher o produto que vai consumir.

O que o mercado espera de um engenheiro de segurança?

Reduzir ou eliminar os riscos de acidentes de trabalho em seus processos, zelando pela saúde e integridade física do trabalhador. Esse é o objetivo principal das empresas que buscam o profissional com pós em Engenharia de Segurança do Trabalho. Por isso, ao escolher essa área, você deve descobrir se tem o perfil profissional para atuar nela.

Outras situações em que esse profissional é requisitado são:

  • elaboração, fiscalização e gestão dos planos de prevenção de acidentes ambientais;

  • consultoria em segurança e higiene do trabalho;

  • assessoria na análise de ambientes, materiais e processos de fabricação voltada à área de segurança e saúde laboral;

  • orientação à Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (Cipa);

  • avaliação e gestão do uso, por parte dos trabalhadores, de equipamentos de proteção individual (EPIs);

  • organização de palestras e treinamentos sobre normas governamentais de segurança do trabalho;

  • preparação de diagnósticos de análise de riscos e planos de segurança para empresas públicas e privadas;

  • criação de equipamentos e máquinas que respeitem as normas de segurança do trabalhador e ajudem na redução de custos de operação;

  • elaboração de laudos de periculosidade, de insalubridade e outros;

  • participação em perícias trabalhistas.

Como vai a área de segurança do trabalho?

Quando se começou a falar em saúde e segurança do trabalho há algumas décadas, ela era tratada apenas como uma obrigação legal. Uma formalidade exigida das empresas para que não tivessem problemas com o Ministério do Trabalho.

Mas os empresários passaram a enxergar, com inteligência, que a preocupação com a qualidade de vida dos trabalhadores e com os cuidados com sua saúde e integridade poderia ser preciosa, tanto para a imagem da empresa, quanto para o equilíbrio das suas contas.

Não é para menos: o Brasil está em quarto lugar na lista mundial de acidentes de trabalho, segundo o Ministério Público do Trabalho. A legislação nacional já exige que haja em todas as empresas uma equipe de segurança do trabalho, mas ainda há muito a ser feito.

Os profissionais que fazem a pós em Engenharia de Segurança do Trabalho devem entender dos processos em todas as áreas, desde o trabalho manual até os de complexidade tecnológica para poderem fazer com que essa preocupação evolua em todos os segmentos.

Eles devem saber diagnosticar problemas, prever e mensurar os riscos. Além disso, é responsabilidade do engenheiro de segurança do trabalho avaliar os resultados das mudanças de processos e implementar as mudanças necessárias para garantir a qualidade de vida do trabalhador, sem que isso afete a sua produtividade.

Profissão do futuro

A mudança de conceito por parte dos empresários, que passaram a enxergar a segurança do trabalho como fundamental para as companhias, levou a profissão a ser considerada um dos segmentos em expansão constante na área da engenharia, independentemente dos momentos de crise pelos quais o país possa passar.

Assim, ela deve ser sempre considerada uma profissão do futuro, especialmente se você achar que as inovações tecnológicas serão sempre aliadas desse setor. O investimento em prevenção de acidentes, prejudiciais tanto ao meio ambiente quanto ao trabalhador, tem sido cada vez mais recorrente entre as empresas que prezam pela sua imagem diante do público consumidor.

Nos últimos anos, as grandes corporações têm exigido da sua cadeia de fornecedores essa preocupação, além de certificações e acreditações nesse sentido.

Mercado de trabalho

Para as pessoas que optam por fazer pós em Engenharia de Segurança do Trabalho, o mercado tem oferecido salários atraentes e boas oportunidades de desenvolvimento dentro das empresas.

Destacam-se as áreas de exploração de petróleo e construção civil como os mercados mais abertos para quem quer atuar nesse segmento. Mas os estabelecimentos de saúde também estão voltando seus olhares à segurança do trabalho, ampliando as oportunidades para os engenheiros especialistas.

Outra possibilidade de atuação nessa área permite que o profissional trabalhe como consultor ou prestador de serviço. A vantagem, nesse caso, é que você poderá trabalhar com vários segmentos ao mesmo tempo, elaborando laudos de ergonomia, promovendo avaliações de riscos dos processos ou atuando na perícia, por exemplo.

Há campo de trabalho, ainda, para quem prefere o setor público. Muitas autarquias promovem concursos públicos para quem tem a pós em Engenharia de Segurança do Trabalho.

Quanto aos locais onde você vai encontrar as maiores e melhores oportunidades de emprego em Engenharia de Segurança do Trabalho, destacam-se as regiões mais industrializadas, como Sul e Sudeste. Porém, com cada vez mais incentivos fiscais às empresas, Norte, Centro-Oeste e Nordeste também vêm oferecendo cada vez mais postos de trabalho.

Razões para investir

Como você já deve ter percebido, há muitos motivos para que o mercado da Engenharia de Segurança do Trabalho esteja em constante expansão, garantindo postos de trabalho para quem optar por esse segmento. Conheça algumas razões e detalhes sobre isso a a seguir:

Afastamento de empregados

Um acidente de trabalho causa prejuízos à empresa, que terá de oferecer suporte à família e ao trabalhador no período em que ele estiver afastado. Além disso, o índice de produtividade no setor em que ele opera cairá consideravelmente.

Concorrência acirrada

O mercado internacional e, mais recentemente, também o nacional exigem das empresas certificações e acreditações em saúde e segurança. Ter esse diferencial certamente coloca as empresas em um ponto acima da média em relação aos concorrentes.

Papel social

Atualmente, cada vez mais as pessoas buscam nas marcas características e valores que correspondam aos seus próprios. Portanto, a responsabilidade social e ambiental deve ser levada em consideração na hora de conquistar o seu público.

Como escolher a instituição de ensino certa para a pós-graduação?

Depois de ler todas essas informações sobre a importância de fazer pós-graduação, por que escolher a pós em Engenharia de Segurança do Trabalho, dados sobre o mercado de trabalho e as atividades exigidas para esse profissional, você deve estar se perguntando: como optar por uma instituição confiável? Afinal, o investimento na especialização custa tempo e dinheiro, então a sua escolha deve ser certeira, não é mesmo?

Algumas dicas podem ajudar você a optar por uma instituição de ensino íntegra e que realmente vá ajudá-lo a se desenvolver profissionalmente. A primeira delas é: faça uma visita à faculdade. Conhecer a infraestrutura oferecida, saber se há laboratórios, bibliotecas atualizadas e equipamentos tecnológicos suficientes para auxiliar no seu aprendizado é fundamental.

O segundo passo é checar se os cursos oferecidos são credenciados pelo Ministério da Educação. Você também precisa pesquisar sobre a reputação da instituição e confirmar se ela é reconhecida pelos profissionais da sua área de atuação.

Um dos valores mais importantes de um curso de pós-graduação é a formação do seu corpo docente. Procure conhecer quem são os professores que darão as aulas da especialização, leia sobre eles e sobre os seus trabalhos, conheça a metodologia de ensino aplicada e o seu comprometimento com os alunos.

Por fim, não se esqueça de conferir se as mensalidades da instituição escolhida cabem no seu bolso e se a localização da faculdade favorece o seu deslocamento e a rotina que você vai criar para seus estudos.

Percebeu como o mercado de trabalho está cada vez mais exigente com relação às suas qualificações profissionais? Escolher a pós em Engenharia de Segurança do Trabalho vai ajudar você a manter-se capacitado e ter um diferencial em relação a outros engenheiros.

Se ficou interessado em fazer o curso, entre em contato conosco para tirarmos todas as suas dúvidas sobre este assunto! A UCL possui dois campi no Espírito Santo, com forte atuação na área de tecnologia, oferecendo, como seu principal diferencial, projetos de pesquisa e modernos laboratórios.

Tudo o que você precisa saber sobre o ensino EAD

Um dos maiores avanços que a tecnologia trouxe para a educação foi a possibilidade de os estudantes poderem frequentar um curso superior a distância. O ensino EAD amplia o acesso às faculdades, permitindo que os alunos assistam às aulas sem nem mesmo precisar sair de casa.

Diante da dificuldade em conciliar trabalho com educação, da distância entre casa e faculdade ou de diversas outras razões, muitas pessoas se veem impossibilitadas de frequentar um curso presencial, pois essa modalidade de ensino é bastante inflexível em seus horários e formas de acesso.

A graduação a distância, por outro lado, oferece toda a flexibilidade que os estudantes precisam, permitindo que qualquer pessoa consiga seu diploma, independentemente de onde estejam ou do quão apertada seja sua rotina diária.

Se você ainda não sabe como funciona a educação a distância, não se preocupe! Acompanhe o post de hoje para saber tudo sobre o assunto!

O que é ensino EAD?

Para quem não sabe, a educação a distância (EAD) é uma modalidade de ensino que oferece às pessoas a possibilidade de fazer uma graduação superior, cursos de capacitação, pós-graduação ou especialização sem nem mesmo precisar sair de casa.

Para frequentar as aulas, resolver exercícios e interagir com os outros estudantes, você precisa apenas de um computador, celular ou tablet com acesso à internet. As aulas e demais materiais ficam disponíveis no site ou aplicativo da faculdade e podem ser acessados quando e onde o estudante quiser.

Essa não é uma modalidade de ensino exclusiva dos dias atuais. Ela já existe há um bom tempo, muito antes do advento da internet. A diferença é que, antigamente, os cursos eram feitos por correspondência, e isso tornava o processo muito limitado.

Receber os materiais por correio, sem a possibilidade de conversar com professores, tirar dúvidas ou interagir com outros colegas, fazia com que esses cursos não fossem tão aprofundados quanto os presenciais.

Nos dias de hoje, porém, o avanço da tecnologia tornou o ensino EAD equiparável ao presencial, pois permite que os estudantes assistam às aulas por meio de vídeos online, troquem ideias com seus professores por e-mails ou chats e ainda interajam com seus colegas nos fóruns digitais da instituição.

Além de tudo isso, as instituições de ensino superior que oferecem a modalidade EAD também possuem polos presenciais que dão apoio aos estudantes. Neles, é possível acessar laboratórios, bibliotecas, salas de aulas para aplicação de provas, entre muitas outras facilidades que complementam o aprendizado.

Em resumo, o ensino EAD dá aos estudantes toda a flexibilidade necessária para conciliar o aprendizado com outras atividades. Dessa forma, elimina-se qualquer obstáculo capaz de impedir o investimento na educação, como falta de tempo, dificuldade de locomoção ou até mesmo as despesas para pagar a faculdade, tendo em vista que os cursos a distância costumam ser mais baratos que os presenciais.

Quais são as diferenças entre ensino EAD e ensino híbrido?

Para responder a essa pergunta, é preciso traçar algumas diferenças entre o ensino a distância e o presencial. Só assim, será possível compreender o que é um curso híbrido. Veja a seguir quais são as características principais de cada modalidade:

Ensino presencial

Esse é o modelo padrão adotado pela maioria das universidades. Ao ser aprovado no vestibular ou Enem, o estudante deverá efetuar sua matrícula na instituição de ensino escolhida e optar pelo turno em que deseja estudar: noturno, vespertino ou matinal.

A graduação dura em média 4 ou 5 anos, dependendo do curso escolhido. Todas as aulas são ministradas dentro da própria faculdade, de acordo com a grade curricular da instituição. Para ser aprovado em cada semestre, o aluno deve obter as notas mínimas exigidas pelo curso e não exceder os limites de faltas em cada disciplina.

A presença em sala de aula é verificada por meio de uma chamada feita pelos professores, geralmente no início e no final das aulas. Em regra, o aluno que exceder 20% de faltas será reprovado na disciplina, devendo repeti-la no semestre seguinte.

A obtenção do diploma ao final do curso depende da aprovação em todas as disciplinas, do cumprimento de atividades complementares e estágio profissionalizante e da entrega de um trabalho de conclusão de curso (TCC), que geralmente é feito sob a forma de uma monografia dissertativa.

Como o ensino presencial exige que os estudantes se desloquem até a faculdade em horários determinados todos os dias, ele não oferece muita flexibilidade, principalmente na reposição de faltas. Ou seja, se você não puder comparecer a uma aula, não será possível assisti-la novamente mais tarde.

Ensino EAD

Como já mencionamos, os cursos EAD estão se tornando cada vez mais populares graças ao advento da internet. Boa parte das instituições de ensino que já ofereciam cursos presenciais também estão investindo na educação a distância.

Para entrar na faculdade, as formas de ingresso a distância são basicamente as mesmas da presencial. É possível fazer vestibular, Enem, pedir transferência, obtenção de novo título e, em alguns casos, é exigido somente uma entrevista com o estudante que comprovadamente se formou no ensino médio.

A principal diferença entre o ensino EAD e o presencial está no fato de que as aulas são ministradas a distância, ou seja, não é necessário que o estudante se desloque até a faculdade para assisti-las. Mas isso não quer dizer que os critérios de aprovação em cada semestre sejam diferentes: ainda é necessário obter uma pontuação mínima em cada disciplina e manter a frequência acima de 80%, em regra.

Nesse caso, porém, a presença não é contabilizada por meio de uma chamada feita pelos professores, e sim por meio de atividades que devem ser entregues em prazos específicos ao longo do semestre.

No ensino EAD, todos os conteúdos e materiais ficam disponibilizados ao aluno por meio da plataforma online da instituição. Dessa forma, é possível acessá-los quantas vezes quiser, podendo, inclusive, assistir às aulas repetidamente para reforçar o aprendizado.

Apesar de toda essa flexibilidade, o curso ainda exige que as provas finais de cada período sejam realizadas nos polos presenciais da faculdade e a defesa do TCC seja feita pessoalmente. Os critérios para a obtenção do diploma são os mesmos do curso presencial.

Ensino híbrido

Agora que as diferenças entre o ensino EAD e o presencial estão esclarecidas, fica muito mais fácil compreender o que é o ensino híbrido ou semipresencial. Aqui, como o próprio nome já diz, temos uma mistura entre os elementos das duas modalidades anteriores. Ou seja, parte do curso é presencial e outra parte é ministrada a distância.

Porém, para entender qual é a proporção entre essas partes, é preciso deixar claro que os cursos híbridos podem ter dois focos diferentes, direcionando-se mais às atividades presenciais ou à EAD.

No caso dos cursos focados na atividade presencial, apenas 20% do seu conteúdo pode ser ministrado a distância. Ou seja, o estudante ainda deverá comparecer à faculdade para assistir às aulas e participar de atividades com outros estudantes. A presença continua sendo contabilizada por meio de chamadas.

O conteúdo a distância serve principalmente para reforçar aquilo que foi transmitido presencialmente em sala de aula. Diversos materiais de apoio ficam disponíveis na plataforma online da faculdade e os estudantes precisam cumprir as atividades dentro do prazo estipulado pelos professores para serem aprovados no final do semestre.

Já os cursos híbridos com foco no ensino EAD oferecem maior flexibilidade, porém, sem retirar o contato direto e em tempo real com professores e outros alunos. As aulas são ministradas em tempo real via satélite ou por meio de um streaming online que acontece em polos de apoio da faculdade, localizados estrategicamente em cidades e locais mais isolados.

Essa é uma excelente alternativa para estudantes que não podem se deslocar até a instituição principal para assistir às aulas todos os dias. Geralmente, os cursos semipresenciais são ministrados uma ou duas vezes por semana, dando maior liberdade aos alunos. O conteúdo transmitido fica disponível na plataforma digital posteriormente, podendo ser acessado a qualquer momento.

A grande vantagem dos cursos híbridos está no fato de que eles unem as vantagens de ambas as modalidades: dão mais liberdade aos alunos e ainda incentivam o contato presencial com a instituição para tirar dúvidas com o corpo docente, interagir com outros estudantes e realizar atividades práticas.

O diploma tem a mesma validade que o do ensino presencial?

Como já mencionamos, o ensino a distância carregou consigo uma impressão negativa por muito tempo, devido principalmente ao fato de que os cursos por correspondência não contavam com a mesma qualidade que os presenciais e, muitas vezes, não eram sequer reconhecidos como uma graduação válida.

Atualmente, esse cenário se modificou, mas, infelizmente, muitas pessoas ainda pensam que o ensino a distância não conta com a mesma excelência que o presencial. Não é à toa que existem boatos que afirmam que o diploma EAD não tem a mesma validade que os outros.

Antes de mais nada, devemos deixar claro que a validade de um diploma de curso superior não depende da modalidade em que ele foi obtido, e sim do reconhecimento do Ministério da Educação. Se um curso não é devidamente credenciado e autorizado pelo MEC, ele não tem permissão para emitir um diploma de graduação, independentemente de ser presencial ou a distância.

Logo, se um curso EAD é devidamente credenciado, o seu diploma possui exatamente a mesma validade que o presencial. Na verdade, a modalidade de ensino não é sequer mencionada nesse documento, pois é totalmente irrelevante.

O preconceito existente em relação ao ensino EAD é totalmente infundado nos dias atuais, até mesmo porque existem vários cursos a distância que contam com um conceito muito maior que os presenciais. Para avaliar a qualidade de uma instituição e descobrir se os cursos oferecidos por ela são válidos, basta acessar o site do e-MEC.

O conceito do MEC para os cursos e faculdades variam entre notas de 1 a 5, sendo que 1 e 2 são consideradas insatisfatórias. Dessa forma, a qualidade de uma graduação não deve ser julgada pela sua modalidade de ensino, e sim pelo seu reconhecimento perante o mercado.

Qual é o perfil do aluno EAD?

Diante das muitas diferenças que existem entre o curso EAD e o presencial — principalmente em relação à flexibilidade do primeiro — é comum que o perfil dos alunos que optam por uma modalidade ou outra também seja diferente.

Via de regra, o estudante EAD tem muito mais maturidade e disciplina que o presencial, afinal, ele é o responsável por permanecer com o conteúdo do curso em dia. Como as aulas e materiais ficam disponíveis na internet para serem acessados a qualquer momento, é preciso ter muito autocontrole para manter uma rotina de estudos e não deixar as aulas se acumularem.

Justamente por isso, é comum que boa parte desses estudantes sejam pessoas que já estão inseridas no mercado de trabalho ou já cursaram uma graduação antes e já sabem como se organizar para tirar o maior proveito possível do novo curso. Mas nada impede que um estudante que acabou de sair do ensino médio também opte pelo ensino EAD.

Mesmo que alguém não tenha disciplina suficiente para lidar com a flexibilidade oferecida por uma graduação a distância, ele acabará desenvolvendo autonomia suficiente ao longo do curso e se tornará uma pessoa muito mais responsável e organizada.

Como o ensino EAD utiliza uma metodologia ativa — na qual o estudante é o agente central no seu aprendizado —, muitas habilidades visadas pelo mercado de trabalho serão aprimoradas, como proatividade, comprometimento e organização.

Enquanto no ensino presencial os alunos se sentem dependentes dos professores e da própria instituição de ensino, na educação a distância, as coisas são diferentes. O professor passa a ser visto como um orientador que vai guiar seus passos em direção ao conhecimento, porém sem segurar suas mãos. O caminho a ser percorrido é de sua própria responsabilidade.

Além disso, o ensino EAD também é extremamente vantajoso para alunos que sentem dificuldade em interagir com outras pessoas. O ambiente virtual facilita o contato entre estudantes e professores, incentivando essa interação por meio das atividades e dos fóruns de discussão. Nesse caso, a tecnologia é uma excelente aliada para vencer a timidez.

Por fim, é comum que os estudantes EAD sejam — ou se tornem — pessoas muito mais familiarizadas com a tecnologia. Afinal de contas, seus estudos dependerão inteiramente da internet e das habilidades em usar o computador, tablet ou celular. Mais uma vez, essas habilidades são essenciais no mercado de trabalho.

Quais são as vantagens dessa modalidade de ensino?

Agora que já deixamos claro o que é o ensino EAD e quais são suas principais características e diferenças em relação às outras modalidades de ensino, é hora de finalmente analisarmos quais são suas vantagens. Afinal, por que um estudante deveria escolher um curso a distância em vez de um presencial?

Para responder a essa pergunta, vamos listar a seguir quais são os principais benefícios que essa modalidade de ensino pode trazer. Confira!

1. Flexibilidade

Diante de tudo que falamos aqui, não há dúvidas de que a maior vantagem de um curso a distância é a flexibilidade que ele proporciona. Não há nada melhor do que ter a liberdade de assistir às aulas quando e onde você quiser, sem ficar preso aos horários e locais estipulados por uma faculdade presencial.

Tal flexibilidade permite que muitos estudantes que não tinha condições de frequentar a faculdade — seja por não conseguir conciliar a rotina de trabalho com os estudos ou por dificuldades de acesso e locomoção — possam iniciar a sua graduação superior.

Poder estudar no seu próprio ritmo é o sonho de qualquer estudante, pois, dessa forma, é possível escolher os horários e locais mais favoráveis ao perfil de cada um. Adaptar os estudos à sua rotina diária, e não o contrário, permite que o curso a distância seja mais bem aproveitado.

2. Baixos custos

Uma instituição EAD possui baixas despesas com infraestrutura, pois não precisa de prédios com muitas salas de aula, secretarias, cantinas, estacionamentos etc. Por outro lado, consegue sustentar um número muito maior de alunos, já que não está limitada por essas questões espaciais.

Tudo isso é refletido no valor da mensalidade dos cursos a distância, que é bem inferior quando comparado aos cursos presenciais. É possível economizar até 40% apenas nesse aspecto.

Mas a economia não para por aí! O ensino EAD também gera impacto nas despesas emergentes, ou seja, aquelas que surgem em função da faculdade. Exemplos disso são os gastos com transporte público, alimentação, materiais didáticos, entre outros.

Diante da possibilidade de assistir às aulas quando e onde você quiser, não será necessário se preocupar com o deslocamento até a faculdade ou com o que lanchar durante os intervalos da aula, nem mesmo com alguns materiais, já que a própria faculdade disponibiliza apostilas digitais para complementar os estudos. Ou seja, você diminuirá consideravelmente as despesas em cada um desses pontos.

Em resumo, o ensino EAD é capaz de diminuir a maior parte dos gastos gerados por uma graduação, e isso aumenta o acesso à educação, permitindo que estudantes sem condições de arcar com os custos de uma faculdade presencial possam estudar sem grandes dificuldades, ainda mais se obtiverem uma bolsa ou descontos pela própria instituição.

3. Preparo estudantil

Ao exigir maior autonomia e proatividade dos seus estudantes, o curso a distância faz com que eles desenvolvam habilidades que são muito apreciadas no mercado de trabalho. Como já mencionamos, o perfil de um estudante EAD é bastante valioso nesse cenário, tendo em vista que ele geralmente demonstra mais maturidade e organização que muitos outros estudantes recém-formados.

Com isso, além de oferecer um ensino de qualidade, a educação a distância também prepara seus alunos para muitos desafios do mercado de trabalho que serão enfrentados no futuro. Atualmente, é até comum que algumas empresas tenham preferência por estudantes formados nessa modalidade.

E se você pensa que o ensino EAD não desenvolve os conhecimentos práticos que um curso superior deve trabalhar, está muito enganado! Apesar de a maior parte do conteúdo ser transmitido a distância, o aluno precisa cumprir horas de estágio profissionalizante para se formar e ainda deverá comparecer periodicamente aos polos presenciais da faculdade para executar atividades práticas e provas finais que avaliarão seus conhecimentos.

Em outras palavras, um curso EAD oferece tudo que os estudantes precisam para se destacarem profissionalmente: preparo acadêmico, prático e pessoal.

4. Infraestrutura

Já mencionamos que as faculdades EAD não precisam de muitas salas de aulas e outras facilidades para funcionar — o que impacta nos seus custos —, porém, isso não quer dizer que elas não ofereçam uma boa infraestrutura para dar apoio a todos os alunos e complementar seu aprendizado.

O MEC exige que todas as instituições de ensino que oferecem a modalidade de ensino EAD possuam um ou mais polos presenciais capazes de oferecer todo complemento que um curso precisa para garantir uma boa formação.

Dessa forma, ao se matricular em uma graduação a distância, você estará livre para visitar esse polo e usufruir de tudo que sua infraestrutura proporciona, como laboratório na faculdade, bibliotecas, salas de informática, e ainda será possível se reunir com professores ou monitores esporadicamente para orientações e aplicação de provas.

No caso de instituições presenciais que também oferecem cursos a distância, os estudantes ficam livres para visitar o campus principal sempre que quiserem, aproveitando tudo que ele tem a oferecer.

5. Interatividade

Ao falarmos sobre o perfil de estudantes EAD, deixamos claro que essa modalidade de ensino é uma excelente escolha para estudantes que sentem dificuldade ou vergonha de interagir com outras pessoas, bem como é uma opção vantajosa para quem deseja ficar mais familiarizado com a tecnologia.

Esses dois aspectos se devem ao fato de que a plataforma digital do ensino EAD incentiva ao máximo a interatividade do aluno com o próprio sistema de ensino e com os outros estudantes e professores.

No ensino presencial, apesar de o aluno ter um contato direto e em tempo real com os seus tutores, esse contato é geralmente limitado aos horários de aula ou monitoria. Já no ensino a distância, essa barreira não existe. Os professores e monitores estão disponíveis a qualquer momento, já que o contato com eles ocorre principalmente por meio da plataforma online.

Os fóruns de discussão e as atividades do curso também encorajam a interação entre os próprios estudantes, e tudo isso contribui para a formação de um networking que pode ser muito útil no futuro.

Por fim, apesar de o contato presencial ser limitado nos cursos a distância, isso não quer dizer que ele seja inexistente. Como já mencionamos, as provas finais devem ser feitas nos polos presenciais da faculdade, bem como a apresentação do TCC, que deverá ser defendido presencialmente perante uma banca de docentes.

Como deu para perceber, os cursos a distância conseguem unir o melhor dos dois mundos. Além de oferecer uma educação de qualidade, essa é uma modalidade que facilita a vida dos alunos e amplia o acesso à educação ao dar muito mais liberdade ao aprendizado!

Se você ainda tem alguma outra dúvida em relação ao ensino EAD, deixe um comentário neste post e teremos prazer em respondê-lo!

Engenharia Civil e Arquitetura: quais são as principais diferenças entre os cursos?

As diferenças entre os cursos de Engenharia Civil e Arquitetura nem sempre são claras. É bastante comum haver confusão entre eles e, por isso, muitos estudantes entram no dilema sobre qual curso de graduação escolher.

As dúvidas parecem ficar ainda maiores quando o ensino médio está chegando ao fim e é preciso escolher uma carreira para o futuro. Saiba que tudo isso é completamente normal e, para tomar a decisão certa, é fundamental pesquisar bem sobre o curso desejado e avaliar se ele se encaixa em seu perfil.

Pensando nisso, vamos apresentar, neste post, as principais diferenças entre os cursos de Engenharia Civil e Arquitetura. Saiba qual tem mais a ver com você e entre na faculdade com o pé direito para se tornar um profissional de sucesso!

As diferenças entre Engenharia Civil e Arquitetura

As duas áreas têm alguns pontos em comum e muitas vezes complementares, o que leva as pessoas a confundirem os cursos. A principal semelhança é que tanto o engenheiro civil quanto o arquiteto trabalham em projetos de obras e construções. Complementarmente, o engenheiro se responsabiliza pelos cálculos estruturais a fim de concretizar o projeto arquitetônico realizado pelo arquiteto.

No entanto, existem particularidades cruciais que devem ser levadas em conta na hora de escolher a profissão. O curso de Engenharia Civil, por exemplo, tem maior ênfase em disciplinas que exigem cálculos e, portanto, é bom que o estudante de Engenharia goste de matemática e física. Já o curso de Arquitetura combina as ciências exatas com matérias de humanas, como história da arte e antropologia.

Além disso, as responsabilidades e as funções de cada uma dessas profissões são diferentes. De modo geral, o arquiteto faz a planta, organiza os espaços internos e usa a criatividade pensando na estética e no conforto do ambiente. Já o engenheiro civil atua de forma mais técnica nas construções, calculando estruturas, dimensionando fundações e cuidando de toda a infraestrutura.

Conheça as principais áreas de atuação de cada uma dessas carreiras e entenda melhor suas diferenças!

As principais áreas de atuação de cada uma das profissões

Áreas de atuação em Arquitetura

Urbanismo

Uma das funções do arquiteto é realizar o planejamento racional urbano, seja de uma cidade, de determinada região ou de um bairro. Para atuar nessa área, o profissional deverá planejar aspectos como saneamento básico, comunicação visual dos espaços públicos, transporte e mobilidade urbana, além de realizar estudos urbanísticos. Para tanto, é importante conhecer a legislação e as demandas políticas do local.

Paisagismo

O arquiteto paisagista pode atuar tanto em áreas livres quanto particulares, unindo o planejamento estético às finalidades socioculturais dos espaços. Assim, pode executar projetos públicos, como praças, parques e bosques e atuar, também, em jardins, fachadas de casas e demais projetos residenciais. Vale ressaltar que o lado criativo do arquiteto é bastante importante para que o projeto satisfaça as vontades do cliente.

Arquitetura de interiores

Essa área está relacionada com a intervenção do arquiteto em ambientes internos de uma construção. O profissional pode atuar na composição dos cômodos de casas, em escritórios comerciais, consultórios e clínicas etc. A ideia é trazer conforto, beleza e praticidade para as pessoas que transitam nesses espaços.

Em ambientes corporativos, o profissional pode unir a estética à funcionalidade, organizando os espaços de modo a proporcionar um visual bonito e agradável e, ao mesmo tempo, contribuindo para a produtividade e a qualidade de vida no trabalho.

Preservação do patrimônio

O profissional da Arquitetura pode, ainda, se especializar na área de restauração e preservação do patrimônio. Ele poderá se ocupar de edifícios históricos, a fim de preservar suas características tradicionais e originais. Para tanto, o profissional deve conhecer técnicas, ferramentas e materiais de restauro.

Projetos e plantas

Uma das mais importantes áreas de atuação em Arquitetura é a elaboração de projetos de edifícios, com base na combinação entre técnica, estética e funcionalidade. O arquiteto pode coordenar construções e reformas de imóveis e, também, elaborar a planta de edifícios.

Nesse sentido, o profissional deve se preocupar com questões como conforto, estética, harmonia visual, iluminação, ventilação, distribuição dos espaços internos, design de objetos, disposição dos móveis e outros aspectos em relação ao meio em que determinado projeto está inserido e ao uso que será feito do imóvel.

Áreas de atuação em Engenharia Civil

Construções urbanas

O engenheiro civil, por sua vez, costuma atuar em grandes construções urbanas, como shopping centers e aeroportos, seja na elaboração do projeto, na coordenação da construção ou nas reformas desses edifícios. O profissional deve acompanhar todas as etapas da obra:

  • análise do terreno;

  • tipos de fundação e estrutura;

  • instalação elétrica, hidráulica e sanitária;

  • escolha dos materiais e de sua quantidade necessária;

  • características geográficas (como vento, solo, topografia) do local da construção;

  • supervisão de segurança e qualidade;

  • destino da obra etc.

Estruturas e fundações

Uma das principais responsabilidades da Engenharia Civil é cuidar da parte estrutural das construções, ou seja, do dimensionamento de cargas e esforços de uma construção, colunas e vigas e materiais necessários para a obra. Nesse contexto, o engenheiro civil tem a função de projetar as estruturas e fundações das construções, garantindo a qualidade e a segurança da obra.

Infraestrutura

É tarefa primordial do engenheiro atuar na infraestrutura das obras. Nesse sentido, o profissional pode participar de vários tipos de construção, como estradas, rodovias, ferrovias, viadutos, túneis, pontes e portos. Também pode trabalhar no planejamento e na análise de transportes urbanos, como o metrô, além de executar projetos relativos às tubulações das ruas da cidade.

Saneamento e hidráulica

O profissional da Engenharia Civil também pode trabalhar com projetos de saneamento básico, captação e distribuição de água e tratamento de esgoto. Nessa área, geralmente o engenheiro atua na elaboração e execução de projetos municipais e estaduais, garantindo o saneamento para a população local.

O engenheiro também pode projetar, executar e supervisionar projetos da engenharia hidráulica e sanitária, atuando em barragens, reservatórios, sistema de irrigação e estações sanitárias. Para tanto, é importante que o engenheiro conheça as leis ambientais.

Recursos prediais

Outra tarefa importante do engenheiro civil é garantir o correto gerenciamento dos recursos prediais. Isso significa que ele deve inspecionar a infraestrutura das construções, fiscalizar o padrão de qualidade das obras e garantir o uso adequado dos espaços depois de realizada a construção.

Como você viu, os dois cursos podem estar relacionados, mas cada um tem suas especificidades. Os profissionais de ambas as áreas podem trabalhar em conjunto em construção civil e obras de grande porte, mas cada um atuará na sua função específica para garantir qualidade e segurança para a população.

Considerando essas diferenças entre Engenharia Civil e Arquitetura, você poderá escolher o curso superior certo para você.

Quer acompanhar mais informações para ajudar no sucesso do seu futuro profissional e acadêmico? Então, assine a nossa newsletter e receba nossos conteúdos exclusivos diretamente em seu e-mail!

 

Conheça os cursos de Humanas e Exatas da UCL

Descobrir em qual área está a nossa verdadeira vocação é o primeiro passo antes de escolher um curso superior e uma profissão mais específica. Por isso, hoje vamos apresentar algumas das opções dos cursos de Humanas e Exatas da UCL.

Ainda que a faculdade seja tradicionalmente conhecida pelos seus cursos de Exatas, existem também outras alternativas que podem atrair as pessoas que apresentam interesses diferentes.

Quer saber mais sobre isso? Confira os tópicos a seguir para conhecer alguns cursos e encontrar o seu favorito!

Cursos de Exatas

As bases das Ciências Exatas são as disciplinas de Matemática, Física e Química. Por essa razão, essas áreas do conhecimento costumam ser as escolhidas pelas pessoas que gostam de cálculos.

De antemão, os alunos devem saber que é preciso disposição para lidar com muitos números e depois aprofundar-se nos conteúdos específicos. Confira abaixo alguns dos cursos de Exatas que a UCL oferece:

Engenharia Biomédica

É um ramo da engenharia relativamente novo e que apresenta boas perspectivas profissionais, afinal, ainda não há tantos engenheiros biomédicos formados no mercado.

O objetivo do curso de Engenharia Biomédica é preparar os estudantes para gerenciar empresas ou setores de ambientes médico/odonto-hospitalares, desenvolvendo suas habilidades tecnológicas e gerenciais.

Engenharia Civil

Profissão muito reconhecida, o engenheiro civil pode ser o responsável por diversas atividades que envolvem desde a elaboração de projetos até a administração de pessoas e materiais de obra.

Logo, a prioridade do curso da UCL é promover essa formação completa e diversificada para que seu aluno consiga dominar várias funções da área civil, podendo atuar em organizações do setor ou oferecendo consultorias por conta própria.

Engenharia de Automação e Controle

Também conhecida por Mecatrônica, trata-se de uma habilitação oriunda das Engenharias Mecânica, Elétrica e Informática.

Isso garante uma característica bastante multidisciplinar ao engenheiro da área, que passa a conhecer com profundidade os sistemas de automação — seja para aplicar na mineração, siderurgia, saúde, entre outros setores.

Engenharia de Petróleo

Trabalhar para a indústria de Petróleo é algo que envolve leis, técnicas e tecnologias particulares. Sendo assim, o estudante que se dedica ao curso de Engenharia de Petróleo já sai da faculdade com uma preparação diferenciada, que será crucial para atuar em um empreendimento nesse setor tão poderoso para a economia mundial.

Engenharia de Produção

Quando temos um produto em nossas mãos dificilmente conseguimos imaginar por quantas etapas ele passa desde a sua concepção até a produção completa. Todo processo produtivo abrange riscos e dificuldades que precisam ser bem calculados, avaliados e administrados.

Portanto, o engenheiro de produto carrega consigo uma grande responsabilidade, que naturalmente demanda competência e sabedoria para tomar as decisões necessárias.

Informática — Sistemas de Informação

É difícil negar que a informática transformou o mundo e revolucionou os mercados. Não por acaso, sua aplicação é muito variada e praticamente todo negócio precisa de alguém que entenda disso.

Dominar a área de TI (Tecnologia da Informação) é uma habilidade bastante requisitada, assim como o desenvolvimento de softwares e todo o know-how sobre hardwares — ou seja, tudo o que a formação em Sistemas de Informação é capaz de proporcionar.

 

Cursos de Humanas

Já as Ciências Humanas têm como principal foco de estudo o ser humano e suas relações. Logo, algumas de suas bases teóricas são matérias como Filosofia, Sociologia, História, Psicologia, entre outras.

As pessoas interessadas nas áreas de humanas normalmente preferem estudos mais subjetivos, ao contrário da exatidão dos números e fórmulas. Veja as alternativas de cursos de Humanas que a UCL oferece a seguir:

Administração

Entender as organizações e atuar em seus processos é o desafio do administrador. O curso tem o propósito de desenvolver uma visão ampla e as habilidades essenciais para que o profissional consiga fazer uma boa gestão do negócio e contribuir para o seu sucesso.

Além disso, o empreendedorismo é um outro foco do curso de Administração. Como muitos alunos têm a intenção de abrir uma empresa, é importante que saibam fazer isso com conhecimento, responsabilidade e segurança.

Gestão de Recursos Humanos

A relevância da área de Recursos Humanos tem crescido cada vez mais, deixando de ser ligada apenas aos aspectos burocráticos para representar o principal ingrediente de transformação do negócio.

Lidar com pessoas é realmente complexo e exige profissionais qualificados, que se prepararam especialmente para isso. Então, com uma boa formação é muito mais fácil recrutar e fortalecer a equipe, gerando resultados positivos não só para a empresa como para todo o bem-estar do ambiente corporativo.

Marketing

Outro setor extremamente relevante para o sucesso de uma organização é o Marketing. Sem ele, as vendas não são impulsionadas e até a imagem que a empresa passa para o mercado pode ser afetada.

Entretanto, fazer marketing sem planejamento e sem saber avaliar os efeitos de cada ação não faz sentido — e pode ser muito desastroso. Formular esse tipo de estratégia requer conhecimentos teóricos e práticos, que devem ser aprendidos em um curso específico.

Enfim, independentemente da área escolhida, o mais importante é ter em mente que a formação de um profissional bem-sucedido exige dedicação e muito estudo. Essa certamente é a melhor maneira de se capacitar e construir uma carreira satisfatória.

Gostou de conhecer os cursos de Humanas e Exatas da UCL? Para saber mais sobre a instituição e cada um deles, não deixe de entrar em contato conosco! Venha conhecer de perto todas as nossas alternativas!

Gestão Financeira

Ter uma gestão financeira eficiente é um dos maiores desejos das empresas, sobretudo para auxiliar nas decisões diárias e não comprometer sua saúde econômica. Acontece que nem todo mundo sabe fazer isso de forma consciente e segura.

É preciso ter um pensamento crítico, lógico e analítico para solucionar as questões ligadas às finanças. Para tanto, nada melhor do que fazer um curso de Gestão para desenvolver uma boa capacitação teórica e prática, utilizando conceitos sólidos.

Logística

Logística é uma área em constante evolução e, a partir disso, o capital humano e o raciocínio lógico são recursos fundamentais para acompanhar essas mudanças e propor melhorias contínuas.

O intuito é buscar que as operações sejam eficazes, no sentido de atender bem os clientes no menor tempo possível e ao menor preço. Isso garante credibilidade para o negócio e maiores lucros.

No entanto, essa não é uma tarefa fácil, e o profissional capacitado deve estar atento às legislações que regulamentam tais atividades, além de saber avaliar os custos dos projetos e as melhores alternativas para cada caso.

Você pensa em ser cientista? Saiba o que a profissão reserva para você!

Há quem sinta os primeiros indícios de vocação em ser cientista ainda na infância. Alguns desenvolvem o interesse pela profissão no ensino médio. Já outros descobrem que querem segui-la apenas depois de entrar para a faculdade, pois é justamente esse o momento em que se dão conta do impacto que ela é capaz de causar — e por poder, dessa forma, fazer a diferença para o mundo.

A verdade é que, independentemente de em qual caso você se encaixa, acontece o mesmo que ocorre com tantos outros aspirantes a estudiosos da ciência: existem muitas dúvidas sobre a área, o tipo de formação necessária para ter uma carreira nesse meio e em que ramos é possível atuar.

Por esse motivo, preparamos um post com algumas das questões mais frequentes sobre o assunto para ajudá-lo a ficar por dentro dele. Acompanhe!

O que é a ciência e o que faz um cientista?

Quando se fala em ciência e principalmente em cientistas, muitas pessoas logo associam ambos os assuntos ao que ronda o imaginário popular. Ou seja, aquilo que é formado com o que se vê em programas, séries, filmes etc.

Mas será que esses materiais — muitas vezes repleto de cenas caricatas e de piadas de mau gosto — fazem jus à profissão? Se você disse não, acertou. Ciência, na verdade, trata-se de conhecimento, de ter certeza sobre algo e usar essa informação em benefício das esferas social, cultural, histórica e ambiental — promovendo, assim, a melhoria e, acima de tudo, o avanço de todas elas.

Logo, o cientista é aquele que assume o papel de agente responsável por investigar, examinar e atestar se determinada teoria ou conceito é, de fato, real e afirma ou contradiz o senso comum.

O que é necessário para ser cientista?

Para ser cientista, é imprescindível ter ou desenvolver ao longo da formação um conjunto de características que vão ser determinantes para a produção de um trabalho de pesquisa contundente e capaz de trazer impactos benéficos para a sociedade (e o respectivo crescimento e desenvolvimento dela). Entre elas estão:

  • interesse em estudar diariamente: já que você precisa se aperfeiçoar cada vez mais e ter uma base de conhecimento sólida para afirmar qualquer resultado obtido com o seu trabalho;

  • perfil inquieto e questionador: visto que são das dúvidas e dos questionamentos que surgem os objetos de estudo, as ideias para levantamentos e pesquisas e a procura por respostas;

  • resiliência: já que o seu trabalho nem sempre vai trazer resultados de imediato e está suscetível a erros, podem surgir obstáculos (como falta de recursos e fontes de investigação) e ocorrer pressão por parte dos financiadores do projeto, por exemplo.

Como é o método científico usado nas pesquisas?

O resultado obtido por um cientista durante uma pesquisa, seja ele positivo, seja ele negativo, só é possível graças à aplicação do método científico. De maneira simples, ele é um grupo de etapas consecutivas que garantem que todas as investigações realizadas sigam o mesmo procedimento para evitar vícios que possam comprometer as explicações de causa e efeito de determinada teoria ou conceito. São elas:

  1. questionamento;

  2. hipóteses;

  3. material de estudo e fontes bibliográficas;

  4. resultados obtidos;

  5. análise dos dados;

  6. conclusão.

Que tipo de formação é preciso para ser cientista?

De uma forma geral, quem tem o sonho de ser cientista investe (e muito) na formação acadêmica. Afinal, é preciso ampliar a base de conhecimento, a bagagem cultural e o nível de raciocínio crítico. Além disso, é necessário escolher uma área para seguir e se especializar nela — de forma similar ao que acontece nas demais profissões.

Portanto, ao finalizar o seu curso superior, você segue com a pós-graduação e realiza os cursos stricto sensu, que têm como principal característica o aprofundamento sobre os aspectos da docência e principalmente da produção de pesquisa científica (tanto é que você tem um objeto de estudo que será tema da sua dissertação e da sua tese).

São eles: o mestrado — que dura até dois anos — e o doutorado — que dura até quatro anos. Contudo, não ache que acabou. Após a conclusão de ambos, é bastante comum a realização de um pós-doutorado. Durante ele, você se dedica a um estágio — que pode durar até dois anos — no qual não apenas se debruçará sobre as teses e conceitos que envolve a sua pesquisa, mas sim sobre a prática dela.

É por isso que, nesse período, os pós-doutorandos se aperfeiçoam como pesquisadores e recorrentemente idealizam projetos que podem ser financiados por investidores privados, instituições ou fundações ligadas ao MEC — que são algumas das responsáveis pela concessão de bolsas nessa fase.

Por quanto tempo se estuda?

Ao ler o tópico anterior, você deve ter pensado que após o pós-doutorado se encerram os estudos, não é mesmo? Pois saiba que isso não é verdade! Quem pretende se dedicar à ciência nunca para de estudar. Ao contrário, tem uma mente investigativa e sempre inquieta, pronta para ter mais e mais conhecimento.

Prova disso é que muitos realizam não somente um, mas vários pós-docs e após o término deles dão o próximo passo na carreira. Enquanto alguns seguem no ambiente universitário e se tornam professores, outros engatam em cargos de grande prestígio em grandes empresas (de biomedicina, polos tecnológicos, indústria farmacêutica etc.).

Quais campos de atuação um cientista pode seguir?

Para encerrar, vamos falar dos campos de atuação que um cientista pode optar. Isso porque existe uma concepção equivocada de que, basicamente, só há aqueles relacionados a quatro ramos:

  • o da saúde — que propõe o estudo e a análise de doenças assim como levantamento de possíveis tratamentos e até mesmo curas para elas;

  • o da biologia — envolvido com a descoberta, catalogação, evolução da reprodução animal e afins;

  • o da física — destinado ao levantamento de teorias diversas, como a da gravidade, da relatividade e gravitação universal, ao estudo da astronomia e à evolução das indústrias mecânica e automotiva;

  • o da química — responsável pela produção de fármacos, desenvolvimento de produtos para a indústria petrolífera entre outros.

Porém, isso não é verdade. Assim como falamos logo no início das questões, a ciência é conhecimento. E se há algo que não se limita nem se resume é o saber.

Portanto, caso queira, você pode, sim, optar por outros segmentos para ser o foco das suas pesquisas ao longo da sua trajetória profissional e que vão além das áreas exatas e biológicas, englobando também a de humanas, como a paleontologia, a linguística, a propaganda política e/ou ideológica, a filosofia, a teologia, a psicologia e suas vertentes (como a psicanálise) e muito mais.

E então, tirou suas dúvidas sobre o caminho que você deve seguir para ser cientista e o que a profissão lhe reserva? Pois agora é o momento de investir na sua formação acadêmica e fazer o seu objetivo se tornar realidade!

E se você se preocupa em como vai pagar a faculdade, aproveite e confira nosso post com 8 dicas de organização financeira! Certamente, ele vai ajudá-lo muito!

Certificações de qualidade: conheça as principais e saiba como aplicá-las!

Melhorar a qualidade de produtos e de serviços prestados ao cliente, atender aos requisitos para garantir a sustentabilidade ambiental e praticar de forma normatizada a responsabilidade social na empresa. Esses são os principais objetivos das companhias que buscam obter certificações de qualidade.

Esses sistemas de gestão da qualidade (SGQ) são responsáveis por passar um pente fino nos processos da organização. Com a aplicação deles no dia a dia da empresa, as melhorias podem ser mensuradas, tornando-se parte da cultura dos seus funcionários e garantindo mais organização e a satisfação dos clientes.

As certificações de qualidade também auxiliam o gestor a tomar decisões de forma mais segura, já que as ferramentas usadas para a obtenção delas permitem que os indicadores de desempenho da empresa sejam levantados e analisados.

Quer descobrir qual a importância da adoção de SGQ, quais são as principais certificações e seus benefícios? Então, continue a leitura deste artigo!

Saiba quais são as principais certificações

A International Organization for Standardization (ISO) é uma organização não governamental internacional criada em Genebra, na Suíça, com o objetivo de estabelecer as normas que devem ser seguidas pelas empresas que optam por adotar os sistemas de gestão de qualidade. A organização atua na qualificação de produtos, processos, materiais e serviços, unificando os procedimentos mundialmente.

Com ela, é possível apoiar de forma sustentável a saúde, o meio ambiente e a inovação, promovendo o crescimento da economia e facilitando as relações comerciais entre diferentes países. No Brasil, a representante da ISO é a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

As principais normas técnicas estabelecidas pela ISO são a 9001, a 14001 e a 17025. Há também uma norma nacional que é validada pelo Inmetro, a NBR 16001. Vamos saber os detalhes de cada uma delas:

ISO 9001

Essa é a principal norma relacionada com os modelos de gestão de qualidade. Para obtê-la, a empresa deve estipular uma série de metas a serem alcançadas. É preciso que o gestor de projetos esteja envolvido nesse processo para que as várias etapas sejam implantadas com êxito.

A ISO 9001 pode ser aplicada em empresas de qualquer porte e atuantes em todos os setores. Suas normas oferecem um conjunto de regras que promovem a implantação e o monitoramento contínuo de técnicas para otimizar processos. Seu foco é a satisfação do cliente.

ISO 14001

Essa certificação tem base na 9001, citada anteriormente, mas suas diretrizes são estabelecidas para a implantação do sistema de gestão ambiental (SGA), o que as diferencia. Sendo assim, ela tem foco nas questões sustentáveis e na garantia da proteção ambiental em todos os processos das empresas que optam por ela. Para que isso seja possível, o foco dessas normas está na prevenção.

Para obter o certificado ISO 14001, não basta que as leis ambientais brasileiras sejam respeitadas. É preciso que toda a corporação mude sua cultura em relação à responsabilidade ambiental, seguindo parâmetros internacionais. Dessa forma, todos os funcionários devem ser treinados para que seja estabelecida a melhoria contínua dos processos nesse sentido.

ISO 17025

Essa norma se diferencia das demais da ISO por se tratar da certificação de laboratórios de calibração e ensaio. Com ela, as empresas conseguem comprovar que realizam suas tarefas com precisão, garantindo resultados de alta qualidade. Ela é obtida de maneira semelhante às ISO 9001 e 14001.

No caso da 17025, para conseguir ser certificada, a empresa deve passar por uma série de auditorias, que asseguram que o laboratório está enquadrado aos padrões internacionais de qualidade. Ela também segue padronizações tanto ambientais quanto de segurança nos processos.

NBR 16001

Essa norma trata do sistema de gestão da responsabilidade social. Por meio dela pode ser aplicado na empresa um conceito bem abrangente sobre esse tema, englobando todas as questões econômicas e sociais relacionadas à sustentabilidade. É importante para a obtenção desse certificado de qualidade o engajamento de todos os envolvidos no processo.

Esse sistema de gestão tem o objetivo de incentivar o comprometimento das empresas com a promoção da cidadania, da transparência em suas atividades e do desenvolvimento sustentável da região onde elas atuam.

A NBR 16001, ao contrário das demais, é uma certificação nacional e deve ser validada pelo Instituto Nacional de Metrologia e Qualidade Industrial (Inmetro).

Conheça quais são os passos para obter as certificações

Para obter as certificações, as empresas devem seguir alguns passos recomendados pelo organismo certificador. Veja quais são os principais:

Conhecer as normas

Para conseguir receber o certificado de qualidade, seja ele de gestão da qualidade, ambiental ou qualquer outro, é preciso conhecer profundamente o conteúdo prescrito em cada norma. O teor de cada uma delas está no site da ABNT, no qual você encontra todas as informações necessárias para que a sua empresa seja certificada.

Nessa consulta, você também encontra o catálogo digital com as normas, cursos e publicações, além das informações técnicas e institucionais.

Implantar na sua empresa

Para colocar em prática todas as etapas estabelecidas nas normas da ABNT, o ideal é que sejam contratadas consultorias especializadas nesse processo. Isso porque as normas indicam o que deve ser feito para que a organização obtenha o certificado, mas não determinam como isso deve ser feito.

De toda forma, é necessário que os gestores acompanhem de perto os processos de implantação dos sistemas de gestão da qualidade, que facilitarão o monitoramento, o fluxo dos processos, a tomada de decisões e a melhoria contínua da empresa.

Contratar um organismo certificador

A empresa pode contratar uma consultoria, implantar o sistema de gestão da qualidade e melhorar seus processos por conta própria. Mas o reconhecimento e a posterior certificação só ocorrerão depois que uma empresa especializada fizer as auditorias necessárias para isso.

Nessa etapa, será necessário comprovar que os processos de produção e de gestão estão de acordo com as normas da certificação escolhida. Para isso, serão levantados documentos e realizadas auditorias, coleta de amostras, entre outros procedimentos, dependendo de qual certificação estiver sendo obtida.

Veja quais são os benefícios das certificações de qualidade

Não há dúvidas de que promover as melhorias e implantar os sistemas de gestão da qualidade em sua empresa traz uma série de vantagens para a organização. Além de melhorar a imagem do negócio, as certificações de qualidade trazem benefícios como a redução de custos, maior competitividade no mercado, tanto nacional quanto internacional, entre outros. Confira alguns deles:

Melhorias na gestão

  • equipes mais comprometidas com a qualidade;

  • mais facilidade para a tomada de decisões;

  • melhora na imagem institucional da empresa, no clima e na comunicação.

Redução das perdas

  • promoção da melhoria contínua dos processos;

  • produtos de acordo com as normas técnicas;

  • combate à concorrência desleal.

Eficácia nos processos

  • maior competitividade;

  • inovação e desenvolvimento de novos produtos;

  • mapeamento e registro das atividades da empresa.

Como vimos, os sistemas de gestão da qualidade asseguram mais eficácia e competência às empresas que atuam no mercado em qualquer segmento. Desde que os certificados de qualidade passaram a ser implantados no Brasil, o país passou a ter mais condições de competir internacionalmente.

Este conteúdo foi útil? Quer mais informações relevantes sobre empresas e mercado de trabalho? Então, assine a newsletter da Faculdade UCL e receba nossas novidades com exclusividade!

 

O que é preciso para mudar de profissão? Veja nossas dicas!

Muitas pessoas compartilham a vontade de mudar de profissão, mas ficam receosas em colocar esse desejo em prática por conta do impacto que isso trará para a vida delas.

E isso não é para menos, já que, além das contas que chegam todo mês, há uma série de medos que envolvem essa mudança, como a possibilidade de a recolocação demorar bastante tempo, de o novo salário ser inferior ao antigo, do arrependimento e insatisfação profissional e principalmente do desemprego.

Pensando nisso, reunimos algumas dicas que vão facilitar essa guinada na sua carreira e torná-la um processo mais seguro, organizado e preparado para lidar com as adversidades que podem surgir. Acompanhe!

Identifique o motivo de mudar de profissão

Para começar, é essencial que você faça um exercício de autoconhecimento e identifique quais são as causas que estão levando-o a mudar de profissão. Isso é importante para evitar que haja precipitações, como uma saída repentina do emprego, e garantir que esse passo que você está dando agora não seja, futuramente, motivo de frustração. Para tanto, faça a si mesmo as seguintes perguntas:

  • estou insatisfeito com o meu salário e gostaria de ganhar mais?

  • minha jornada de trabalho é muito exaustiva e quase não tenho tempo de estar com amigos e familiares para aproveitar meu tempo livre?

  • sinto que estagnei na minha profissão e não há como evoluir e ter novos desafios no segmento em que atuo?

  • não há chances de crescimento nem possibilidade de novos projetos na empresa em que trabalho?

  • minha área de atuação já não me satisfaz como na época em que comecei a trabalhar nela?

Trace metas e objetivos claros

Após identificar as razões por trás da vontade de mudar de profissão, é hora de traçar quais são as suas metas e os seus objetivos para assegurar que essa transição seja bem-sucedida e traga a realização profissional que você tanto procura.

Por exemplo, se o seu foco é mudar de área, saindo da arquitetura para uma das engenharias, você deve estabelecer quais serão os passos que precisam ser dados para que esse objetivo seja alcançado. Entre elas, podem estar:

  • prestar vestibular para o curso desejado;

  • fazer uma graduação e obter o diploma;

  • estagiar e encontrar um emprego no segmento.

Por outro lado, se você quer se manter na mesma área em que já se encontra, mas somente mudar de emprego para ter um melhor retorno financeiro, pode fixar as seguintes metas:

  • atualizar o seu currículo para enviar para outras companhias;

  • pesquisar vagas no exterior, especialmente em multinacionais;

  • abrir o próprio negócio e se tornar um empreendedor.

Analise o mercado de trabalho

Também é primordial que você analise o mercado de trabalho na nova área em que vai atuar ou no novo segmento que deseja explorar — caso seu objetivo não seja trocar totalmente de ramo (por exemplo, saindo do marketing digital para o marketing institucional).

Para tanto, converse com pessoas que já trabalham na ocupação que almeja para pedir conselhos e opiniões que podem fazer a diferença na sua carreira, pesquise as empresas que mais têm contratado novos colaboradores, informe-se sobre a média salarial e as expectativas de crescimento etc.

Faça um planejamento financeiro

Outra dica fundamental para quem quer mudar de profissão é fazer um planejamento financeiro. Isso porque, ao sair de um emprego, não há garantias de que você já começará de imediato em outra organização nem mesmo de que ganhará mais do que no antigo cargo.

Ao contrário, há grandes chances de essa mudança levar mais tempo do que o desejado e, inclusive, ocorrerem imprevistos que comprometam o seu orçamento mensal. Portanto, é indispensável estar preparado para todos os possíveis cenários e, acima de tudo, garantir que você ainda terá uma renda mesmo sem ter uma nova ocupação.

Como fazer isso? Simples: a partir da criação de uma reserva equivalente a, no mínimo, um ano de trabalho. Para tanto, você pode apenas poupar do seu atual salário ou mesmo procurar alternativas de investimentos, como o Tesouro Direto, que têm uma baixa taxa de risco e um bom retorno a longo prazo.

Invista na sua formação

Fora as dicas anteriores, não deixe de investir na sua formação. Afinal, o aprendizado não é apenas importante para aumentar o conhecimento e desenvolver novas habilidades e competências, mas também uma necessidade para que você se prepare adequadamente para o mercado de trabalho.

Por isso, escolha uma instituição de ensino de renome para fazer uma graduação de qualidade e que lhe permita ter uma vida acadêmica com diversas oportunidades (como programas de formação internacional e iniciação tecnológica e científica) e considere a possibilidade de fazer uma pós-graduação (como uma especialização ou um MBA).

Além disso, vá além e participe de palestras e congressos e realize cursos e workshops que tenham a ver com a área na qual deseja atuar. Dessa forma, você se mantém atualizado quanto às tendências e novidades do segmento.

Aposte no networking

Por fim, mas não menos importante, aposte no networking como um grande aliado na hora de mudar de profissão. Isso porque ter uma rede de contatos não apenas grande, mas principalmente sólida, pode ser exatamente o que você precisa para abrir novas portas e tornar essa fase transitória mais fácil e rápida.

E não se engane, pois não se trata somente de conseguir indicações para determinadas vagas. Ao contrário: é ter acesso a informações privilegiadas, receber convites para parcerias em diferentes projetos, ser convidado para trabalhos temporários que podem servir como uma vitrine do seu empenho, bom serviço e competência, e por aí vai.

Por isso, pratique um bom relacionamento interpessoal com colegas, chefes e fornecedores no seu cargo atual, sempre se envolva nas celebrações da organização e busque participar de eventos que reúnam profissionais ligados ao novo ramo que pretende seguir.

Adotando as nossas dicas, você verá como é possível mudar de profissão de maneira planejada e principalmente consciente para ter uma carreira de sucesso e que, de fato, lhe satisfaça e dê o retorno desejado.

E se você gostou deste post, aproveite e compartilhe-o nas suas redes sociais para inspirar seus amigos que também estão programando essa mudança!